Dominação e modernidade regressiva, call centers e trabalho em Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2014v22n33p148

Palavras-chave:

Call Center, Trabalho, Precariedade

Resumo

Este artigo aborda o setor dos call centers em Portugal, as suas formas de organização de trabalho no quadro da precariedade como fenómeno generalizado. A construção de consensos capazes de garantir processos de funcionamento em que trabalhadores e trabalhadoras, progressivamente adquirem estatuto de “colaboradores”, tornando mais frágil o seu vínculo formal com as entidades empregadoras, é potenciado pela hegemonia do discurso do mérito individual e da flexibilidade. Por outro lado, a globalização capitalista assegura uma rede de relações em que a origem do capital se encontra desfocada por uma realidade em que o trabalhador se encontra a trabalhar através de empresas intermediárias e onde quem tem o poder real dentro de um call center não é nunca o empregador. Clientes confundem-se com patrões numa confusão de papéis que protege o capital e torna o trabalho mais dependente, retirando-lhe capacidade de luta e transformando o conflito de classes num jogo de sombras.

Biografia do Autor

João Carlos Louçã, Instituto de História Contemporânea - Universidade Nova de Lisboa

Doutorando em Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa na área de poder, resistências e movimentos sociais.

Downloads

Publicado

2015-12-09