Flores contra canhões? O impasse da ética frente às guerras do século XXI

Fernando Magalhães

Resumo


Os conflitos que inauguram o século XXI dão a impressão de que a paz é um objetivo quase inatingível. Diante das novas ameaças, nada faz crer que o terror provocado pela guerra fria encontre-se superado. Ao lado das formas tradicionais de luta, uma guerra quase surda eclode no seio das sociedades. A fome, por exemplo, é uma arma que mata em silêncio, e a violência e a miséria revelam que o estado de natureza persiste. A questão que se coloca, então é a seguinte: é possível falar em paz pensando apenas em critérios éticos? Os problemas no Oriente Médio, o desrespeito às resoluções da ONU por parte de alguns Estados, tudo isso mostra a pouca eficácia do discurso quando não acompanhada da força. O objetivo deste trabalho é apontar os limites da ética pura para combater a violência e mostrar que a normatização do mundo não pode, ainda, prescindir da “crítica das armas”.

Palavras-chave


Ética; Guerra; Movimentos Sociais

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional