O pessimismo moral schopenhaueriano: origem, significado e alcance

Dax Moraes

Resumo


“Pessimismo moral” é uma expressão pela qual se pode compreender a tese schopenhaueriana sobre a imutabilidade do caráter, na medida em que declara impossível qualquer espécie de aprimoramento moral, restando apenas a possibilidade de se adaptar o comportamento considerados os limites do egoísmo natural. Por sua vez, trata-se de uma consequência de problemas epistemológicos levantados pela crítica kantiana da razão, a qual foi radicalizada por Schopenhauer. Todavia, o “pessimismo moral” deve ser considerado como um problema metafísico, não como um problema “prático”, podendo ter suas consequências empíricas mais bem analisadas segundo o que se pode denominar “pessimismo antropológico”. Por meio desta última expressão, não entendemos apenas um juízo acerca na natureza humana, mas acerca dos sofrimentos individuais no conflito com um mundo que ameaça os interesses particulares.


Palavras-chave


Pessimismo; Valor; Moralidade; Egoísmo; Caráter

Texto completo:

PDF/A

Referências


CIRACÌ, Fabio. Metafisiche del nulla: Schopenhauer, i suoi discepoli e l’inconsistenza del mondo. Consecutio Rerum: rivista critica della postmodernità. Roma, Vol. I, n. 2, abr. 2017, p. 99-114.

DEBONA, Vilmar. Caráter, liberdade e “Aseität”: sobre a assimilação das noções de caráter inteligível e caráter empírico de Kant por Schopenhauer. Kant e-Prints. Campinas, Série 2, v. 11, n. 2, maio-ago. 2016a, p. 32-50. Disponível em: < https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/kant-e-prints/article/view/672 >. Acesso em: 24 set. 2017.

DEBONA, Vilmar. Pessimismo e eudemonologia: Schopenhauer entre pessimismo metafísico e pessimismo pragmático. Kriterion ‒ Publicação da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG. Belo Horizonte, v. 57, n. 135, set.-dez. 2016b, p. 781-802. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/kr/v57n135/0100-512X-kr-57-135-0781.pdf >. Acesso em: 12 abr. 2017.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Anot. Fernando Costa Matos. 3. ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: EDUSF, 2013.

LEIBNIZ, G. W. Os princípios da filosofía ou a monadologia. Trad. Alexandre da Cruz Bonilha. In: LEIBNIZ, G. W. Discurso de metafísica e outros textos. São Paulo: M. Fontes, 2004. p. 129-149.

MORAES, Dax. Schopenhauer e o mito do pecado original: acerca da vontade como querer-ser. Saberes ‒ Revista Interdisciplinar de Filosofia e Educação. Natal, v. 3, n. especial, dez. 2010a, p. 37-46. Disponível em: < https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/875/807 >. Acesso em: 26 set. 2017.

MORAES, Dax. A afirmação da vontade-de-viver no suicídio: a vida como representação. In: REDYSON, Deyve. (Org.). Arthur Schopenhauer no Brasil: homenagem aos 150 anos da morte de Schopenhauer. João Pessoa: Ideia, 2010b. p. 231-250.

MORAES, Dax. Liberdade e negação da vontade: análise do ser-livre como representação e na angústia. 2011. Tese (Doutorado em Filosofia) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2011.

MORAES, Dax. O dualismo kantiano e sua crítica por Schopenhauer: considerações acerca do caráter analógico da filosofia prática e suas limitações. Princípios: revista de filosofia – Publicação do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFRN. Natal, v. 20, n. 33, jan.-jun. 2013, p. 411-447. Disponível em: < https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/7525/5595 >. Acesso em: 12 abr. 2017.

MORAES, Dax. Mefistófeles e o mundo como vontade: os tipos afirmador e negador, otimista e pessimista, no Fausto, de Goethe. In: CARVALHO, Marcelo; DANOWSKI, Déborah; SALVIANO, Jarlee O. S. (Org.). Temas de Filosofia. São Paulo: ANPOF, 2015. p. 160-175.

MORAES, Dax. O caráter inteligível como fundamento ontológico para a sabedoria de vida. Revista Voluntas: estudos sobre Schopenhauer. Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, jan.-jun. 2016, p. 186-206. Disponível em:

< http://www.revistavoluntas.com.br/uploads/1/8/1/8/18183055/v7-n1-1-art10-2016-moraes_dax.pdf >. Acesso em: 16 jul. 2017.

MORAES, Dax. Sobre a impossibilidade do aprimoramento moral pela religião. In: KLEIN, J. T.; NAHRA, C.; MENEZES, A. B. N. T. de. (Org.). A religião em questão: temas de ética e filosofia política. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017a. p. 173-183.

MORAES, Dax. A inocência da Vontade. In: Hegel e Schopenhauer. ANPOF, 2017b. (artigo no prelo).

RAMOS, Flamarion Caldeira. Os complementos ao Mundo como vontade e representação. In: SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação: tomo II – complementos. Curitiba: UFPR, 2014. v. 1. p. 5-13.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke. Vol. III. Ed. Julius Frauenstaedt. Leipzig: Brockhaus, 1877.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke in zwölf Bänden. Vol. X: Parerga und Paralipomena, 3. Mit einer Einleitung von Dr. Rudolf Steiner. Stuttgart: J. G. Cotta, 1894.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Pref. Alain Roger. Trad. Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. São Paulo: M. Fontes, 2001.

SCHOPENHAUER, A. Parerga e paralipomena: scritti filosofici minori. Vol. II. Ed. Mario Carpitella. Trad. Mazzino Montinari e Eva Amendola Kuhn. Firenze: Adelphi, 2003.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação: tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação: tomo II – complementos. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: UFPR, 2014a. v. 1.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação: tomo II – complementos. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: UFPR, 2014b. v. 2.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação: tomo II. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1677-2954.2017v16n2p347

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional