Filosofia política e experimentalismo democrático: alternativa para realizar a justiça

Carlos Savio G. Teixeira

Resumo


Este artigo analisa criticamente a visão geral das principais correntes das Teorias da Justiça. Argumenta que a desatenção à dimensão institucional das sociedades contemporâneas leva-as a uma postura irrealista sobre a possibilidade de concretização da justiça. Apresenta outra visão, baseada no experimentalismo democrático proposto pela filosofia política de Unger, ancorada na ideia de reorganização institucional da sociedade.

 


Palavras-chave


Justiça; Instituições; Unger

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2014v13n1p204

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional