Percepção da qualidade alimentar entre os usuários de uma clínica-escola no interior da Bahia, Brasil

Alciene Pereira da Silva, Roque Pinto

Resumo


O presente estudo, derivado de atividades de extensão universitária realizadas em uma clínica escola no Estado da Bahia, Brasil, objetiva analisar como a alimentação pode influenciar a saúde da família no âmbito do desenvolvimento de agravos à saúde a partir das escolhas alimentares. As atividades foram executadas no período de seis meses, com um universo de 570 participantes. Verificou-se, no conjunto das pessoas inquiridas, que há um desconhecimento a respeito da natureza e da qualidade dos alimentos industrializados consumidos diariamente e de suas virtuais consequências à saúde. 


Palavras-chave


Consumo Alimentar; Formação em Saúde; Saúde da Família

Texto completo:

PDF

Referências


CANESQUI, A. M. ; GARCIA R. W. D.(org.) Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.

PINHEIRO, A; RECINE, E.; CARVALHO, M F. O que é uma alimentação saudável: considerações sobre o conceito, princípios e características: uma abordagem ampliada. Ministério da Saúde,Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral. Brasília, 2013.

MENDES EV. A APS no Brasil. In: Mendes EV, organizador. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012. p. 71-99.

LAPLANTINE, F. Antropologia da doença. 4ª edição. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

RUCKERT B.; GAIA MCM. Educação Popular, saúde e segurança alimentar em áreas do movimento dos trabalhadores rurais sem terra. Tempus, acta de saúde coletiva, Brasília, 157- 171. 2014.

SCHEK G; BARBIER R.L.; HECK R.M. Processo saúde/ doença e Cuidado em famílias descendentes de pomeranos: contribuições para a enfermagem. Revista de Enfermagem v. 11, n. 11, p.54-62, 2015.

CANESQUI, A. M. Antropologia e alimentação. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 207-216, 1988.

GRAZZINELLI, MF; GRAZZINELLI, A; REIS, DC; PENA, CMM. Educação em Saúde: conhecimentos, representações sociais e experiência da doença. Vol. 22. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 200-206. 2005.

MOREIRA, Sueli Aparecida. Alimentação e comensalidade: aspectos históricos e antropológicos. Cienc. Cult. [online]. 2010, vol.62, n.4 [cited 2016-03-22], pp. 23-26 .

STOTZ, EM. Enfoques sobre a educação e saúde. In: VALLA, V. & STOTZ, E. N. (orgs) Participação popular, Educação e Saúde: teoria e prática. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 11-22. 1993.

WEITZMAN, R. Educação Popular em Educação Alimentar e Nutricional: uma metodologia de formação com enfoque no gênero. Belo Horizonte. Rede de intercâmbio de Tecnologias Alternativas. Belo Horizonte: 2008.

BLEIL. S.I. O Padrão Alimentar Ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil Revista Cadernos de Debate. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da UNICAMP, Vol. VI/ 1-25.

NAKAMURA E.; MARTIN, D.; SANTOS, JFQ.(org). Antropologia para Enfermagem. São Paulo: Manole, 2009.

PINHEIRO, A. Alimentação saudável e a promoção da saúde no contexto da segurança alimentar e nutricional. Revista do CEBES: Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v.29, n. 70, p.125-139, 2005.

SILVA, J.K. et al . Alimentação e cultura como campo científico no Brasil.Physis, Rio de Janeiro , v. 20, n. 2, p. 413-442, 2010.

BORGES, C.C.; JAPUR, M. Promover e recuperar saúde: sentidos produzidos em grupos comunitários no contexto do Programa de Saúde da Família. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v.18, n.9, p. 507-519, Jan/Abr, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n25p84



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.