AS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS NA HISTÓRIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS: ENTRE A GOVERNANÇA GLOBAL E AS ESTRATÉGIAS DOS ESTADOS NACIONAIS

Rogerio Santos Costa

Resumo


Neste artigo procuramos discutir a dinâmica das Organizações Internacionais (OIs) na história das relações internacionais, abordando suas limitações e possibilidades em contribuir como mecanismo de ação coletiva dos Estados nacionais, buscando uma aproximação com os debates acerca da relação das OIs ora com uma “Governança Global”, ora com a estratégia dos Estados nacionais. O estudo considera relevante como influência da dinâmica das OIs as premissas do institucionalismo histórico de path dependency, retornos crescentes e conjunturas críticas, além dos ciclos, tanto de Kondratieff da economia-mundo capitalista, como de hegemonia no sistema internacional. O trabalho contém três seções, além das considerações iniciais e finais, abarcando o período pré e pós-criação da Liga das Nações, um outro durante a Guerra Fria, e, por fim, a última parte dedicada ao momento pós-Guerra Fria até a primeira década do novo milênio. Se, por um lado, é possível assumir a dificuldade de as OIs efetivarem seus objetivos diante das estratégias dos Estados nacionais, por outro, é inegável a sua contribuição em algumas áreas específicas do sistema internacional, que podem indicar o embrião de possibilidades para certa “Governança Global”.


Palavras-chave


Organizações Internacionais; história das relações internacionais; estratégia dos Estados nacionais; governança global

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2014v21n32p182

Direitos autorais 2019 Rogerio Santos Costa

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil