Mentes no bolso: considerações neuroéticas sobre a incorporação de aplicativos de smartphones na configuração do Self

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e79767

Palavras-chave:

Neuroética, Tecnologia, Smartphone, Algoritmos, Self

Resumo

A neurociência e os estudos da Interação Humano-Computador crescem exponencialmente. Defende-se que a realização dos processos cognitivos não depende apenas do cérebro, mas também da interação entre o agente cognitivo e diversos artefatos e, por isso, seres humanos podem ser considerados ciborgues de nascença. A relação simbiótica que temos com nossos gadgets, em especial, o smartphone, lança nova luz sobre problemas neuroéticos surgidos com o uso das tecnologias de informação e comunicação, TIC. Nosso objetivo neste artigo é (1) contextualizar o uso de tecnologias digitais como extensões da mente, em especial smarthphones, e (2) discutir as questões neuroéticas provenientes desse uso. Argumentamos que as sugestões de aplicativos, através de seus algoritmos, bem como o uso de nossas informações, podem ser consideradas alterações em nossas mentes e, consequentemente, no nosso self. Por isso, procuramos, (3) oferecer algumas diretrizes para que o debate possa assumir um caráter mais preventivo para os problemas emergentes.

Biografia do Autor

Diogo Gonçalves Vianna Mochcovitch, UFRJ/Programa de Pós-graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Realiza pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS) na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atua na área de Filosofia da Mente e da Tecnologia e seus desdobramentos na Neuroética. E-mail: diogomochcovitch@gmail.com

Maria Clara Dias, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Programa de Pós-graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva

Doutora em Filosofia pela Freie Universität Berlin (1993) e Pós-Doutora na Universidade de Connecticut (2003), na Universidade de Oxford (2006/2007), na Universidade de Tulane (2015) e na Universidade Rey Juan Carlos (2019). Professora titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde integra o Departamento de Filosofia e o Programa Interinstitucional e Interdisciplinar de PósGraduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva. E-mail: mcdias1964@gmail.com

Referências

ADAMS, F.; AIZAWA, K. “The bounds of cognition”, in: Philosophical psychology 14.1: 43-64, 2001.

BRASIL. Lei nº. 12.965, de 24 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm

BRASIL. Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13709.htm

CARTER, J. D.; PALERMOS, O. “Is Having Your Computer Compromised a Personal Assault? The Ethics of Extended Cognition”, in: Journal of the American Philosophical Association, v.2, n.4, p. 542-560, dec. 2016.

CLARK, A; CHALMERS, D. “The Extended Mind”, in: Analysis 58: 10-23, 1998.

CLARK, A. Being There: Putting Brain, Body and World Together Again, Cambridge: MIT Press, 1997.

CLARK, A. Mindware: an introduction to the philosophy of cognitive Science, New York: Oxford University Press, 2001.

CLARK, A. Natural-Born Cyborgs. Minds, Technologies, and the Future of Human Intelligence, New York: Oxford University Press, 2003.

CLARK, A. “Memento’s revenge: the extended mind, extended”, in: MENARY, Richard. The extended mind (Life and Mind: Philosophical Issues in Biology and Psychology), Cambridge: MIT Press, 2010.

COECKELBERGH, M. “Ethics of artificial intelligence: Some ethical issues and regulatory challenges”, in: Technology and Regulation, v. 2019, n. 01, p. 31–34, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.26116/techreg.2019.003

DIAS, M. C. Perspectiva dos funcionamentos: fundamentos teóricos e aplicações. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2019.

DENNETT, D. Tipos de mentes: rumo a uma compreensão da consciência. Tradução: Alexandre Tort, Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DUHIGG, C. “How Companies Learn Your Secrets”. The New York Times, Nova Iorque, 16 de fevereiro de 2012. Disponível em: https://www.nytimes.com/2012/02/19/magazine/shopping-habits.html

ERDENIZ, S.; MENYCHTAS, A.; MAGLOGIANNIS, I; FELFERNIG, A.; TRAN, T. “Recommender systems for IoT enabled quantifed‑self applications”, in: Evolving Systems, v. 10, n. 40, p. 1-14, 2019.

EUROPA. Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016. Relativo à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados e que revoga a Diretiva 95/46/CE (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados). Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/HTML/?uri=CELEX:32016R0679&from=PT

FLORIDI, L. The fourth Revolution: how infosphere is reshaping human reality. Oxford: Oxford University Press, 2014.

FRANKFURT, H. “Freedom of the will and the concept of a person” in.: The Journal of Philosophy, v. 6, n. 1, p. 5-20, jan. 1971.

GABRIELS, K.; COECKELBERGH, M. “Technologies of the self and other: how self-tracking technologies also shape the other", in: Journal of Information, Communication and Ethics in Society, v.17, n.2, p. 119 - 127, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1108/JICES-12-2018-0094

GIBSON, J. The ecological approach to visual perception. New York: Taylor and Francis Group, 1986.

GSMA. The mobile economy 2019, 2019. Disponível em: https://www.gsma.com/r/mobileeconomy/.

HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Ed. 70, 2000.

KREITMAIR, K.; CHO, M. C. “The neuroethical future of wearable and mobile health technology”, in: Illes, J. Neuroethics: antecipating the future, Oxford: Oxford University Press, 2017.

LÉVY, P. As tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo. Editora 34. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 1993.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Tradução: Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MOCHCOVITCH, D. Da mente ao self estendido: a integração de artefatos na constituição da identidade pessoal. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2020.

REINER, P. B.; NAGEL, S. K. “Technologies of the extended mind: defining the issues”, in: Illes, J. Neuroethics: antecipating the future, Oxford: Oxford University Press, 2017.

RUPERT, R. Cognitive systems and the extended mind. New York: Oxford University Press, 2009.

SCHECHTMAN, MARYA. The constitution of selves. Nova Iorque: Cornell University Press, 1996.

THE SOCIAL DILEMMA. Jeff Orlowski. Califórnia: Netflix, 2020. Documentário disponível em plataforma digital.

WILSON, R. Boundaries of the mind: the individual in the fragile sciences. New York: Cambridge University Press, 2004.

Downloads

Publicado

2021-04-30