O fundamento moral da filosofia civil de Hobbes

Autores

  • Delmo Mattos da Silva UFMA

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e77715

Palavras-chave:

Apetite natural, Movimento, Vaidade, Filosofia primeira, Hobbes

Resumo

Objetiva-se discutir o argumento de que a filosofia civil hobbesiana se submete a um fundamento moral sem vincular-se aos princípios da física ou da filosofia primeira. Para demonstrar esse pressuposto, utiliza-se a reconstrução do argumento de Strauss pelo qual expõe a antítese moral entre a vaidade e o medo como determinante para atribuir o fundamento moral à filosofia civil, sem uma vinculação com as determinações da filosofia natural. Sendo assim, postula-se que o princípio moral regulador das ações que viabilizam a preservação da vida consiste no medo justo da morte violenta. Desse modo, torna-se possível evidenciar o fato moral fundamental no qual a filosofia de Hobbes se baseia, isto é, o direito natural e não o dever, colaborando na ênfase de um novo fundamento de moralidade.

Referências

ADAMS, M. P. Natural philosophy, geometry, and deduction in the Hobbes-Boyle debate. Hobbes Studies, v. 30, n. 1, p. 83-107, 2017.

BALDIN, G. Hobbes e Galileo: metodo, materia e scienza del moto. Firenze: Leo S. Olschki Editore, 2017.

BATES, S. The motivation to be just. Ethics, v. 85, n. 1, p. 1-17, 1974.

BERNS, W. Judicial review and the rights and laws of nature. The Supreme CourtReview, v. 1982, p. 49-83, 1982.

BLITS, J. H. Hobbesian fear. Political Theory, v. 17, n. 3, p. 417-431, 1989.

BRANDT, F. Thomas Hobbes’ mechanical conception of nature. London: Hachette, 1928.

FRATESCHI, Y. A física da política: Hobbes contra Aristóteles. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

GREENLEAF, W. H. Hobbes: o problema da interpretação. In. QUIRINO, C. G.; SOUZA, M. T. S. (org.). O pensamento político clássico. São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.

HOBBES, T. De corpore. In. The English works of Thomas Hobbes of Malmensbury. Now first collected and edited by Sir Willian Molesworth. London (1839-1845). Reprint Aelen: Scientia, 1966.

HOBBES, T. Leviathan, or the matter, forme and power of a Commonwealth ecclesiasticall and civil. Ed. C. B. Macpherson. Harmondsworth: Penguin Books, 1968.

HOBBES, T. Do cidadão. Elementos filosóficos a respeito do cidadão. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2002a.

HOBBES, T. Elementos da lei natural e política. Tradução de Fernando Dias Andrade. São Paulo: Ícone, 2002b.

KAVKA, G. S. Hobbes’s war of all against all. Ethics, v. 93, n. 2, p. 291-310, 1983.

KIDDER, J. Hobbes’s “just man”. Reason Papers, n. 8, p. 1-15, Summer 1982.

LEIVAS, C. A paixão política do medo na concepção de Hobbes. Dissertatio, v. 33, p. 341-353, Inverno 2011.

PACCHI, A. Hobbes and the passions. Topoi, v. 6, n. 2, p. 111-9, 1987.

POGREBINSCHI, T. O problema da obediência em Thomas Hobbes. Bauru: EDUSC, 2003.

SKINNER, Q. Razão e retórica na filosofia de Hobbes. São Paulo: UNESP, 1999.

SORELL, T. Hobbes’s scheme of the sciences. In: SORELL, Tom (ed.). The Cambridge Companion to Hobbes. Cambridge: University Press, 1996. p. 45-61.

SPRAGENS, T. A. The politics of motion: the world of Thomas Hobbes. Lexington: University Press of Kentucky, 1973.

STAUFFER, D. Strauss’s discussion of Hobbes in “What is political philosophy?”. Perspectives on Political Science, v. 39, n. 2, p. 87-91, 2010.

STRAUSS, L. A filosofia política de Hobbes: suas bases e sua gênese. São Paulo: É realizações, 2016.

STRAUSS, L. Direito Natural e História. Tradução de Miguel Morgado. Lisboa, Portugal, Edições 70, 2009.

TOTO, F. Individuo, potere e relazione in Thomas Hobbes. La Società Degli Individui, v. 19, n. 55, p. 143-158, 2016.

GREENLEAF, W. H. Hobbes: o problema da interpretação. In: QUIRINO, C. G.; SOUZA, M. T. S. (org.). O pensamento político clássico. São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.

HOBBES, T. De corpore. In: The English works of Thomas Hobbes of Malmensbury. Now first collected and edited by Sir Willian Molesworth. London (1839-1845). Reprint Aelen: Scientia, 1966.

HOBBES, T. Leviathan, or the matter, forme and power of a Commonwealth ecclesiasticall and civil. Ed. C. B. Macpherson. Harmondsworth: Penguin Books, 1968.

HOBBES, T. Do cidadão. Elementos filosóficos a respeito do cidadão. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2002a.

HOBBES, T. Elementos da lei natural e política. Tradução de Fernando Dias Andrade. São Paulo: Ícone, 2002b.

KAVKA, G. S. Hobbes’s war of all against all. Ethics, v. 93, n. 2, p. 291-310, 1983.

KIDDER, J. Hobbes’s “just man”. Reason Papers, n. 8, p. 1-15, Summer 1982.

LEIVAS, C. A paixão política do medo na concepção de Hobbes. Dissertatio, v. 33, p. 341-353, Inverno 2011.

PACCHI, A. Hobbes and the passions. Topoi, v. 6, n. 2, p. 111-9, 1987.

POGREBINSCHI, T. O problema da obediência em Thomas Hobbes. Bauru: EDUSC, 2003.

SKINNER, Q. Razão e retórica na filosofia de Hobbes. São Paulo: UNESP, 1999.

SORELL, T. Hobbes’s scheme of the sciences. In: SORELL, Tom (ed.). The Cambridge Companion to Hobbes. Cambridge: University Press, 1996. p. 45-61.

SPRAGENS, T. A. The politics of motion: the world of Thomas Hobbes. Lexington: University Press of Kentucky, 1973.

STAUFFER, D. Strauss’s discussion of Hobbes in “What is political philosophy?”. Perspectives on Political Science, v. 39, n. 2, p. 87-91, 2010.

STRAUSS, L. A filosofia política de Hobbes: suas bases e sua gênese. São Paulo: É realizações, 2016.

TOTO, F. Individuo, potere e relazione in Thomas Hobbes. La Società Degli Individui, v. 19, n. 55, p. 143-158, 2016.

Downloads

Publicado

2021-10-29