A psicologia como mediadora na formação de jovens leitores

Ana Cláudia Fagundes Miguel de Souza, Gabriela de Sousa Gibim, Cláudia Aparecida Valderramas Gomes

Resumo


Este texto relata o trabalho realizado por graduandas de Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras de Assis – Unesp, por meio de uma experiência de ação mediadora do contato de adolescentes com a leitura, realizada entre 2013-2014 em uma entidade assistencial. Para tanto, optou-se pela Psicologia Histórico-Cultural e por elementos da pedagogia de Paulo Freire como referências teóricas para as ações práticas: oficinas que abordaram a leitura de maneira alternativa ao modelo escolar tradicional, possibilitando a compreensão deste campo de saber por meio da relação interpessoal grupal. Os resultados desta experiência indicam que a Psicologia pode contribuir como mediadora em espaços educativos valorizando e enriquecendo a relação com esse elemento fundamental da cultura humana que é a leitura. Outrossim, reitera-se a importância de o psicólogo conhecer as limitações das práticas escolares tradicionais, que têm comprometido a formação crítica dos estudantes, de modo a poder contribuir para a mudança desse quadro.


Palavras-chave


Psicologia; Leitura; Adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências


ARENA, D. B. O ensino da ação de ler e suas contradições. Revista Ensino em Re-vista, vol. 17, p.237-247 da UFU – Uberlândia-MG Disponível em Acesso em: 02 de outubro de 2014.

BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito da leitura. São Paulo: Ática.7ª edição, 2001

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente/ECA, Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. 7ª Ed. Brasília, DF: Impressa Oficial, 2012.

FERREIRA, E.A.G.R. Construindo histórias de Leitura: A leitura dialógica enquanto elemento de articulação no interior de uma “Biblioteca Vivida. 2009.456 f. Tese (Doutorado em Letras)–

Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido, 17ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, M. T. A. Sites construídos por adolescentes: novos espaços de leitura/escrita e subjetivação. Cad. CEDES vol. 25 n°.65 Campinas Jan./Apr. 2005. p.87-101.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 23 ed., 1989. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, v. 4).

GOMES, C. A. V.; MELLO, S. A. Sobre o lugar do sujeito na atividade de leitura. Amazônida, vol. 1, n. 1. Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, 2007. p. 27-42.

KLEIMAN, A. A concepção escolar da leitura. In:_______ Oficina de leitura: teoria de prática. Campinas: Pontes, 2002. p.15-30.

MARTINS, M. H. O que é leitura? São Paulo: Brasiliense, 1994.

REUEN, A. Práticas pedagógicas que estimulam a leitura. In PARANÁ. O professor PDE e os desafios da escola pública Paranaense - Volume I. Paraná, Governo do estado do Paraná, 2007. Disponível em:

utfpr_port_artigo_adriana_regina_feltrin_rauen.pdf> Acesso em: 20 de Dezembro de 2015.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas III. Madrid: Visor, 1995.

ZILBERMAN, R. Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2016v13n24p153



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.