Imagens de um passado sensível: formas de memória do cangaço em arquivos públicos, pessoais e digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2020.e70797

Palavras-chave:

Memória, Arquivo, Fotografia

Resumo

O texto apresenta uma reflexão a respeito de formas de memória do cangaço, fenômeno de banditismo do Nordeste brasileiro, como um dito tema sensível nacional. Tem como problema estruturante sua transformação pelas mídias técnicas, com atenção ao lugar de imagens dos restos mortais dos cangaceiros, em contexto de expansão globalizada da cultura da memória a partir do terço final do século XX. Para a análise, suscita um debate simultâneo, em cada uma das suas partes, sobre as políticas de memória relacionadas a diferentes tipos de arquivamentos, enfatizando casos do cangaço; as singularidades dos arquivos públicos, pessoais e digitais que têm mais circulação na cena pública do tema; os lugares de fotografias entre-imagens distintas, destacando principalmente registros das cabeças cortadas e/ou mumificadas de cangaceiros. Na base da proposta, os estudos da Memória Cultural, de teorias do Arquivo e da Cultura Visual, em que se enfatiza como tais áreas repensam suas epistemologias diante do universo virtual. Daí surgem notas propositivas que visam a contribuir com a agenda de estudo contemporânea do assunto, para além da questão nacional, como algumas que despontam em escala mais global de investigação histórica.

Biografia do Autor

Vagner Silva Ramos Filho, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Campinas, SP, Brasil

Doutorando em História pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Possui graduação em História (2014) e mestrado em História Social (2016) pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio e Memória (GEPPM-UFC/CNPq), do Grupo de Pesquisa Cultura Visual, Imagem e História (UNICAMP/CNPq) e do Grupo de Pesquisa História Popular do Nordeste (HPOPNET-UFS/CNPq).

Referências

ALBUQUERQUE JR., Durval M. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

ALBUQUERQUE JR., Durval M. Feira dos mitos: a fabricação do folclore e da cultura popular (Nordeste 1920 - 1950). São Paulo: Intermeios, 2013.

ALBUQUERQUE JR., Durval M. Bacurau: será mesmo resistência? Saiba Mais: agência de reportagem, 15 set. 2019. Disponível em: https://www.saibamais.jor.br/bacurau-sera-mesmo-resistencia/ Acesso em: 20 de set. 2019.

AMAURY, Antonio. Assim morreu Lampião. Rio de Janeiro: Ed. Brasília, 1975.

AMAURY, Antonio; RUBEN, Luiz. Lampião e as cabeças cortadas. Paulo Afonso: Graf Tech, 2008.

ANTONIO, Rubens. Cabeças... Estado atual de retificação e colorização, após anos de trabalho. Salvador, 27 ago. 2019. Facebook: rubensantoniodasilvafilho. Disponível em: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=3166451220061817&set=a.2593120597394885&type=1&theater. Acesso em: 22 set. 2019.

ARAÚJO SÁ, Antonio F. O Cangaço nas batalhas da memória. Recife: UFPE, 2011.

ASSMANN, Jan. Comunicative and cultural memory. In: ERLL, Astrid; NUNNING, Ansgar. Cultural memory studies. Berlin: De Gruyter, 2008. p. 109-118.

ASSMANN, Aleida. Espaços da Recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2011.

AUERBACH, Adam. Informal Archives: Historical Narratives and the Preservation of Paper in India’s Urban Slums. St Comp Int Dev., Providence, v. 53, p. 343-364, 2018.

BACURAU. Direção de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dorneles. Brasil: Produção SBS Productions / CinemaScópio / Globo Filmes, 2019. 132 min.

BARBOSA, Severino. Combate da Grota de Angicos marcou o fim da era do cangaço. Diário de Pernambuco, Recife, 6 nov. 1966. Digitalização disponível em: http://acervosdigitais.cnfcp.gov.br/Recortes%20de%20Jornais/3900. Acesso em: 20 set. 2019.

BELLOUR, Raymond. Entre-imagens: foto, cinema, vídeo. Campinas: Papirus, 1997.

BENTES, Ivana. Brasil e a síntese do Brasil Brutal. Revista Cult, 29 ago. 2019. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/bacurau-kleber-mendonca-filho. Acesso em: 05 set. 2019.

BLOM, Ina. Memory in Motion: Archives, Technology and the Social. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2017.

BRITTO, Clovis Carvalho. Revisitando uma “coleção de cabeças”: notas sobre a musealização de restos mortais do cangaço. Soc. e Cult., Goiânia, v. 21, p. 95-112, 2018.

CAETANO, Maria do Rosário (org.). Cangaço: o Nordestern no cinema brasileiro. Brasília: Avathar Gráfica, 2005.

CLEMENTE, Marcos. Cangaço e cangaceiros: histórias e imagens fotográficas do tempo de Lampião. Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 4, n. 4, p. 1-18, 2007.

CONRAD, Sebastian. What is Global History? Princeton: Princenton University Press, 2016.

ELSAESSER, Thomas. Cinema como arqueologia das mídias. São Paulo: Edições Sesc, 2018.

FATORELLI, Antonio. Variações do tempo – mutações entre a imagem estática e a imagem-movimento. In: CARVALHO, Ana Maria A.; SANTOS, Alexandre. Imagens: Arte e Cultura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012. p. 173-192.

GRUSPAN-JASMIN, Élise. Lampião, senhor do sertão. São Paulo: Ed. USP, 2006a.

GRUSPAN-JASMIN, Élise. Cangaceiros. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2006b.

HARTOG, François. Regimes de historicidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HAYLES, K. How We Became Posthuman. Chicago: University of Chicago Press, 1999.

HEYMANN, Luciana; ARRUTI, José Mauricio. Memória e reconhecimento: notas sobre as disputas contemporâneas pela gestão da memória na França e Brasil. In: ROCHA, Helenice et. al. (org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2012. p. 135-160.

HOBBS, Catherine. O caráter dos arquivos pessoais: reflexões sobre o valor dos documentos individuais. In: HEYMANN, Luciana; NEDEL, Letícia (org.). Pensar os arquivos: uma antologia. Rio de Janeiro: FGV, 2018. p. 261-275.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

IUMATTI, Paulo. O Nordeste no Sudeste, o Nordeste no mundo (e vice-versa). In: ANANIAS, M.; IUMATTI, P; DERIGOND, S. Cultura nordestina no contexto urbano do Sudeste. São Paulo: IEB, 2019. p. 11-34.

LIMA, Estácio. O mundo estranho dos cangaceiros. Salvador: Ed. Itapoã, 1965.

LUCCHESI, Anita. Digital History e Storiografia digitale: estudo comparado sobre a escrita da história no tempo presente (2001-2011). 2014. 188 p. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MAUAD, Ana. Fotografia pública e cultura do visual, em perspectiva história. Revista Brasileira de História da Mídia, São Paulo, v. 2, p. 11-20, 2013.

MELLO, Frederico Pernambucano de. Estrelas de couro: a estética do cangaço. São Paulo: Escrituras, 2010.

MONTEIRO, Kiko. No gabinete do “Coroné”. Blog Lampião Aceso. Lagarto, 30 set. 2010. Disponível em: https://lampiaoaceso.blogspot.com/2010/09/no-gabinete-docorone.html. Acesso em: 20 de set. 2019.

MORALES, Fábio A.; PEREIRA, Mateus Henrique. O convite da história global. Esboços, Florianópolis, v. 26, n. 41, p. 7-13, 2019.

NICODEMO, Thiago Lima; CARDOSO, Oldimar Pontes. Meta-história para robôs (bots): o conhecimento histórico na era da inteligência artificial. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 12, n. 29, p. 17-52, 2019.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. O campo do patrimônio cultural e a história: itinerários conceituais e práticas de preservação. Antíteses, Londrina, v. 7, n. 14, p. 45-67, 2014.

PATO, Ana. Como falar do trauma? Os arquivos do museu antropológica e etnográfico Estácio de Lima: um estudo de caso da 3ª Bienal da Bahia. Anais da 3ª Bienal da Bahia. São Paulo: Parole, 2015.

PEREIRA FILHO, Hilário Figueiredo. Memórias em disputa: a Unesco e a patrimonialização de acervos documentais. 2018. 303 p. Tese. (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

QUADRAT, Samantha. É possível uma história pública dos temas sensíveis no Brasil? In: MAUAD, Ana; SANTHIAGO, Ricardo; BORGES, Viviane (org.). Que história pública queremos? São Paulo: Letra & Voz, 2018. p. 213-220.

RAMOS FILHO, Vagner Silva. “Século Virgulino”: o cangaço nas (con)fusões da memória entre comemorações de Lampião no tempo presente. 2016. 238 p. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

RAMOS FILHO, Vagner Silva. (O)culto pelo patrimônio: (pre)tensões da memória do cangaço na cultura nordestina. In: CUNHA FILHO, F. Humberto; BOTELHO, Isaura; SEVERINO, J. Roberto (org.). Direitos culturais: cultura e pensamento. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 189-208.

RICOEUR, Paul. Memória, história e esquecimento. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

ROBIN, Régine. A memória saturada. Campinas: Ed. Unicamp, 2016.

SANTIAGO JR, Francisco C. F. A virada e a imagem: história teórica do pictorial/iconic/visual turn e suas implicações para as humanidades. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 27, p. 1-51, 2019.

SANTOS, Pedro Afonso C.; NICODEMO, Thiago; PEREIRA, Mateus Henrique. Historiografias periféricas em perspectiva global ou transnacional: eurocentrismo em questão. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 30, n. 60, p. 161-186, 2017.

SCHIAVINATTO, Iara; ZERWES, Erika. Cultura visual: imagens na modernidade. São Paulo: Cortez, 2018.

SILVEIRA, Pedro Telles. História, técnica e novas mídias: reflexões sobre a história na era digital. 2018. 372 p. Tese (Doutorado em História) – Departamento de História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

TARDY, Cécile. A mediação de autenticidade dos substitutos digitais. In: TARDY, Cécile; DODEBEI, Vera (org.). Memória e novos patrimônios. Marseille: OpenEdition, 2015. p. 143-161.

VIEIRA, Marcelo Dídimo. O Cangaço no cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 2010.

WIMMER, Mário. The Present as Future Past. Storia della Storiografia, Roma, v. 68, p. 165-183, 2015.

WINTER, Jay. A geração da memória: reflexões sobre o “boom da memória” nos estudos contemporâneos de história. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). Palavra e imagem: memória e escritura. Chapecó: Argos, 2006. p. 67-90.

Downloads

Publicado

2020-06-19

Edição

Seção

Dossiê "História global e digital: novos horizontes para a investigação histórica"