Masculinidades plurais na América portuguesa (séculos XVI, XVII e XVIII)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2016v23n35p61

Palavras-chave:

História Cultural, Brasil séculos XVI-XVIII, Maculinidades

Resumo

Este artigo tem como propósito analisar masculinidades no processo de expansão do Império Ultramarino português, entre os séculos XVI e XVIII, conferindo centralidade ao avanço da colonização nas capitanias do Norte da América Portuguesa. Na primeira parte do trabalho focamos nosso exame sobre a dinâmica do masculino ideal e do ideal de masculinidade. Em seguida, analisamos a lei como plataforma delineadora dos gêneros. Por fim, cotejamos esses elementos ordenadores com as experiências de alguns dos sujeitos que ganharam destaque na aventura de colonização do Estado do Brasil, como o cavaleiro Diogo Botelho, oitavo Governador Geral do Estado do Brasil. 

Biografia do Autor

Mário Martins Viana Júnior, Universidade Federal do Ceará

Professor Adjunto A2 do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará. Coordenador do Núcleo de Estudos sobre Memória e Conflitos Territoriais (COMTER)

Downloads

Publicado

2016-09-16