As antropologias autoritárias nas diferentes fases do capitalismo - elaborações a partir de Adorno

Autores

  • Virginia Helena Ferreira da Costa UFES

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e82215

Palavras-chave:

Autoritarismo, Capitalismo, Antropologia, Tipologia

Resumo

Debateremos como Adorno emprega a psicanálise freudiana para compreender os modos hegemônicos de socialização de sujeitos, formulando diferentes antropologias autoritárias sob contextos socioeconômicos. Se, de um lado, o autoritarismo permanecerá vigente enquanto o capitalismo persistir, de outro, haveria diferentes ênfases características a serem elaboradas em momentos diversos do capitalismo – segundo as fases socioeconômicas monopolistas, do welfare state e neoliberais. Para tanto, baseamo-nos na descrição das tipologias da síndrome autoritária fornecida por Adorno, destacando diversos traços conforme as determinações sociais. Se nos anos 1940, Adorno salientou os aspectos de adequação do tipo antropológico autoritário (dotado de um eu fraco, supereu externalizado e isso desenfreado), nos anos 1960 o autor passou a reforçar o desejo de destruição como característica hegemônica do autoritário. Já relativamente ao neoliberalismo, encontramos descrições de sujeitos reindividualizados, dotados de um supereu internalizado e superrígido, o que leva não só à tentação “miliciarizada” de se fazer “justiça com as próprias mãos”, como aos “efeitos colaterais” de melancolia e depressão pela excessiva agressividade contra si mesmo.

Referências

ADORNO, T. W. Aspectos do novo radicalismo de direita. São Paulo: Editora Unesp, 2020.

ADORNO, T. W. Estudos sobre a personalidade autoritária. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

ADORNO, T. W. Remarks on ‘The Authoritarian Personality’. In. Platypus Review #91, November 2016.

ADORNO, T. W. Sociología y investigación empírica. In. Epistemología y ciencias sociales. Frónesis Cátedra Universidad de Valencia: Madrid, 2001.

ADORNO, T. W., COSTA, V. H. F. Observações sobre ‘A Personalidade Autoritária’, de Adorno, Frenkel-Brunswik, Levinson e Sanford. Trans/Form/Ação, Marília, v. 44, n. 2, 345-384, Abr./Jun., 2021.

ADORNO, FRENKEL-BRUNSWIK, LEVINSON & SANFORD. The Authoritarian Personality. Harper & Brothers, Copyright American Jewish Committee, 1950.

BENJAMIN, J. The end of internalization: Adorno’s social psychology. Telos, n. 32, 42-64, Summer, 1977.

BUENO, A. ¿Qué viene después de la depresión? Ocho tesis sobre la crisis de la subjetividad neoliberal y sus implicancias políticas. Cuadernos de Teoría Social 6 (11), 2020, 95-120.

CHODOROW, N. The reproduction of mothering – psychoanalysis and the sociology of gender. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press, 1978.

COSTA, V. H. F. Resumo de The Authoritarian Personality. In. ADORNO, T. W. Estudos sobre a personalidade autoritária – São Paulo: Editora Unesp, 2019.

FREUD, S. Luto e melancolia. In. Obras completas volume 12. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREUD, S. O eu e o isso. In. Obras completas volume 16. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

FREUD, S. Psicologia das massas e análise do Eu. In. Obras completas volume 15. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GANDESHA, S. Adorno, Ferenczi, and a new ‘categorical imperative after Auschwitz’. International Forum of Psychoanalysis, 2019.

GANDESHA, S. Identifying with the agressor: From the Authoritarian to Neo-liberal Personality”. Constelations, vol 25, Issue 1, March 2008, 147-164. Disponível em https://doi.org/10.1111/1467-8675.12338 (Acesso em 02 out. 2018).

GENEL, K. L’approche sociopsychologique de Horkheimer, entre Fromm et Adorno. Astérion. v. 7, ago. 2010. Disponível em http://asterion.revues.org/1611. (Acesso em 6 dez. 2017).

HORKHEIMER, M. Authority and the Family. In. Critical Theory – Selected Essays. New York: Continuum, 1982.

HORKHEIMER, M. & ADORNO, T. W. Dialektik der Aufklärung: Philosophische Fragmente. Frankfurt am Main: Fischer, 1988.

HORKHEIMER, M. & ADORNO, T. W. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

INSTITUT FÜR SOZIALFORSCHUNG (ed.). Studien über Autorität und Familie. Forschungsberichte aus dem Institut für Sozialforschung. Lüneburg: zu Klampen Verlag, 1987.

MATOS, O. Os arcanos do inteiramente outro: a Escola de Frankfurt, a melancolia e a revolução. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1995.

WHITEBOOK, J. Perversion and utopia – a study in psychoanalysis and Critical Theory. The MIT Press: Massachusetts, 1996.

Downloads

Publicado

2021-10-29

Edição

Seção

Dossiê A teoria crítica de Theodor W. Adorno