Internacionalização de empresas no mundo periférico: um estudo de caso da construtora Norberto Odebrech

Autores

  • Pedro Giovannetti Moura USP

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2021.e80014

Palavras-chave:

História empresarial, História econômica, História contemporânea

Resumo

O presente artigo tem por objetivo colocar em debate possíveis paradigmas que joguem luz ao processo de internacionalização da Construtora Norberto Odebrecht (CNO). Argumentamos que o modelo, hoje, mais difundido pelos grandes meios de comunicação é ancorado no conceito de Capitalismo de laços, sintetizados em obra de Sérgio Lazzarini. Buscamos nos distanciar dessa chave analítica e propor uma outra que, com base em uma compreensão global da história e na primazia de condicionantes locais, situa a atuação internacional da construtora em dois momentos chave. Em um primeiro, nos anos 1980 e 1990, entendemos que a empreiteira opta pela região latino-americana devido a uma somatória de fatores como: (a) o aproveitamento dos gargalos de infraestrutura da região latino-americana — condicionados aqui pelo próprio modelo de desenvolvimento periférico da região; (b) os benefícios de atuar sobre uma região que é órbita de influência geopolítica brasileira; e (c) sua proximidade geográfica. Já a partir dos anos 2000, defendemos que essa prática de internacionalização passa por uma mudança. Consolidada enquanto empresa transnacional, a CNO passa a se valer da estratégia do governo brasileiro de conformação de grupos ‘campeãs nacionais’ como forma de ampliar sua inserção no mercado internacional. Para embasar essa linha argumentativa, nos valemos da combinação entre obras que tratam do desenvolvimento periférico junto à análise de fontes públicas e internas — como a Revista Odebrecht Informa —, disponibilizadas pela empresa. Dessa forma, pretendemos historicizar a internacionalização da empreiteira, construindo, para tanto, paradigmas interpretativos de análise desse processo que coloquem em relevo a relação entre condicionantes do subdesenvolvimento e a internacionalização de empresas.

Referências

AGHION, Philippe. Some Thoughts on Industrial Policy and Growth. In: FALCK, Oliver; GOLLIER, Christian; WOESMANN, Ludger. Industrial policy for National Champions. Cambridge: The MIT Press, 2011. p. 13-31. (CESIFO Seminar Series).

ALEM, Ana Cláudia; CAVALCANTI, Carlos E. de Siqueira. O BNDES e o apoio à internacionalização das empresas brasileiras: algumas reflexões. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 43-77, 2005.

ALMEIDA, Saulo F. Caldeira. Campeões Nacionais: o papel do BNDES e a atuação do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. 2012. 85 f. Dissertação (Mestrado em Direito Político e Econômico) – Direito econômico, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2012.

AMIN, Samir. Global history: a view from the south. Oxford: Pambazuka Press, 2010.

AMSDEN, Alice H. A ascensão do “resto”: os desafios ao ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

ARRIGHI, Giovanni. A ilusão do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1997.

BARBOSA, A. de Freitas. Ao invés de interpretá-lo, a esquerda edulcorou o capitalismo. Entrevista concedida ao Instituto Humanitas UNISINOS, São Leopoldo, 14 ago. 2020. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/601895-ao-inves-de-interpreta-lo-a-esquerda-edulcorou-o-capitalismo-brasileiro-sem-perceber-suas-complexidades-entrevista-especial-com-alexandre-de-freitas-barbosa. Acesso em: 20 out. 2020.

BRAUDEL, Fernand. A dinâmica do Capitalismo. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo: Séculos XV-XVIII, ss jogos das trocas. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CAMPOS, Pedro H. Pedreira. O processo de transnacionalização das empreiteiras brasileiras, 1969-2010: uma abordagem quantitativa. Tensões mundiais, Fortaleza, v. 10, n. 18/19, p. 103-123, 2014.

CAMPOS, Pedro H. Pedreira. Estranhas catedrais: As empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar (1964-1988). Rio de Janeiro: EDUFF, 2015.

CHANDLER, Alfred D. The visible hand: the managerial revolution in American business. Cambridge: Harvard University Press, 1999.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã Editora, 1996.

CONRAD, Sebastian. What is global history? New Jersey, Princeton University Press, 2016.

DALLA COSTA, Armando J. Internacionalização de empresas brasileiras: Teorias e experiências. Curitiba: Juruá Editora, 2011.

COUTINHO, Luciano G. Marcos e desafios de uma política industrial contemporânea. In: CASTRO, Ana Célia (org.). Desenvolvimento em debate: painéis do desenvolvimento brasileiro I. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2002. v. 2, p. 191-209.

DANTAS, Ricardo M. de Almeida Odebrecht: A caminho da longevidade saudável? 285 f. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) – Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

DICKEN, Peter. Global shift: transforming the world economy. New York: The Guilford Press, 1998.

DOELLINGER, Carlos von; CAVALCANTI, Leonardo C. Empresas multinacionais na Indústria Brasileira. Rio de Janeiro: IPEA, 1979.

DRAIBE, Sônia M. Rumos e metamorfoses: Estado e industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

EATON, Sarah. Political Economy of the Advancing State: the case of China’s airlines reform source. The China Journal, Chicago, n. 69, p. 64-86, jan. 2013.

FAJNZYLBER, Fernando. La industrialización trunca de América Latina. México, D.F.: Editorial Nueva Imagen, 1983.

FERRAZ FILHO, Galeno T. A transnacionalização da grande engenharia brasileira. 1981. 327 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1981.

FIOCCA, Demian. O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras. As novas multinacionais brasileiras, 2006, Rio de Janeiro. 29 maio 2006. 27 slides. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/6926. Acesso em: 19 set. 2020.

FUNDAÇÃO DOM CABRAL. Ranking FDC das multinacionais brasileiras. São Paulo: Fundação Dom Cabral, 2008.16f. Relatório de pesquisa FDC.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo da Cultura, 1969.

GALBRAITH, John K. O Novo Estado Industrial. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

GASPAR, Malu. História de uma amizade. Revista Piauí, São Paulo, Edição 160, p. 16-26, jan. 2020. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/historia-de-uma-amizade. Acesso em: 28 mar. 2020.

GIUFFRA, Franco. Fala, Marcelo, por Franco Giuffra. El Comercio, Lima, 25 jun. 2015. Disponível em: https://elcomercio.pe/opinion/mirada-de-fondo/fala-marcelo-franco-giuffra-166641-noticia/. Acesso em: 1 maio 2020.

GUIOT, André Pereira. Relações intercapitalistas e Estado no Brasil recente: novas pesquisas, antigos receituários. Revista História & Luta de Classes, s.l. (online). n. 13, p. 94-96, 2012.

KHANNA, Tarun; PALEPU, Krishna G. Winning in the emerging markets: a road map for strategy and execution. Boston: Harvard Business Press, 2010.

LAZZARINI, Santiago G. Capitalismo de laços: os donos do Brasil e suas conexões. São Paulo: Bei Editora, 2018.

LCA CONSULTORIA. Exportação de Serviços de Engenharia no Brasil: benefícios para a economia brasileira e mecanismos de apoio. São Paulo, jan. 2014.

MARIANO, Marcelo Passini. O papel do Brasil na integração da infraestrutura da América do Sul: limites institucionais e possibilidades de mudança. In: DESIDERÁ NETO, Walter A. (org.). O Brasil e novas dimensões da integração regional. Rio de Janeiro: IPEA, 2014. p. 229-291.

MAZZUCATO, Mariana. O Estado empreendedor: Desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. Tradução de Elvira Serapicos. São Paulo: Editora Schwarcz, 2019.

NOVOMOR. A Novonor. História. Salvador: Grupo Novonor, c2020 [online]. Disponível em: https://www.novonor.com.br/pt-br/a-novonor/historia. Acesso em: 5 out. 2021.

ODEBRECHT S.A. Relatório Anual 2007/2008. [Salvador]: Odebrecht S.A., 2007. 52 p. Disponível em: https://www.novonor.com.br/sites/default/files/port_ra_impressao_05_jun_2007.pdf. Acesso em: 4 out. 2021.

ODEBRECHT S.A. Relatório Anual 2008/2009. [Salvador]: Odebrecht S.A., 2009. 69 p. Disponível em: https://www.novonor.com.br/sites/default/files/relatorio_anual_2009_portugues.pdf. Acesso em: 4 out. 2021.

NORBERTO ODEBRECHT é a maior empresa de engenharia e construção da América Latina, aponta ranking. Portal VGV, s.l. [online], 20 Jul. 2012. Disponível em: https://www.portalvgv.com.br/site/norberto-odebrecht-e-a-maior-empresa-de-engenharia-e-construcao-da-america-latina-aponta-ranking. Acesso em: 8 maio 2020.

PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus principais problemas. In: GURRIERI, Adolfo (org.). O manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011a. p. 95-153.

ODEBRECHT INFORMA. n. 25, Salvador: Odebrecht S. A., 1980.

ODEBRECHT INFORMA. n. 27, Salvador: Odebrecht S. A, 1981.

ODEBRECHT INFORMA. n. 39, Salvador: Odebrecht S. A., 1987.

ODEBRECHT INFORMA. n. 40, Salvador: Odebrecht S. A., 1988a.

ODEBRECHT INFORMA. n. 41, Salvador: Odebrecht S. A., 1988b.

ODEBRECHT INFORMA. n. 61, Salvador: Odebrecht S. A, 1994.

ODEBRECHT INFORMA. n. 68, Salvador: Odebrecht S. A., 1995.

ODEBRECHT INFORMA. n. 112, Salvador: Odebrecht S. A., 2004a.

ODEBRECHT INFORMA. Edição Histórica 60 Anos. Salvador: Odebrecht S. A., 2004b.

RIOJAS, Carlos; RINKE, Stefan (org.). Historia global: perspectivas y tensiones. Guadalajara: Instituto de estudios latinoamericanos, 2016.

RODRÍGUEZ, Octavio. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ROLDÓS, León. ¡A mí que me rebusquen! El Universo, Guayaquil, 18 set. 2017. Disponível em: https://www.eluniverso.com/opinion/2017/09/18/nota/6387238/mi-que-me-rebusquen/. Acesso em: 1 maio 2020.

ROSSI, Clovis. Pactos de sangue mundo afora. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 set. 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2017/09/1917194-pactos-de-sangue-mundo-afora.shtml. Acesso em: 1 maio 2020.

SCHUMPETER, Joseph A. Capitalismo, socialismo e democracia. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

SENNES, Ricardo U.; NARCISO, Thais. Brazil as an International energy player. In: BRAINARD, Lael; MARTINEZ-DIAZ, Leonardo (ed.). Brazil as an economic superpower? understanding Brazil’s changing role in the global economy. Washington: The Brookings Institution, 2009. p. 17-55.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava-Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SÜDEKUM, Jens. National champions and globalization. The Canadian Journal of Economics/Revue canadienne d’Economique, Ottawa, v. 43, n. 1, p. 204-231, fev. 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Edição

Seção

Artigo