Morte e vida clandestina: fronteiras raciais e a questão dos refugiados na filosofia contemporânea

Autores

  • Diego dos Santos Reis Universidade Federal do Rio de Janeiro - Pesquisador do Laboratório de Filosofia Contemporânea/Doutor em Filosofia pelo PPGF/UFRJ.

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2019v18n1p45

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Racismo, Guerras, Terrorismos, Filosofia Política Contemporânea

Resumo

A questão dos refugiados e dos apátridas não cessou de ser tematizada na filosofia contemporânea. Pensadores como Arendt, Foucault, Mbembe e Agamben refletiram em alguns de seus escritos sobre as tensões geradas pela emergência da figura do imigrante na política global. A contínua expansão dos fluxos migratórios é hoje uma realidade mundial, bem como as tensões advindas das políticas de contenção a determinados fluxos, com o fechamento das fronteiras, o “deixar morrer” à deriva em mares internacionais, ou a recusa da entrada e permanência de refugiados de guerras e de conflitos políticos. De outro lado, com o recrudescimento do terrorismo transnacional e com a construção discursiva da ameaça islâmica – pós-11 de setembro de 2001 –, as migrações passam a ser encaradas como ameaças permanentes ligadas ao terror. O crescente nacionalismo identitário e o reforço das fronteiras parecem se contrapor, todavia, ao discurso da globalização e do neoliberalismo, que se apresentavam como a promessa de dissipação das fronteiras nos blocos regionais em prol dos acordos de livre circulação. Nesse cenário de busca por asilo e refúgio, novos desafios, impasses e questões se impõem à reflexão filosófica e ao Direito Internacional, altamente fundamentado em uma concepção estadocêntrica. Este ensaio tem por objetivo analisar filosoficamente o problema contemporâneo do refúgio atrelado à questão dos terrorismos globais e das fronteiras raciais, a partir de algumas considerações elaboradas por pensadores contemporâneos.

Biografia do Autor

Diego dos Santos Reis, Universidade Federal do Rio de Janeiro - Pesquisador do Laboratório de Filosofia Contemporânea/Doutor em Filosofia pelo PPGF/UFRJ.

É Licenciado (2012), Mestre (2015) e Doutor (2019) em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com estágio doutoral no Institut d'Études Politiques de Paris/SciencesPo (com bolsa CAPES/PDSE e coorientação de tese do Prof. Dr. Frédéric Gros). 

Pesquisador Doutor do Laboratório de Filosofia Contemporânea da UFRJ.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. De l’État de droit à l’État de sécurité. Le Monde, Paris, 23 dez. 2015. Idées. Disponível em: https://www.lemonde.fr/idees/article/2015/12/23/de-l-etat-de-droit-a-l-etat-de-securite_4836816_3232.html. Acesso em: 05 mar. 2019.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

AGAMBEN, Giorgio. Para além dos direitos do homem. In: AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: Notas sobre a política. Trad. Davi Pessoa Carneiro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015b.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Prefácio. In: SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998.

CHÉRIF, Mustapha. O Islã e o Ocidente: Encontros com Jacques Derrida. Trad. Cleonice P.B. Mourão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

CORTÁZAR, Julio. Último Round. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2009. 2. vol.

DOUZINAS, Costas. What are Human Rights? The Guardian, Londres, n. p. mar. 2009. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/libertycentral/2009/mar/18/human-rights-asylum. Acesso em: 20 mar. 2019.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. O Direito dos Homens em Face dos Governados. In:FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos VI. Trad. Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013. p. 370.

FOUCAULT, Michel. “O problema dos refugiados é um presságio da grande migração do século XXI (1979)”. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos VI. Trad. Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013. p. 285-288.

FOUCAULT, Michel. “Va-t-on extrader Klaus Croissant?” [1977]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits II. Paris: Gallimard, 2001a. p. 361-365.

FOUCAULT, Michel. “Vérité, pouvoir et soi” [1982]. In: FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits II. Paris: Gallimard, 2001b. p. 1596-1602.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. As fronteiras raciais do genocídio. Direito – UnB, Brasília, vol. 01, n.º 01, p. 119-146, jan./jun. 2014.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

MBEMBE, Achille. A ideia de um mundo sem fronteiras. Trad. Stephanie Borges. Revista Serrote on line, n.º 31, p. 1-5, mar. 2019. Disponível em: https://revistaserrote.com.br/2019/05/a-ideia-de-um-mundo-sem-fronteiras-por-achille-mbembe/?fbclid=IwAR2mRVjmL6ZY58fNYKTJPlcoU8OK2Fbpv0x-KGbq-eS5BO7lb5cYsGqjzq0# Acesso em: 20 mai. 2019.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

MBEMBE, Achille. Políticas da Inimizade. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2017.

PINHEIRO, Flávio Maria Leite; SOUZA, Ana Paula Marques de. A questão das minorias étnicas, refugiados e apátridas em face do totalitarismo na visão de Hannah Arendt. In: DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS III: XXIII CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI/UFPB. João Pessoa, CONPEDI, Nov. 2014, p. 156-180.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Downloads

Publicado

2019-03-29

Edição

Seção

Artigos