Cosmopolitismo: cidadania além dos Estados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2020v19n2p153

Palavras-chave:

Cidadania, Cosmopolitismo, Globalização

Resumo

Este artigo procura analisar os princípios que norteiam o surgimento de um novo conceito de cidadania. Fundamentalmente, a história mostra que ser cidadão é pertencer a um Estado. Portanto, o direito a ter direitos estaria conectado diretamente com a ideia de pertencimento. Sendo mantida essa noção de cidadania, refugiados, migrantes e expatriados estariam excluídos da condição de cidadãos e, portanto, não possuiriam direito algum. No entanto, as relações globais contemporâneas e a ampliação do alcance dos Direitos Humanos tornam obrigatórias as atenções aos indivíduos que se encontram além das fronteiras de seu Estado pátrio. Da mesma forma, o surgimento de um novo espaço público, tornado possível pela rede mundial de comunicação, traz à luz o fato da liberdade precisar ser garantida a nível transnacional e cosmopolita. A partir de considerações como estas, pode-se perguntar pelo estatuto dos indivíduos que se encontram nas determinadas situações: não seriam eles os novos cidadãos do mundo? Há de se analisar, portanto, o desenvolvimento da ideia de uma cidadania que possa existir além dos limites das fronteiras, isto é, de uma cidadania global, transnacional e cosmopolita.

Biografia do Autor

Celso Pinheiro, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, P.R.

Professor Associado IV da Universidade Federal do Paraná - Área de Filosofia.

Referências

ARISTÓTELES. A Política. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GARDNER, J.F. Being a Roman Citizen. London: Routledge, 2010.

HABERMAS, J. Direito e Democracia. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HOBBES, T. Behemoth ou o Longo Parlamento. Tradução de Eunice Ostrensky. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

HOBBES, T. Leviatã. Tradução de Heloisa da Graça Burati. São Paulo: Rideel, 2005.

HOBBES, T. The Elements of Law, Natural and Politic. London: CreateSpace Independent Publishing Platform, 2017.

KANT, I. A Metafísica dos Costumes. Tradução de Edson Bini. Bauru: Edipro, 2003.

KANT, I. À Paz Perpétua. Tradução de Marco Antonio Zingano. Porto Alegre: L&PM, 1989.

KANT, I. Teoría y Práctica. Traducción de Juan Miguel Palacios, M. Francisco Pérez López y Roberto Rodríguez Aramayo. Madrid: tecnos, 1986.

KOSELLECK, Rheinhart. Le règne de la critique (trad. De Kritik und Krise). Paris: Minuit, 1979.

LÉVY, P. L'Hypersphère publique. In: Cosmopolis. Rivista di filosofia e teoria política. VI, 2. 2011.

LÉVY, P. L'Hypersphère. Filosofia World - O Mercado, o Ciberespaço, a Consciência. Lisboa: Ed. Piaget, 2001.

NOUR, S. À Paz Perpétua de Kant. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

RAWLS, J. Uma Teoria da Justiça. Tradução de Almiro Pisetta e Lenita Maria Rimoli Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Downloads

Publicado

2020-09-21