Auctoritas facit legem: o problema da justificação da autoridade em Hobbes

Autores

  • Clóvis Brondani Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e84893

Palavras-chave:

Autoridade, Normatividade, Ciência civil, Soberania

Resumo

Este texto objetiva tratar da relação entre ciência e autoridade na filosofia de Thomas Hobbes. O problema fundamental que motiva o trabalho está nas constantes afirmações de Hobbes segundo as quais é a autoridade e não a verdade que faz a lei. Tais afirmações, que revelam a adesão à concepção voluntarista de lei, parecem comprometer o projeto de instituição da scientia civilis por parte de Hobbes, uma vez que a decisão do soberano seria de caráter meramente arbitrário e não fundada racionalmente, portanto. Desta perspectiva, o projeto de fundar uma ciência da moral e da política parece perder grande parte de sua força, o que por sua vez torna problemático o estabelecimento de uma base normativa adequada para a autoridade política, uma vez que a justificação dos enunciados normativos que a fundamentam deveria necessariamente derivar do conhecimento científico. A intenção é elencar alguns elementos que possam demonstrar que a tese da auctoritas facit legem não implica o abandono da racionalidade, argumentando que não apenas a justificação da autoridade, mas a própria instauração da lei civil segue um conjunto de princípios racionais.

Referências

AGAMBEN, G. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BRANDT, T. Thomas Hobbes’ mechanical conception of nature. London: Librarie Hachette, 1928.

DASTON, L.; STOLLEIS, M (org.). Natural law and laws of nature in early modern Europe: jurisprudence, theology, moral and natural philosophy. Surray: Ashgate, 2008.

DUKE, G. Hobbes on authority, pratical reason and truth. Law and philosophy, v. 33, p. 605-627, 2014.

GAUTHIER. D. The logic of leviathan: the moral and political theory of Thomas Hobbes. Oxford: Clarendon Press, 1969.

HAMPTON, J. Hobbes and the social contract tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

HOBBES, T. Diálogo entre um filósofo e um jurista. Tradução: Maria Cristina Guimarães Cupertino. São Paulo: Landy Editora, 2004.

HOBBES, T. Do cidadão. Tradução: Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOOBES, T. Do corpo. Parte I: cálculo ou lógica. Tradução: Maria Isabel Limongi e Viviane de Castilho Moreira. Campinas: Ed. Unicamp, 2010.

HOBBES, T. Leviatã. Tradução: João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Abril, 1997.

HOBBES, T. Leviathan. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

HOBBES, T. Man and citizen (de homine and de cive). Edited by Bernard Gert. Hackett Publishing Company: Indianápolis; Cambridge, 1991.

JESSEPH, D. M. Hobbes and the method of natural science. In: SORELL, T. (ed.). The Cambridge companion to Hobbes. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 86-107.

LANG, A. F.; SLOMP, G. Thomas Hobbes: theorist of the law. Critical review of international social and political philosophy, vol. 19, n.1, 1-11, 2016.

LEBRUN, G. Hobbes e a instituição da verdade. In: LEBRUN, G. A filosofia e sua história. São Paulo: Cosacnaify, 2006, p. 297-327.

LISBOA, W. B. Razão, história e justificação da lei civil segundo Thomas Hobbes. Revista sequência, Florianópolis, n. 57, p. 115-130, dez. 2008.

SORELL, T. Hobbes. London: Routledge, 1991.

SORELL, T. Hobbes’s moral philosophy. In: SPRINGBORG, P. (Ed.). The Cambridge companion to Hobbes’s leviathan. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. p. 128-153.

SORELL, T. (Ed.). The Cambridge companion to Hobbes. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

STOLLEIS, M. The legitimation of law through god, tradition, will, nature and constitution. In: DASTON, L.; STOLLEIS, M (Org.). Natural law and laws of nature in early modern europe: jurisprudence, theology, moral and natural philosophy. Surray: Ashgate, 2008.

STRAUSS, L. Natural right and history. Chicago: Chicago University Press, 1953.

TAYLOR, A. E. The ethical doctrine of Hobbes. Philosophy, n. 13, p. 406-424, 1938.

TUCK, R. Hobbes’s moral philosophy. In: SORELL, T. (ed.). The Cambridge Companion to Hobbes. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 175-207.

TUCK, R. Hobbes. São Paulo: Edições Loyola, 1989.

TUCK, R. Natural rights theories. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

WARRENDER, W. The political philosophy of Hobbes: his theory of obligation. Oxford: Clarendon Press, 1957.

WOLIN, S. S. Hobbes y la tradición épica de la teoría política. Madrid: Editorial Foro Interno, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-16

Edição

Seção

Dossiê Hobbes e Espinosa: estado, poder, religião e liberdade