Direito à vida e a personalidade do feto, aborto e religião no contexto brasileiro:Mulheres entre a vida e a morte

Daniela Rosendo, Tamara Amoroso Gonçalves

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1677-2954.2015v14n2p300

A discussão sobre aborto no Brasil é frequentemente permeada por argumentos religiosos travestidos de argumentos jurídicos. Em um Estado guiado pelo princípio da laicidade, moralidades religiosas não devem interferir em políticas públicas e nem mesmo na formulação de leis. Este artigo busca investigar o arcabouço normativo brasileiro, verificando se há subsídios suficientes, do ponto de uma ética pautada em direitos humanos, para proibir a realização do aborto eletivo com base na preservação do direito à vida e à personalidade dos fetos. Mais especificamente, analisa o direito à vida e à personalidade no direito brasileiro, percorrendo também um pouco do histórico das variações relacionadas ao posicionamento da Igreja Católica sobre o tema do aborto e seu consequente impacto no direito brasileiro. Percebe-se que têm sido utilizados argumentos religiosos para impedir o reconhecimento do direito à interrupção voluntária da gravidez, com pleno exercício da autonomia da mulher e do reconhecimento dos seus direitos como sujeito histórico e político. Essa proibição tem acarretado a morte de milhares de mulheres em todo o mundo, razão pela qual é fundamental refletir sobre os argumentos que obstam o avanço legislativo, mantidos pelo discurso masculinista antiabortista (Tiburi), que torna as mulheres referentes ausentes (Adams).


Palavras-chave


Aborto; Religião; Direito à Vida; Direitos de Personalidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADAMS, Carol J. Neither Man nor Beast: Feminism and the Defense of Animals. New York: Continuum, 1994.

AVANCINI, Alex. Em decisão histórica França altera Código Civil e reconhece animais como seres sencientes. Agência de Notícias de Direitos Animais. 3 fev. 2015. Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2015.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: Acesso em: 16 fev. 2015.

BRASIL. Projeto de Lei nº 8116/2014. Dispõe sobre a proteção ao nascituro. Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2015.

CEDAW. General Recommendation No. 19 (llth session, 1992). Disponível em: Acesso em: 26 fev. 2015.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe sobre la condición de la mujer en las américas. Relatoría Sobre los Derechos de la Mujer (OEA). Disponível em: Acesso em: 11 nov. 2010.

CONSÓRCIO NACIONAL DE REDES E ORGANIZAÇÕES DO PROJETO DE MONITORAMENTO DA CEDAW. Caderno III: As recomendações como instrumento de trabalho na CEDAW. Coletivo Feminino Plural: Porto Alegre, 2015.

DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

DREZETT, Jefferson; PEDROSO, Daniela. Aborto e violência sexual. Ciência e Cultura, v. 64, n. 2, p. 35-38, abr./jun. 2012. Disponível em: Acesso em: 11 mar. 2015.

DWORKIN, Ronald. Domínio da vida: Aborto, eutanásia e liberdades individuais. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GONÇALVES, Tamara Amoroso (coord.); LAPA, Thaís de Souza. Aborto e religião nos tribunais brasileiros. São Paulo: Instituto para a Promoção da Equidade, 2008.

HTUN, Mala. Sex and the State: Abortion, Divorce and the Family Under Latin American Dictatorships and Democracies. Nova York: Cambridge University Press, 2003.

NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 34 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

PERSON. In: BLACKBURN, Simon. The Oxford Dictionary of Philosophy. New York: Oxford University Press, 1996.

PIOVESAN, Flávia. Código de direito internacional dos direitos humanos anotado. São Paulo: DPJ Editora, 2008.

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 27 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

TIBURI, Márcia. Aborto como metáfora. In: BORGES, Maria de Lourdes; TIBURI, Márcia (Org.). Filosofia: machismos e feminismos. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014, p. 163-176.




 

 

 

 

 

ethic@. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1677-2954

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional