Promoção do desenvolvimento infantil na escola através de atividades motoras recreativas

Raysa Maldonado Lima, Marina Segala, Claudia Morais Trevisan

Resumo


A ação de extensão teve como objetivos: investigar o perfil do desenvolvimento motor, propor atividades recreativas que estimulassem a aquisição e aperfeiçoamento das habilidades motoras fundamentais e analisar o impacto da mudança no plano curricular pedagógico da escola. As atividades foram realizadas uma vez por semana no período de 2010 a 2013 na Escola Municipal de Educação Infantil Ady Schneider Beck, Santa Maria, RS. Participaram da ação crianças de 03 a 06 anos, matriculadas regularmente na escola e com TCLE assinado pelo responsável. Após a proposta de estimulação, houve um ganho em 74% de aperfeiçoamento nas atividades motoras quando comparadas à avaliação inicial. A ação de extensão auxiliou no desenvolvimento neuromotor de crianças com atrasos, refletindo na implementação das atividades do projeto no currículo pedagógica da escola, elucidando a importância da extensão universitária.


Palavras-chave


Extensão Universitária; Desenvolvimento Neuromotor Infantil; Estimulação Motora

Texto completo:

PDF

Referências


CAETANO, M. J. D.; SILVEIRA, C. R. A. GOBBI, L. T. B. Desenvolvimento motor de pré-escolares no intervalo de 13 meses. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 05-13, 2005.

CASATE, J. C.; CORRÊA, A. K. Humanização do atendimento em saúde: conhecimento veiculado na literatura brasileira de enfermagem. Revista Latinoamericana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 1, p. 105-11, 2005.

FERREIRA, M. C. R.; RAMON, F.; SILVA, A. P. S. Políticas de atendimento à criança pequena nos países em desenvolvimento. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 115, p. 65-100, 2002.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2005.

GODALL, T. 150 propostas de atividades motoras para a educação infantil: (de 3 a 6 anos). Porto Alegre: Artmed; 2004.

KISHIMOTO, T. M. et al. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, L. O. et al. Associações entre atividade física, habilidades e coordenação motora em crianças portuguesas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v.13, n.1, p. 15-20, 2011.

MAFORTE, J. P. G. et al. Análise dos padrões fundamentais de movimento em escolares de sete a nove anos de idade. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 195-204, 2007.

NOGUEIRA, M. das D. P (org.). Extensão universitária: diretrizes conceituais e políticas. Documentos básicos do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (1987-2000). Belo Horizonte: PROEX-UFMG, 2000. 196 p.

PONTE, C. I. R. V. et al. A extensão universitária na Famed/UFRGS: cenário de formação profissional. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeira, v. 33, n. 4, p. 527 – 534, 2009.

RIZZETTI, D. A.; FABBRIN, A. P. A.; TREVISAN, C. M. Políticas Públicas de Saúde para a criança em Santa Maria-RS. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 22, n. 4, p. 225-232, 2009.

SANTOS, S.; DANTAS, L.; DE OLIVEIRA J. A. Desenvolvimento motor de crianças, de idosos e de pessoas com transtornos da coordenação. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v.18, p. 33-44, 2004.

TORQUATO, J. A. et al. Prevalência de atraso do desenvolvimento neuropsicomotor. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 259-268, 2011.

WILLRICH, A.; DE AZEVEDO, C. C. F.; FERNANDES, J. O. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Revista de Neurociências, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 51-56, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2016v13n24p105



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.