“Memento lues, delenda lues!” A profilaxia e o tratamento da sífilis na Revista de Medicina nos anos 1920.

Priscila Bermudes Peixoto, Leonardo Dallacqua de Carvalho

Resumo



O objetivo deste trabalho consiste em analisar as abordagens sobre a sífilis encontradas na Revista de Medicina, com ênfase em refletir sobre o modo como esta enfermidade era pensada no contexto dos anos 1920, momento em que a corrente higienista possuía considerável adesão entre os médicos brasileiros. Entendida como um fator de degeneração, a sífilis era mencionada como consequência de um comportamento impróprio e imoral. Nesse sentido, objetivamos analisar as discussões em torno de seus tratamentos e medidas profiláticas.


Palavras-chave


Sífilis; Medicina; Higienism; Revista de Medicina

Texto completo:

PDF

Referências


A MODERNA therapeutica da syphilis e o parecer do prof Mingazzini sobre o mercurio. Revista de Medicina, São Paulo, v. 012, n. 048, 1927.

ALCANTARA, Pedro de. Conselhos de Hygiene sexual e moral. Revista de Medicina, São Paulo, v. 005, n. 031, 1924.

ALMEIDA JÚNIOR, Antônio. O exame médico pré-nupcial. São Paulo: Instituto Dona Anna Rosa, 1927.

ANTUNES, José Leopoldo Ferreira. Medicina, leis e moral. Pensamento médico e comportamento no Brasil (1870 – 1930). São Paulo: Editora UNESP, 1998.

ARMUS, Diego. La ciudad impura. Buenos Aires: Edhasa, 2007.

BACELLAR, Arnaldo. Etiologia da surdo mudez. Revista de Medicina, São Paulo, v. 008, n. 039, 1926.

BOURROUL, Celestino. Tratamento da syphilis. Revista de Medicina, São Paulo, v. 002, n. 008, 1918.

CAMPOS, Ovidio Pires de. Revista de Medicina. Revista de Medicina, São Paulo, v. 001, n. 001, 1916.

CARRARA, S. Tributo a Vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1996.

CORREIA. Luciana Cristina. Instituto de Higiene (1918-1929) no estado de São Paulo - a atuação de Geraldo Horácio de Paula Souza e Mário da Costa Galvão. Cad. hist. ciênc., São Paulo, v. 7, n. 1, jun. 2011.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

COSTA, M. C. L. Teorias médicas e gestão urbana: a seca de 1877-79 em Fortaleza. História, Ciências, Saúde Manguinhos, vol. 11(1): 2004.

CZERESNIA, D.: ‘Do contágio à transmissão: urna mudança na estrutura perceptiva de apreensão da epidemia’. História, Ciências, Saúde Manguinhos, vol. 4 (l), 1997.

DANTAS, Bruna Suruagy do Amaral. Sexualidade, cristianismo e poder. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 10, n. 3, 2010.

FESTIVAL beneficiente. Revista de Medicina, São Paulo, v. 013, n. 050, 1928.

FLECK, Ludwik. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactur, 2010.

GODOY, Paulo de. O exame medico pre-nupcial. Revista de Medicina, São Paulo, v. 012, n. 049, 1927.

GODOY, Paulo de. Pontos de Vista. Revista de Medicina, São Paulo, v. 008, n. 040, 1926.

GUIMARÃES, Valéria. Notícias diversas: suicídios por amor, leituras contagiosas e cultura popular em São Paulo dos anos dez. Campinas: Mercado de Letras, 2013.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento: As bases da política de Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec Anpocs, 1998.

KEHL, Renato. A Eugenia no Brasil. In: Actas e trabalhos Primeiro Congresso Brasileiro de Eugenia. Rio de Janeiro: s. n., v.1, 1929.

LUZ, Madel. Medicina e ordem política brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

MAI, Lilian Denise. Difusão dos ideários higienistas e eugenistas no Brasil. In: BOARINI, Maria Lucia (org.) Higiene e Raça como projetos: Higienismo e Eugenismo no Brasil. Maringá: Eduem, 2003.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Construindo a paulistaneidade. As representações do feminino e do masculino no discurso médico-eugênico, São Paulo (1890 – 1930). História Revista. Goiânia, v.1, n.1, 1996.

MEIRA, Rubião. Lição Inaugural. Revista de Medicina, São Paulo, v. 011, n. 046, 1927.

MERHY, Emerson Elias. São Paulo de 1920 a 1940 - A Saúde Pública como Política. Os movimentos sanitários, os modelos tecnoassistenciais e a formação das políticas governamentais. Porto Alegre, Editora Rede UNIDA, 2014.

MONTEIRO, Y. N., CARNEIRO, M. L. T.(Orgs.). As doenças e os medos sociais. São Paulo, Editora Fap-Unifesp, 2012.

MOTA, André. O caso da Faculdade de Medicina em 1911. REVISTA USP, São Paulo, n.61, março/maio 2004.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; CARVALHO, Diana Maul de.; MARQUES, Rita de Cássia (Orgs.). Uma História Brasileira das Doenças. Editora MAUAD, Rio de Janeiro, 2006.

O EXAME pré nupcial. Correio Paulistano, São Paulo, ano LXXXIII, n.24.672, 21 de agosto de 1936.

PEIXOTO, Afrânio. Novos rumos da medicina legal. Rio de Janeiro: Guanabara, 1938.

PINHEIRO, Rachel. O que nossos cientistas escreviam: algumas das publicações em ciências no Brasil do século XIX. Tese de Doutorado. Campinas: Instituto de Geociências (UNICAMP), 2009.

PORTOCARRERO., V. Arquivos da loucura: Juliano Moreira e a descontinuidade histórica da psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002.

PUPO, Aguiar. Uma campanha salutar: a luta contra a syphilis em São Paulo – Sobre a organização de dispensários anti-venereos e sua função prophylactica. Revista de Medicina, São Paulo, v. 003, n. 020, 1922.

RAGO, Elisabeth Juliska. Outras falas: feminismo e medicina na Bahia (1836 – 1931). São Paulo: Annablume, FAPESP, 2007.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar (Brasil 1890 – 1930). Rio de Janeiro: Paz e terra, 1997.

ROSEMBERG, 2002; ROSEMBERG, Charles E. “The Tyranny of Diagnosis: Specific Entities and Individual Experience.” The Milbank Quarterly, v. 80, n. 2, 2002.

SANTOS, Luiz Antonio de Castro. O pensamento sanitarista na Primeira República: Uma ideologia de construção da nacionalidade. Dados. Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v.28, 1985.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu Extático na Metrópole, São Paulo sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo, Cia das Letras, 1992.

STEPAN, Nancy Lays. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro Editora Fiocruz, 2005.

STEPAN, Nancy, Lays. Eugenia no Brasil (1917-1940). In: HOCHMAN, Gilberto; ARMUS, Diego (Orgs.). Cuidar, controlar,curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.

TEIXEIRA, Luiz Antonio. Ciência e saúde na terra dos Bandeirantes a trajetória do Instituto Pasteur de São Paulo no período 1903 – 1916. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995.

TEIXEIRA, Luiz Antonio. Ciência e saúde na terra dos Bandeirantes a trajetória do Instituto Pasteur de São Paulo no período 1903 – 1916. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995.

TELAROLLI JUNIOR, Rodolpho. Poder e Saúde. As epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo, Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996.

VILHENA, Cyntia Pereira de Souza. Práticas eugênicas, medicina social e família no Brasil republicano. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 19, n.1, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7976.2018v25n40p391

Direitos autorais 2019 Priscila Bermudes Peixoto, Leonardo Dallacqua de Carvalho

Esboços: histórias em contextos globais - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil