É doce e honroso morrer pela pátria? rituais cívicos e disciplina militar na Guerra do Contestado

Autores

  • Rogerio Rosa Rodrigues Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2012v19n28p31

Palavras-chave:

Guerra do Contestado, Rituais cívicos, Patriotismo, Disciplina, Exército

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar os rituais cívicos celebrados pelo Exército brasileiro durante a repressão ao movimento do Contestado. As fontes de referência para a análise são os discursos proferidos pelos oficiais e lidos publicamente durante os exercícios militares. A hipótese defendida é de que os discursos oficiais tinham como objetivo imediato disciplinar os soldados, justificar as mortes e conferir identidade ao inimigo interno, no caso, os rebeldes do Contestado. No entanto, os mesmos rituais apontam para a estreita relação que o exército mantinha com a política nacional, em especial com o regime republicano que ajudou a implantar em 1889. A inspiração para essa estratégia vinha tanto das experiências do passado, quanto dos confrontos “corpo a corpo” com os rebeldes do sul do Brasil. Em função disso, em primeiro lugar será analisado a disciplina e militarização dos rituais promovidos pelos fiéis de São João Maria, para em seguida, destacar os elementos religiosos da atuação militar promovida no campo de batalha durante a guerra do Contestado entre setembro de 1914 e maio de 1915.

Biografia do Autor

Rogerio Rosa Rodrigues, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Professor Adjunto  de Teoria  Teoria da História da Universidade do Estado de Santa Catarina

Downloads

Publicado

2012-12-05