Heresia e idiotia segundo Schopenhauer: hermenêutica, ceticismo e significação moral do mundo

Ruy de Carvalho Rodrigues Jr.

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1677-2954.2016v15n3p467

O artigo pretende apresentar e defender a viabilidade de uma leitura da obra de Schopenhauer, em especial de sua metafísica da natureza, em uma dupla perspectiva: hermenêutica e cética; e em uma quádrupla frente: 1) levando a sério a distinção schopenhaueriana entre ser subjetivo e ser objetivo, bem como, no interior deste último, entre consideração subjetiva e objetiva; 2) a partir daquilo que chamo de tese da inteligibilidade inversa; 3) concebendo o processo de objetivação da Vontade nos moldes de uma teoria dos mundos possíveis; 4) compreendendo a matéria (Materie) como noção-limite da filosofia schopenhaueriana e, esta, como uma filosofia do limite. Trata-se menos de conceber um Schopenhauer hermenêuta ou cético que tentar estabelecer um diálogo entre sua obra e uma certa concepção de hermenêutica e ceticismo. Diálogo que seria capaz de encaminhar possíveis soluções para alguns problemas que sua filosofia sempre teve dificuldade em enfrentar, como a significação profunda da noção de Vontade e as implicações cosmológicas a ela ligadas.

 


Palavras-chave


Hermenêutica; Ceticismo; Limite

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARBERA, S. Une philosophie du conflit. Études sur Schopenhauer. Paris: PUF, 2004.

BIRNBACHER, D. Schopenhauer, Stuttgart, Reclam, 2009.

BRANDÃO, E. A concepção de matéria na obra de Schopenhauer. São Paulo: Humanitas, 2009.

CACCIOLA, M. L. M. O. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: Edusp, 1994.

FICHTE, G. Comunicado claro como o Sol ao grande público, onde se mostra em que consiste propriamente a Novíssima Filosofia. In: FICHTE, Johann Gottlieb; SCHELLING, Friedrich Von. Escritos filosóficos. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Col. “Os Pensadores”).

GAZZINLLI, G. A vida cética de Pirro. São Paulo: Loyola, 2009.

HAYM, R. Arthur Schopenhauer. In.: Gesammelte Aufsätze. Berlin, Weidmann, 1903, p.239-355.

LOPES, R. Ceticismo e vida contemplativa em Nietzsche, Tese de Doutorado defendida na Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, sob a orientação do Prof. Dr. José Raimundo Maia Neto, 2008.

MORGENSTERN, M. Schopenhauers Begriff der Metaphysik und seine Bedeutung für die Philosophie des 19.Jahrhunderts. Zeitschrift für philosophiche Forschung n.41, 1987.

RICONDA, G. Schopenhauer interprete dell´occidente, Milão, Mursia (Gruppo Editoriale), 1986.

RODRIGUES, R. C. Schopenhauer: uma filosofia do limite. Tese de Doutorado defendida na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Departamento de Filosofia, sob a orientação do Prof. Dr. Ivo Assad Ibri, 2011.

SAFRANSKI, R. Schopenhauer und Die wilden Jahre der Philosophie. Eine Biographie. Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch Verlag, 2001.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke. Editadas e comentadas por Wolfang Frhr. von Lohneysen. Suhrkamp taschenbuch wissenschaft, 2003. 5 vols. As referências a essa edição são indicadas pelas iniciais SW, seguidas pelo número do volume (em algarismo romano) e da página (em arábico).

_____. O mundo como vontade e como representação. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

_____. Cartas desde la obstinación. Trad. Eduardo Charpenel Elorduy. México: Los Libros de Homero, 2008.




 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional