Violência e processo democrático em Hannah Arendt

Autores

  • Renata Romolo Brito Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2015v14n3p429

Palavras-chave:

Hannah Arendt, Violência, Processo democrático, Mentalidade alargada

Resumo

Pretendo mostrar, neste artigo, que a mentalidade alargada arendtiana significa um processo de generalização que não prescinde do contexto, gerando validade sem com isso abrir mão da pluralidade e da particularidade dos participantes, e que é nesse processo que se evidenciam e se realizam os critérios que legitimam as opiniões e a prática política. Em segundo lugar, pretendo mostrar ainda que, a partir dos processos da mentalidade alargada e da definição de normas e critérios legítimos que regulam o espaço público, a filosofia arendtiana contempla a questão da violência justamente ao buscar regras e instituições que visam conter a violência e a dominação nas relações humanas. A violência, no espaço público arendtiano, tem de ser contida por leis e instituições (quer dizer, pelo Direito), porque ela é um fenômeno desse espaço, e não “externo à polis” e sem relação com o poder. Pretendo, com isso, analisar os estatutos da violência e da opinião em Arendt a fim de compreender o seu conceito de poder como base legitimadora da ação política. A reflexão que aqui desenvolvo tem como fundamento que a política arendtiana se baseia em princípios democráticos de participação ativa que apenas podem se realizar dentro de um quadro institucional organizado juridicamente e que promove a pluralidade humana.

Biografia do Autor

Renata Romolo Brito, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Filosofia pelo IFCH/Unicamp, voltada para a área de Filosofia Política

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1979.

______. Lectures on Kant’s Political Philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1989a.

______. Origens do Totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989b.

_______. Essays in Understanding. New York: Schocken Books, 1994a.

______. Lições de Filosofia Política de Kant. Tradução de André Duarte de Macedo. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994b.

______. “Introduction”. In: J. Glenn GRAY. The Warriors. Reflections of Men in Battle. p. X-XI. Lincoln and London: University of Nebraska Press: 1998.

______. A Vida do Espírito. Tradução de Antônio Abranches e Helena Martins. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

______. A Condição Humana. Tradução de Roberto Raposo. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

______. Crises da República. Tradução de José Volkmann. São Paulo: Perspectiva, 2006.

______. "Some Questions on Moral Philosophy". Em: The Hannah Arendt Papers at the Library of Congress. (http://memory.loc.gov/ammem/arendthtml/mharendtFolderP04.html) Acessado em 07 de setembro de 2010a).

______. “Legitimacy of Violence”. Em: The Hannah Arendt Papers at the Library of Congress (http://memory.loc.gov/ammem/arendthtml/mharendtFolderP05.html) Acessado em 16 de novembro de 2010b).

______. Sobre a Revolução. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BEINER, R. “Arendt on Judging”. Em: ARENDT, Hannah. Lectures on Kant’s Political Philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

BENHABIB, S. Situating the Self. New York, Routledge, 1992.

______. The reluctant modernism of Hannah Arendt. New York. Sage Publications. 1996.

OWENS, P. Between War and Politics. International Relations and the Thought of Hannah Arendt. Oxford: Oxford University Press, 2007.

HABERMAS, J. Hannah Arendt’s Communications Concept of Power. Social Research. New York, vol. 44, n. 1, pp. 3-24, set./nov. 1977.

Downloads

Publicado

2015-09-04

Edição

Seção

Artigos