Espinosa e Hobbes: considerações sobre a democracia e a monarquia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e84301

Palavras-chave:

Hobbes, Democracia, Espinosa, Antilogia, Monarquia

Resumo

Este estudo pretende abordar o tratamento acerca dos regimes políticos em Espinosa e Hobbes, especialmente sobre a democracia e a monarquia. Em geral, o filósofo de Westport é tratado como oposto ao holandês quando o assunto é democracia, pelo qual o primeiro defenderia a monarquia absoluta e o outro, a democracia absoluta. Com o intuito de demonstrar este debate de ideias, além da argumentação dos próprios filósofos, faremos uma análise dos principais comentadores sobre as referidas temáticas, bem como dos contextos das principais fontes intelectuais. A reconstrução da recepção dos textos de Hobbes na Holanda do século XVII é tão sui generis que deve ser objeto de estudo tanto quanto os textos dos filósofos. Além do contexto holandês, resgataremos o contexto inglês buscando suas similitudes. A recepção dos textos hobbesianos na Inglaterra do século XVII, comparado à recepção contemporânea, configura uma contradição na questão das formas de governo, na qual o primeiro seria um Hobbes democrata e na segunda, um Hobbes monarquista absolutista. A partir do resgate das fontes antigas de Hobbes, em especial de Antifonte, é possível encaminhar a questão dos regimes políticos em Hobbes de um modo alternativo. A democracia e a monarquia em Hobbes, a partir desta ótica, não se excluem. São regimes possíveis e admitidos na constituição do poder soberano hobbesiano. Por fim, apresentaremos uma abordagem que lança novas luzes sobre estes estudos, demonstrando que Espinosa não antagoniza com Hobbes sobre a democracia.

Biografia do Autor

Patricia Nakayama, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Possui graduação em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP , mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo e doutorado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP em Ética e Filosofia Política. Atualmente leciona os cursos de Ética & Ciência e História da Filosofia Moderna na Universidade Federal da Integração Latino -Americana. (UNILA). Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia moderna e política, atuando principalmente nos seguintes temas: Thomas Hobbes, democracia, Estado e direito, política, Retórica antiga e moderna.

Referências

ANTIFONTE. Testemunhos, fragmentos, discursos – edição bilíngue. Tradução: Luís Felipe Bellintani Ribeiro. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

AYLMER, G. E. A short history of 17th century England: 1603-1689. New York: The New American Library/ Blandford Press, 1963.

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARRUDA, J. A Revolução Inglesa. São Paulo: Brasiliense, 2006.

BOBBIO, N. Thomas Hobbes. Torino: Giulio Einaudi. Tradução: Carlos Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

CHAUÍ, M. Política em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DAVENANT, W. Gondibert an heroick poem. London: Printed by John Holden, 1651.

DAVENANT, W. Considerations upon the reputation, loyalty, manners, and religion of Thomas Hobbes. In: The english works of Thomas Hobbes of Malmesbury, vol. IV. London: W. Molesworth ed., 1966.

ESPINOSA, B. Opera Quotquot Reperta Sunt. Tomo I. Recognoverunt Van Vloten, J. e LAND, J.P.N. Hagar Comitum: Martinum Nijhoff, 1882.

ESPINOSA, B. Opera Quotquot Reperta Sunt. Tomo II. Recognoverunt Van Vloten, J. e Land, J.P.N. Hagar Comitum: Martinum Nijhoff, 1890.

ESPINOSA, B. Tratado teológico político. Tradução: Aurelio, D.P. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda: 2004.

ESPINOSA, B. Tratado político. In: Os pensadores - Baruch de Espinosa. Tomo XVII. São Paulo: Abril Cultural. 1973.

GAGARIN, M. The truth of Antiphon’s truth. In: Essays in Ancient Greek Philosophy VI Before Plato. Edited by Anthony Preus. New York: State University of New York Press, 2001.

GOOCH, G. P. Hobbes. London: Humphrey Milford, 1939.

HOBBES, T. Do cidadão. Tradução: Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

HOBBES, T. Elementos do direito natural e político. Tradução: Couto, F. Porto-Portugal: Resjurídica, 19--.

HOBBES, T. Elementos de filosofia - primeira seção - sobre o corpo. Parte I - Computação ou Lógica. In: Clássicos da Filosofia. Cadernos de Tradução 12. Tradução: José Oscar de A. Marques. Campinas: IFCH/Unicamp, 2005.

HOBBES, T. The History of the grecian war written by Thucidides. In: English works of Thomas Hobbes, vol. VIII. London: W. Molesworth ed., 1966.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Tradução: João Paulo Monteiro. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

HOBBES, T. Leviathan sive de materia, forma, et potestate civitatis ecclesiasticae et civilis. In: Opera philosophica quae latine scripsit omnia, vol. III. Londres: Joannem Bohn. 1841

NAKAYAMA, P. La antilogía en el iuspositivismo y el iusnaturalismo de Thomas Hobbes. In: Las Torres de Lucca, International Journal of Political Philosophy, Madrid, Universidad Complutense de Madrid, nº 9, p. 119-144, Julio-Diciembre, 2016. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/LTDL/article/view/76983. Acesso em: 01 out. 2021

JANINE RIBEIRO, R. Ao leitor sem medo: Hobbes escrevendo contra o seu tempo. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

KLEVER, W. A New Source of Spinozism: Franciscus van den Enden. In: Journal of the History of Philosophy, Berkeley (Calif.), t. 29/4, p. 613-631, 1991.

KLEVER, W. Imperium Aeternum. Spinoza's Critique of Machiavelli and Its Source in van Den Enden. In: Foglio Spinoziano, 2016.

MALCON, N. Hobbes and Spinoza. In: Aspects of Hobbes. Oxford Scholarship Online (OSO): Oxford University Press, 2008.

NYDEN-BULLOCK, Tammy. How Hobbes got to Spinoza: A Radical Cartesian Journey. In: Early Modern Philosophy in Britain and the Netherlands 1500-1800: British Society for the History of Philosophy Conference, Rotterdam, The Netherlands. Mar 2007. Disponível em: https://philarchive.org/archive/NYDHHG. Acesso em 01 out. 2021.

PINTO, M. (Ed.). Sofistas – testemunhos e fragmentos Tradução: Ana Alexandre A. de Souza e Maria José Vaz Pinto. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005.

SCHMITT, C. The leviathan in the state theory of Thomas Hobbes: meaning and failure of a political symbol. Chicago: University Chicago Press, [2008] 1938.

SCHUHMANN, K. Hobbes, une chronique: cheminement de sa pensée et de sa vie. Paris: J. Vrin, 1998.

SMITH, W. Dictionary of greek and roman antiquities. Boston: Little, Brown and Company, 1859.

TREVOR-ROPER, H. Thomas Hobbes. In: Historical Essays. London: Macmilian, 1957.

VIALATOUX, J. La cité totalitaire de Hobbes. Lyon: Chronique sociale de France, 1952.

VIDAL, G. Oratoria griega y oradores áticos del primer periodo (de fines del siglo V a inícios del siglo IV a. C.). México: Universidad Nacional Autônoma de México, 2004.

VIDAL, G. Humanismo y cosmopolitismo en Antifonte. In: Habis, 29, p. 37-50, 1998.

WATKINS, J. W. N. Hobbes's system of ideas. London: Hutchinson, 1965.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Edição

Seção

Dossiê Hobbes e Espinosa: estado, poder, religião e liberdade