Armado com sua fé e sua medicina: visões da África e do africano a partir do diário de Albert Schweitzer.

Naiara Krachenski

Resumo


Este artigo tem como objetivo compreender de que formas o discurso médico foi um elemento estruturante na produção e reprodução sobre estereótipos da África e do africano no contexto do imperialismo europeu. Para tanto, utilizamo-nos como fonte principal as memórias do médico alemão Albert Schweitzer sobre seu trabalho entre os anos de 1913 e 1916 na África Equatorial Francesa. Em um primeiro momento, analisamos os motivos e intenções apresentados pelo autor para iniciar sua jornada. Em um segundo momento, apontamos para dois estereótipos que são utilizados recorrentemente no texto de Schweitzer – a preguiça inata do negro e sua dependência ao álcool. Finalmente, apontamos outras duas características que aparecem nas memórias do médico e estruturam o modo de pensar imperialista: a pretensa superioridade europeia em relação aos africanos e a construção de uma alteridade animalesca.

Palavras-chave


Imperialismo; Discurso médico; Colônias africanas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2018v25n40p378

Direitos autorais 2019 Naiara Krachenski

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil