Feminismo é humanismo: a questão das mulheres na Filosofia

Marta Rios Alves Nunes da Costa

Resumo


A presença das mulheres na Filosofia é raramente tópico de discussão acadêmica e produção científica. Como abordar este tema, e de que forma ele se torna problemático? Como e por que o tema das mulheres na Filosofia se torna questão? Neste artigo queremos explorar as várias linhas de pesquisa acerca do tema "mulheres na filosofia", conciliando leituras da psicologia, sociologia e teoria crítica. Defendemos que, em última análise, feminismo é humanismo e que por isso  deve passar necessariamente pela crítica social, pois visa a (re)construção do mundo de acordo com um ideal de emancipação, onde liberdade e igualdade se encontram.  


Palavras-chave


Feminismo; Teoria crítica; igualdade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARENDT, Hannah, A condição Humana, tradução de Roberto Raposo, Forense Universitária, RJ, 2007.

BROOKE, A.Ackerly, Political Theory and Feminist Social Criticism, Cambridge University Press, 2000.

FRASER, Nancy, “Feminism, Capitalism and the Cunning of History” in New Left Review n.56, Mar/Apr 2009, pp. 97 – 117.

HASLANGER, S., Resisting Reality – Social Construction and Social Critique, Oxford University Press, 2012.

HASLANGER, S., “Changing the Ideology and the Culture of Philosophy: Not By Reason (Alone)”, em Hypathia, n.23:2, 2008, pp.210-223.

KRISTEVA, Julia, Hannah Arendt – Life as a narrative, University of Toronto Press, 2001.

ROUSSEAU, J.J., Discurso sobre a origem e os fundamento da desigualdade entre os homens, tradução de Paulo Neves, L&PM Pocket, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2016v15n1p110

          

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This work is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional