Introdução ao método genealógico de Nietzsche

Autores

  • Celso Candido Azambuja Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2013v12n1p127

Palavras-chave:

Genealogia, Moral, Transvaloração, Fundamentação, História moral

Resumo

O problema moral em Nietzsche e a transvaloração dos valores por ele pretendida só pode ser verdadeiramente compreendido a partir do esclarecimento do procedimento genealógico. Esse procedimento situa-se em um contexto de sentido distinto dos valores e pressupostos morais da modernidade. A perspectiva genealógica indica a primazia da experiência moral vivida pela humanidade na qual encontramos a vontade de poder e a eterna luta entre o bem e o mal. Para Nietzsche, a idéia de uma vontade de poder imanente a todo acontecimento é o ponto de vista capital do método histórico. Ele considera que o movimento essencial da história é determinado pelo antagonismo de duas morais que se batem à morte: a moral do senhor e a do escravo. Trata-se, pois, de uma forma de fundamentação moral antagônica ao idealismo moderno, bem representado por Kant e Marx, e que pretenderia, segundo Nietzsche, justamente a anulação da vontade de poder e das relações entre senhor e escravo.

Biografia do Autor

Celso Candido Azambuja, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Professor do Programa de Pós-graduação em Filosofia Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS – Brasil

Downloads

Publicado

2013-07-28

Edição

Seção

Artigos