Filosofia da amizade: uma proposta

Konrad Utz

Resumo


O artifo tenciona desenvolver o conceito da amizade como conceito-base de toda Filosofia Prática. Porém pretende apresentar apenas uma entre as várias argumentações possíveis em favor desta concepção: defende que a amizade, no sentido exposto, seja a solução mais convincente ao problema da intersubjetividade. A questão é como a  concepção da subjetividade pode ser entendida a outros indivíduos, se essa, como o autor defende pode ser compreendida priginariamente somente a partir da auto-referência da primeira pessoa. Para isso, ele faz uso do conceito aristotélico do amor amigável enquanto direcionado a um "heterosautos", identificando como seus momentos tanto o conhecimento e o desejo do outro, como o respeito e a benevolência. Os últimos dois momentos são interpretados como "conversão" da consciência dos primeiros. Por meio dessa "conversão da consciência" a consciência do Outro é estabelecida. Como se trata da conversão de uma consciência concreta, tanto cognitiva quanto volitiva, seu resultado não é um conceito abstrato e geral de uma subjetividade diferente da minha, mas uma relação concreta entre indivíduos que implica um compromisso e a partir da qual forma-se um étos específico da comunidade assim estabelecida.


Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2008v7n2p151

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional