DO ALINHAMENTO E AUTONOMIA AO ENGAJAMENTO E CONTENÇÃO: O REPENSAR DAS RELAÇÕES BILATERAIS BRASIL-ESTADOS UNIDOS

Cristina Soreanu Pecequilo

Resumo


Ao longo da história da diplomacia brasileira, as relações bilaterais Brasil-Estados Unidos evoluíram de forma sólida, mas não isenta de controvérsias. A oposição alinhamento e autonomia expressa estas contradições muitas vezes reduzindo as alternativas de política externa do Brasil a uma visão de cooperação ou conflito com os norte-americanos. Todavia, esta é uma abordagem simplista que não avalia a pauta estratégica dos Estados Unidos ou compreende suas interações com as potências regionais. Além disso, oferece uma percepção reducionista dos recursos de poder brasileiros, que defende um papel de baixo perfil no equilíbrio de poder mundial. O objetivo deste artigo é apresentar uma análise mais realista e pragmática destas relações, tendo como ponto de partida o olhar norte-americano sobre o Brasil em termos de engajamento e contenção, demonstrando a importância de que o país se posicione de forma autônoma no sistema internacional.


Palavras-chave


Política Externa Brasileira; Política Externa dos Estados Unidos; Relações Bilaterais

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2014v21n32p92

Direitos autorais 2019 Cristina Soreanu Pecequilo

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil