Os princípios de aplicação da metafísica dos costumes de Kant

André Klaudat

Resumo


Que a lei moral em Kant esteja assentada numa base a priori é conhecido e é objeto de intensa discussão. Que a Metafísica dos Costumes seja a articulação metafísica de um sistema de deveres na sua filosofia prática também é bem conhecido e muitas vezes contestado. Mas que os “princípios de aplicação” da Metafísica dos Costumes pertençam a ela mesma, e sejam consequentemente a priori, isso não é tão frequentemente reconhecido. Procuro mostrar neste trabalho o que isso significa e como isso ainda permite a Kant falar da aplicação dessa metafísica, geradora de deveres para seres como nós. A solução me parece estar na compreensão das volições e máximas dos seres humanos em termos que as tornam intrinsecamente passíveis de avaliações por parte da razão pura prática. Essa compreensão faculta a Kant a exposição de deveres (inclusive os de virtude), cuja natureza geral é a de serem exigências racionais morais estritas, para seres sensíveis imperfeitos como nós que vivemos num mundo como o nosso.


Palavras-chave


Kant; Metafísica dos Costumes; Princípios de aplicação; Deveres.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2010v9n1p77

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional