Da segurança à cobiça: um breve relato da transição dos argumentos abolicionistas nas propostas legislativas no Parlamento

Guilherme Del Negro

Resumo


Os vívidos debates legislativos no parlamento brasileiro sobre a proibição do tráfico e a abolição da escravidão desmontam a imagem de uma apatia institucionalizada ou de um comprometimento dissimulado com a causa abolicionista no cenário internacional – existiam preocupações sinceras com os rumos da nação. No artigo, sistematizo os argumentos mais comumente invocados no parlamento imperial e periodizo os projetos de lei ali apresentados, de modo a associar ideias e leis. Dessa associação, concluo que, ao passo que a ideia da abolição amadurecia e ganhava corpo, os argumentos transitaram da defesa da segurança nacional para a condenação da cobiça.

Palavras-chave


Debates legislativos; Abolição da escravidão; Tráfico negreiro

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, R. A Emancipação Progride. Radical Paulistano, São Paulo, 25 de junho de 1869. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/obras_seletas_vol6.pdf

BLACKBURN, R. A queda do Escravismo Colonial: 1776-1848. Rio de Janeiro: Record, 2002.

CARLYLE, T. Chartism. Boston: Charles C. Little and James Brown, 1840.

CHALOUB, S. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COSTA, E. V. Da Senzala à Colônia. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1966.

DAVIS, D. B. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

DRESCHER, S. Brazilian Abolition in Comparative Perspective. In: SCOTT, R., DRECHER, S., CASTRO, I. M., ANDREWS, G., LEVINE, R. The Abolition of Slavery and the Aftermath of Emancipation in Brazil. Londres: Duke University Press, 1988.

DU BOIS, W. E. B. The Suppression of the African Slave Trade to the United States of America: 1638–1870. Nova Iorque: Harvard Historical Studies, Longmans, Green, & Co, 1986.

GURGEL. A. E. Uma Lei para Inglês Ver: A Trajetória da Lei de 7 de Novembro de 1831. Justiça e História. Porto Alegre, v. 6, n. 12, 2006.

HOLCOMBE, J. P. Is Slavery Consistent with Natural Law? Southern Literary Messenger 27 (1858).

IBGE, Centro de Documentação e Disseminação de Informações. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2007, p. 223. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/ liv6687.pdf

MALHEIRO, A. M. P. A Escravidão no Brasil: Ensaio Histórico-Jurídico-Social, parte 1. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1866.

MIGNOLO, W. D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

MONTESQUIEU, C. de S. De l’esprit des lois. Paris: Garnier,

NABUCO, J. O abolicionismo. São Paulo: Publifolha, 2000.

NABUCO, J. Um estadista do Império: Nabuco de Araújo, sua vida, suas opiniões, sua época. Tomo III. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1900.

ROCHA, A. P. Abolicionistas Brasileiros e Ingleses: a coligação entre Joaquim Nabuco e a British and Foreign Anti-Slavery Society (1880-1892). São Paulo: Editora UNESP, 2009.

Senado Federal. A Abolição no Parlamento: 65 anos de luta, 1823-1888. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Arquivo, 1988.

SILVA, A. R. C. Construção da Nação e Escravidão no Pensamento de José Bonifácio: 1783-1823. Dissertação (Mestrado em História Social do Trabalho) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

SMITH, A. An inquiry into the nature and causes of the wealth of nations. Edimburgo:Thomas Nelson & Peter Brown Eds., 1834.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2018v25n40p268

Direitos autorais 2019 Guilherme Del Negro

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil