Elevação (Erhörung) e cultivo (Züchtung) na filosofia de Nietzsche

Ildenilson Meireles

Resumo


O artigo apresenta as variáveis de uma noção bastante cara à filosofia nietzschiana, a noção de cultivo ou seleção (Züchtung), na medida em que se articula ao projeto mais geral de elevação do homem, como podemos ver em Além de Bem e Mal. Consideramos que essa noção é de importância capital para uma melhor compreensão do pensamento de Nietzsche sobre a cultura superior, principalmente pelo aspecto mais propositivo que ela alcança nos seus últimos escritos. A partir disso, a hipótese a ser desenvolvida nesse texto é de que o constante uso dessa noção na filosofia de Nietzsche, especialmente nos últimos escritos, abre a possibilidade de considerar uma mudança substancial em seu pensamento sobre a cultura, concebida não mais como tarefa histórico-universal, mas como tarefa voltada exclusivamente aos indivíduos de exceção. Nossa argumentação se orienta basicamente pela aposta de que Nietzsche, ao tratar do cultivo de determinadas virtudes, não faz outra coisa senão considerar o futuro do homem para além da velha moral.


Palavras-chave


Cultivo; Cultura; Moral; Indivíduos de exceção

Texto completo:

PDF/A

Referências


BLONDEL, E. “La patience de Nietzsche”. In: Nietzsche-Studien, 18 (1989), pp. 432-439.

BRUSOTI, M. “Ressentimento e vontade de nada”. In: Cadernos Nietzsche, São Paulo,

n. 8, 2000, pp. 3-34.

____________. “Reagir e não reagir: fisiologia e psicologia no Crepúsculo dos Ídolos”. In: Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 373-388, jul./dez. 2010.

FREZATTI JUNIOR, W. “Os fragmentos póstumos sobre Darwin”. (Tradução). In: Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 403-419, jul./dez., 2010.

____________. “Sentidos do Darwinismo”. In: Temas e Matizes, n. 15, 1º semestre de 2009, pp. 55-68.

____________. Nietzsche contra Darwin. São Paulo: Discurso Editorial/Editora Unijuí, 2001.

____________. A fisiologia de Nietzsche: superação da dualidade cultura/biologia. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.

GIACÓIA JÚNIOR, O. “A autossupressão como catástrofe da consciência moral”. In: Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 73-128, jan./jun. 2010.

_____________. Nietzsche e Kant: uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. São Paulo: Casa do Saber, 2012.

_____________. “O grande experimento: sobre a oposição entre eticidade (Sittlichkeit) e autonomia em Nietzsche”. In: Trans/Form/Ação, São Paulo, 12: 97 - 1 32, 1989.

HASSE, M-L. “Der Übermensch in also Sprach Zarathustra und im Zarathustra-Nachlass 1882-1885”. In: Nietzsche-Studien, 13 (1984), pp. 228-244.

MARTON, S. “Silêncio, solidão”. In: Cadernos Nietzsche, n. 9, 2000, pp. 79-105.

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe (KSA). Giorgio Colli e Mazzino Montinari (Hg). Berlin: Walter de Gruyter, 1980.

______________. Obras incompletas. Tradução de Rubens R.T. Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Col. Os Pensadores).

______________. Assim falou Zaratustra: Um livro para todos e para ninguém. Trad. de Mário da Silva. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995.

______________. O Nascimento da Tragédia ou Helenismo e Pessimismo. Trad., notas e posfácio de Jacob Guinsburg. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

______________. A Gaia Ciência. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______________. Para Além de Bem e Mal. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______________. A Genealogia da Moral: uma polêmica. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______________. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2004.

______________. Humano, demasiado humano. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

______________. Ecce Homo. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

______________. O Anticristo. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2007.

______________. Crepúsculo dos Ídolos. Trad., notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2006.

OLIVEIRA, Jelson R. A solidão como virtude moral em Nietzsche. Curitiba: Champagnat, 2010.

PASCHOAL, A. E. “A palavra Übermensch nos escritos de Nietzsche”. In: Cadernos Nietzsche, n. 23, 2007, pp. 105-121.

_____________. “Nossas virtudes: indicações para uma moral do futuro”. In: Cadernos Nietzsche, n. 12, 2002, pp. 53-70.

_____________. Nietzsche e a Auto-Supressão da Moral. Ijuí: Editora Unijuí, 2009.

_____________. “Nietzsche e Dühring: ressentimento, vingança e justiça”. In: Dissertatio, n. 33, 2011, pp. 147-172.

RICHTER, Claire. Nietzsche et les Théories biologiques contemporaines. Paris: Mercure de France,1911.

STIEGLER, B. “Nietzsche lecteur de Darwin”. Révue philosophique, n. 3, pp. 377-395, 1998.

_____________. Nietzsche et la biologie. Paris: P. U. F, 2001.

SCHANK, Gerd. Rasse und Züchtung bei Nietzsche. Berlin/New York, 2000.

SCHOPENHAUER, A. Sobre o fundamento da moral. Trad. de Maria. L. M. O. Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

TONGEREN, P. Von. “O filósofo como clínico da crítica da cultura”. In: Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 265-286, jul./dez. 2010.

______________. A moral da crítica de Nietzsche à moral: estudo sobre “Para além de bem e mal”. Tradução de J. L. Viesenteiner. Curitiba: Champagnat, 2012.

VIESENTEINER, J. “‘Cultivo’ e vivência (Erlebniss): premissas à construção da tarefa de ‘tornar-se o que se é’ em Nietzsche”. In: Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 17, v. 2, 2010, pp. 203-227.

WOTLING, P. La philosophie de l’esprit libre. Introduction à Nietzsche. Paris: Flamarion, 2006.

______________. “La culture comme problème : la redetermination nietzscheenne du questionnement philosophique”. In : Nietzsche-Studien, n. 37 (2008), pp. 1-50.

______________. Nietzsche et le problème de la civilization. Paris: P.U. F, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2015v14n2p367

          

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This work is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional