Unidades de Conservação de Proteção Integral: solução para a preservação? Floresta com Araucárias em Santa Catarina

Autores

  • Eunice Sueli Nodari Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2011v18n25p96

Palavras-chave:

História Ambiental, Floresta com Araucárias, Desmatamento, Mata Atlântica, Unidades de Conservação, Áreas protegidas

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar o processo histórico de desmatamento da Floresta com Araucárias no Oeste de Santa Catarina no século XX e início do século XXI e a trajetória da criação das Unidades de Conservação de Proteção Integral em 2005 pelo Governo Federal. No Estado de Santa Catarina a Floresta com Araucárias correspondia a 42,5% da vegetação total. Atualmente os fragmentos remanescentes não perfazem 5% da área original e somente 0,7% podem ser considerados como mata virgem, colocando-a entre as tipologias mais ameaçadas da Mata Atlântica. O processo de colonização escolhido para a região pode ser considerado um dos responsáveis pela situação atual da floresta. A análise das diferentes fontes aponta que a devastação ocorreu independente da legislação em vigor, os problemas estavam no controle, na sobreposição dos interesses econômicos e ainda na falta de uma opinião pública atuante na defesa da preservação e do reflorestamento da Floresta com Araucárias.

Downloads

Publicado

2011-06-23