Alienados e culpados: os cidadãos no republicanismo contemporâneo

Alessandro Pinzani

Resumo


O artigo trata de um déficit teórico presente no pensamento neo-republicano dos últimos anos, a saber a falta de qualquer discurso relativo à concentração de poder econômico e político nas mãos de uma minoria. Depois de uma breve exposição de algumas variantes do republicanismo contemporâneo (I), se analisam algumas críticas formuladas por Robert Dahl e Kenneth Baynes (II). Finalmente, são consideradas as posições de Robert Putnam e Benjamin Barber, a fim de desenvolver algumas considerações sobre a questão de se a responsabilidade pela crise atual da democracia deva ser procurada nas atitudes e nos hábitos individuais, ou, antes, em fatores impessoais como os arranjos institucionais e o contexto social, econômico e político no qual os indivíduos se encontram (III).


Palavras-chave


Republicanismo; Ética cívica; Cidadania

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1677-2954.2010v9n2p267

 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional