Cosmopolitismo em Habermas: com Kant para além de Kant

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2020v19n2p280

Palavras-chave:

Cosmopolitismo, Direito internacional, Direitos humanos, Paz, Coerção

Resumo

Este estudo pretende mostrar como Habermas baseado no projeto de Immanuel Kant de uma ordem mundial pacífica restrita ao direito à hospitalidade universal e a uma estrutura jurídica federativa voluntária termina desenvolvendo uma concepção de direito internacional muito mais robusta que inclui uma estrutura quase estatal, embora ele seja enfático em afirmar que é um regime de governança mundial sem um Estado global. Habermas desenvolve sua concepção não apenas num debate com o esboço de uma paz perpétua de Kant, mas também considerando as inovações normativas que ocorreram nos mais de duzentos anos que se passaram desde a formulação original em 1795.

 

Biografia do Autor

Charles Feldhaus, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, P.R.

Professor Associado da Universidade Estadual de Londrina e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (Mestrado e Doutorado acadêmico) da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR. Brasil.

Referências

EDGAR, Andrew. Habermas. The Key Concepts. London: Routledge, 2006.

FELDHAUS, Charles. 2012. Teria Habermas se equivocado ao ler Zum ewigen Frieden de Immanuel Kant? In: TONETTO, M. C.; PINZANI, A; DALL’AGNOL, D. Investigações Kantiana I: um debate plural. Florianópolis: Funjab, 2012.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. Investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tradução de Flávio R. Klothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HABERMAS, Jürgen. Die Einbeziehung des Anderen. Studien zur politischen Theorie. Frankfurt: Suhrkamp, 1996.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro. Estudos de teoria política. Tradução de George Sperber e Paulo Astor Soethe. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Era de Transições. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HABERMAS, Jürgen. O ocidente dividido. Tradução de Bianca Tavolari. São Paulo: Editora Unesp, 2016a.

HABERMAS, Jürgen. Para a reconstrução do materialismo histórico. Tradução de Rúrion Melo. São Paulo: Editora Unesp, 2016b.

KANT, Immanuel. Kants Werke. Akademie Berlin, Walter de Gruyter & Co., 1968.

KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995.

KANT, Immanuel. A metafísica dos Costumes. Tradução de José Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

KANT, Immanuel. Der gespaltene Westen. Frankfurt: Suhrkamp, 2004.

KANT, Immanuel. Ay, Europa! Tradução espanhola de José Luis López de Lizaga, Pedro Madrigal e Francisco Javier Gil Martín. Madrid: Editorial Trotta, 2009.

KLEINGELD, Pauline. Approaching Perpetual Peace: Kant’s Defense of a League of States and his Ideal of a World Federation. In: European Journal of Philosophy, v. 12, n. 3, 304-325, 2004.

KLEINGELD, Pauline. Kant and Cosmopolitanism. The Philosophical Ideal of World Citizenship. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

MENDELSSOHN, Moses. Jerusalem, or on Religion Power or Judaism. English Translation by Allan Arkush. Massachusttes: Brandeis University Press, 1983.

MERTENS, Thomas. “From ‘Perpetual Peace’ to ‘The Law of Peoples’: Kant, Habermas and Rawls on International Relations.” Kantian Review 6:60–84. doi:10.1017/S1369415400001606.], 2002.

POGGE, Thomas. Realizing Rawls. London: Cornell University Press, 1989.

RAWLS, John. The Law of People. With the “Idea of Public Reason Revisited”. Cambridge: Havard University Press, 1999.

RAWLS, John. O direito dos povos. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SCHLEGEL, Friedrich. Versuch über den Begriff des Republikanismus. Veranlasst durch die Kantische zum ewigen Frieden. In: Immanuel Kant Zum ewigen Frieden. Mit Texten zur Rezeption 1796-1800. Leipzig: Reclam, 1984.

Downloads

Publicado

2020-09-21