Do hidroavião ao automóvel: a experiência da modernidade em Luís Correia (PI) na década de 1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2021.e75802

Palavras-chave:

Piauí, Modernidade, Transportes

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar como a experiência da modernidade, na década de 1930, provocou transformações no cotidiano de Luís Correia com a chegada do hidroavião e do automóvel à pequena cidade litorânea. As principais fontes analisadas foram os Almanaques da Parnaíba, publicados no decorrer dos anos 1930, na cidade de Parnaíba, vizinha a Luís Correia. Durante a década de 1930, a experiência da modernidade, assim como nas décadas anteriores, provocou modificações, tendo em vista os maquinários modernos que se integraram ao cotidiano dos sujeitos que viviam na localidade – no caso, o hidroavião e os automóveis –, por questões econômicas e lazer, considerando a importância atribuída ao sonhado porto de Luís Correia por parte das elites de Parnaíba, bem como a necessidade do consumo das praias para os banhos de mar. Desse modo, a modernidade, produtora de desejos e vontades, medos e incertezas, foi responsável por transformações nas paisagens e no cotidiano dos sujeitos que viviam no litoral piauiense, palco de modernização na década em questão.

Biografia do Autor

Marcus Pierre de Carvalho Baptista, Universidade Estadual do Maranhão

Graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2016). Especialista em História Sócio-Cultural pela Faculdade do Médio Parnaíba - FAMEP (2017). Mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2019). Integra o Núcleo de Estudos sobre a Zona Costeira do Estado do Piauí - NEZCPI (UESPI) atuando nas linhas de pesquisa: Geografia, História e Meio Ambiente e Educação, Cultura, Turismo e Espaço Geográfico. Integra também o grupo de pesquisa: História Política, Teatro e Música (UFPI) e é membro honorário do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí - IHGPI. Atualmente é professor substituto da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) no Curso de Licenciatura em História no Centro de Estudos Superiores de Caxias e Professor Formador II no Curso de Licenciatura Plena de História do Centro de Educação à Distância da Universidade Federal do Piauí (CEAD/UFPI).

Francisco de Assis de Sousa Nascimento, Universidade Federal do Piauí

Professor Associado II da Universidade Federal do Piauí - UFPI. Bolsista de Produtividade da UFPI 2019/2021. Orientador de Doutorado, Mestrado, Iniciação Científica, Monografias de conclusão de curso na área de História do Brasil. Supervisor de Estágio de Pós-Doutoramento. Possui Pós doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC SP, Doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense - UFF, Mestrado em História do Brasil, pela UFPI, Especialização em Docência do Ensino Superior pela UESPI, Graduação em História pela UESPI, Graduação em Pedagogia pela UFPI e Graduando de Psicologia da Uninassau - Teresina. Coordena o Curso de Licenciatura em História, do CEAD (Centro de Educação Aberta e a distância), Coordenou o Programa de Pós-Graduação em História da UFPI no período de 2015 a 2017. Coordenou o Doutorado Interinstitucional (DINTER) em História UFPE/UFPI (2013-2017). É Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq "História Política, Teatro e Estética".

Elisabeth Mary de Carvalho Baptista, Universidade Estadual do Piauí

Graduada em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (1985). Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (1997). Especialista em Ecoturismo, interpretação e Educação Ambiental pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2002). Especialista em Literatura, Estudos Culturais e outras linguagens pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2015). Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2000). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2004). Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2010). Pós-doutora em Geografia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2019). Foi Coordenadora do Curso de Licenciatura Plena em Geografia Regime Especial e Regular da UESPI - Campus Poeta Torquato Neto, Pró-Reitora Adjunta de Ensino e Graduação e Coordenadora Adjunta do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - PARFOR da mesma IES. É Professora Adjunta Dedicação Exclusiva e Coordenadora do Curso de Geografia da UESPI e do Núcleo de Estudos sobre a Zona Costeira do Estado do Piauí - NEZCPI da mesma IES. Sócia efetiva do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí - IHGPI. 

Referências

A CONTRIBUIÇÃO da Panair para o progresso do Piauí. Almanaque da Parnaíba, Parnaíba, ano 13, p. 47-51, 1936. Disponível em: www.mundosdotrabalhopi.com.br/p/almanaques-da-parnaiba_2.html. Acesso em: 20 maio 2020.

A PRIMAZIA da marca Studebaker. Almanack da Parnahyba, Parnahyba, ano 5, p. 68, 1928. Disponível em: www.mundosdotrabalhopi.com.br/p/almanaques-da-parnaiba_2.html. Acesso em: 20 maio 2020.

AMARRAÇÃO. Almanaque da Parnaíba, Parnaíba, ano 11, p. 255, 1934. Disponível em: www.mundosdotrabalhopi.com.br/p/almanaques-da-parnaiba_2.html. Acesso em: 20 maio 2020.

BAPTISTA, Marcus Pierre de Carvalho. Amarras e desamarras: cotidiano e modernização em Amarração no litoral do Piauí (1880-1930). 2019. 161 f. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Programa de Pós-Graduação em História do Brasil, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2019.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BRANDÃO, Helena Câmara Lacé; MARTINS, Angela Maria Moreira. O Rio de Janeiro do Século XX: a expansão da cidade do centro para o sul. Revista Tempo de conquista, Rio de Janeiro, v. 4, p. 1-10, 2009.

BRASILEIRO, Anísio et. al. Transportes no Brasil: história e reflexões. Recife: UFPE, 2001.

CAMARGO, Aspásia. Do federalismo oligárquico ao federalismo democrático. In: PANDOLFI, Dulce Chaves (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV, 1999. p. 39-50.

FREITAS, Joana Gaspar de. O litoral português, percepções e transformações na época contemporânea: de espaço natural a território humanizado. Revista da Gestão Costeira Integrada, Lisboa, v. 7, n. 2, p. 105-115, 2007.

HOBSBAWM, Eric John Ernest. A Era das Revoluções: Europa (1789-1848). 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

IBGE. Enciclopédia dos municípios brasileiros. Municípios do Estado do Maranhão e do Piauí. Rio de Janeiro: IBGE, 1959. v. 15.

JUNIOR, José de Arimatéa Freitas Aguiar. Festas, hinos e marchas: constituição do patriotismo e o serviço militar no Piauí. 2014. 212 f. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Programa de Pós-Graduação em História do Brasil, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2014.

LEFEBVRE, Henri. Introduction to modernity: twelve preludes. Londres: Verso, 1995.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LOPES, João Tércio Solano. Parnaíba na história da aviação: na linha New York Buenos Aires, com escala em Parnahyba para águas do Rio Igaraçu, em 1929. Parnaíba: Gráfica Melo, 2010.

MARINHO, Joseanne Zingleara Soares. A imagem de desenvolvimento de Teresina nas propagandas políticas jornalísticas de 1930 a 1945. Contraponto, Teresina, v. 5, n. 2, p. 76-89, jul./dez. 2016.

MENDES, Francisco Iweltman Vasconcelos. Porto de Luís Correia: histórico de um sonho. Parnaíba: [s. n.], 2009. 113 p.

NASCIMENTO, Francisco Alcides do. A cidade sob o fogo: modernização e violência policial em Teresina (1937-1945). 2 ed. Teresina: Edufpi, 2015.

NOSSAS carroçáveis. Almanaque da Parnaíba, Parnaíba, ano 10, p. 69, 1933. Disponível em: www.mundosdotrabalhopi.com.br/p/almanaques-da-parnaiba_2.html. Acesso em: 20 maio 2020.

NOSSAS carroçáveis. Almanaque da Parnaíba, Parnaíba, ano 16, p. 147, 1939. Disponível em: www.mundosdotrabalhopi.com.br/p/almanaques-da-parnaiba_2.html. Acesso em: 20 maio 2020.

QUEIROZ, Teresinha de Jesus Mesquita. Os literatos e a república: Clodoaldo Freitas, Higino Cunha e as tiranias do tempo. 3 ed. Teresina: Edufpi, 2011.

REGO, Junia Mota Antonaccio Napoleão do. Dos sertões aos mares: história do comércio e dos comerciantes de Parnaíba (1700-1950). 2010. 305 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2010.

REZENDE, Antônio Paulo. Desencantos modernos: histórias da cidade do Recife na década de XX. Recife: Fundarpe, 1997.

RODRIGUES, Carlos Araken Correia. Estórias de uma Cidade muito amada. Parnaíba: [s.n.], 1988.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnicas, ritos e ritmos do Rio. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. p. 513-619. v. 3: República: Da belle epoque à era do rádio.

VIEIRA, Lêda Rodrigues. Caminhos de ferro: a ferrovia e a cidade de Parnaíba, 1916-1960. Teresina, 2010. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Programa de Pós-Graduação em História do Brasil, Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Edição

Seção

Artigo