Tecnologias desenvolvidas pelas instituições de ensino superior para idosos com deficiência

Autores

  • Hundra Prestes de Godoi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Juliana Balbinot Reis Girondi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Darla Lusia Ropelato Fernandez Universidade Federal de Santa Catarina
  • Francisco Reis Tristão Universidade Federal de Santa Catarina
  • Fernanda Rosa de Oliveira Pires Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jordelina Schier Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n27p55

Palavras-chave:

Idoso, Pessoas com Deficiência, Tecnologia em Saúde

Resumo

Introdução: Com o aumento do envelhecimento populacional e das Doenças Crônicas Não Transmissíveis é cada vez mais prevalente pessoas idosas com deficiência. Consoante, as instituições formadoras na área da saúde devem preparar os futuros profissionais para estas demandas desenvolvendo oportunidades de aprendizado e novas tecnologias de cuidado. Objetivo: investigar as tecnologias de cuidado ao idoso com deficiência nas Instituições de Ensino Superior (IES) que oferecem cursos na área da saúde na região da Grande Florianópolis/SC. Método: pesquisa mista exploratório-descritiva realizada com 26 coordenadores de cursos de saúde das IES da Grande Florianópolis/ de novembro/2016 a abril/2017. Os dados foram coletados mediante questionário estruturado e submetidos à análise temática de conteúdo de Minayo. Os resultados foram discutidos à luz da literatura pertinente. Resultados: dos atendimentos realizados 86% dos cursos o desenvolvem somente para idosos e 59% para idoso com deficiência. Quanto aos projetos de pesquisa e extensão 72,7% dos cursos realizam projetos para pessoas idosas e 50% especificamente para idosos com deficiência. No quesito atividades de lazer 23% dos coordenadores responderam que as realizam para o público idoso e 18% ao idoso com deficiência. Conclusões: a maioria dos cursos de graduação na área da saúde desenvolve tecnologias de cuidado relacionadas ao envelhecimento e deficiências, mas relacioná-los ao currículo, pesquisa e extensão ainda são incipientes, considerando a problemática populacional emergente no Brasil. 

Biografia do Autor

Hundra Prestes de Godoi, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas - GESPI/NFR/PEN/UFSC.

Juliana Balbinot Reis Girondi, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catariana. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas - GESPI/NFR/PEN/UFSC.

Darla Lusia Ropelato Fernandez, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catariana, nível Doutorado. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas - GESPI/NFR/PEN/UFSC.

Francisco Reis Tristão, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfemeiro. Discente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, nível Mestrado Profissional. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas - GESPI/NFR/PEN/UFSC.

Fernanda Rosa de Oliveira Pires, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas - GESPI/NFR/PEN/UFSC.

Jordelina Schier, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Enfermagem (2010) e Mestre em Enfermagem (2001) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) (2005). Integrante do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem, Cuidado em Saúde a Pessoas Idosas (GESPI/UFSC). Enfermeira do Hospital Universitário/ UFSC (1991 a 2011). Coordenadora do Núcleo de Estudos da Terceira Idade - NETI/UFSC.

Referências

BASSOLI, Dyjalma Antonio. O coordenador de curso superior de instituições de ensino privadas: análise dos contributos políticos, gerenciais, acadêmicos e institucionais. 2014. 239 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Departamento de Engenharia de Produção, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2014. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18157/tde-17072014-092602/en.php>. Acesso em: 21 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília: Série B. Textos Básicos de Saúde, 2010a. 46 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/>. Acesso em: 5 maio 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. Brasília: MS, 2010b. 21 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br>. Acesso em: 5 maio 2017.

______. Ministério da educação. Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação: Bacharelado e Licenciatura. Brasília: Ministério da Educação, 2010c. 21 p. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/superior/condicoesdeensino/2010/instrumento_reconhecimento_bacharelado_licenciatura3.pdf>. Acesso em: 21 maio 2017.

______. Departamento de atenção básica. Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência. 2012a. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/>. Acesso em: 3 maio 2017.

______.Secretaria especial dos direitos da pessoa com deficiência. Viver sem Limite. Disponível em: <http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/viver-sem-limite>. Acesso em: 07 maio 2017.

CAPELATO, Rodrigo et al (Org.). Mapa do Ensino Superior no Brasil. 5. ed. São Paulo: Assessoria Econômica do Semesp, 2015. 212 p. Disponível em: <http://convergenciacom.net/pdf/mapa-ensino-superior-brasil-2015.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

GIRONDI, Juliana Balbinot Reis et al. A rede de atenção a saúde e de suporte social à pessoa idosa com deficiência na grande Florianópolis e as tecnologias de cuidado. Projeto Fapesc nº 07/2013. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI/Florianópolis/SC), Florianópolis, SC, 2013, 63 p.

JANINI, Janaina Pinto; BESSLER, Danielle; VARGAS, Alessandra Barreto de. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p.480-490, jun. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n105/0103-1104-sdeb-39-105-00480.pdf>. Acesso em: 23 maio 2017.

KOERICH, Magda Santos et al. Tecnologias de cuidado em saúde e enfermagem e suas perspectivas filosóficas. Texto e Contexto, Florianópolis, v. 15, n. 22, p.178-185, out. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v15nspe/v15nspea22.pdf>. Acesso em: 23 maio 2017.

MARTINS, Aline Blayaet al. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria à prática. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 19, n. 8, p.3403-3416, ago. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.13312013.

MARTINS, Leonam. Prevenção de doenças e promoção da saúde na terceira idade. 2016. Disponível em: <http://sbgg.org.br/prevencao-de-doencas-e-promocao-da-saude-na-terceira-idade/>. Acesso em: 23 maio 2017.

MERHY, E. E. et al. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho m saúde. In Merhy, E. E. eOnocko R. (org.) Agir em saúde. Um desafio para o público, 2ª ed. São Paulo: UCITEC, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. 108 p.

NIETSCHE, Elisabeta Albertina et al. Tecnologias inovadoras do cuidado em enfermagem. Revista de Enfermagem da Ufsm, Santa Maria, v. 2, n. 1, p.182-189, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

RESENDE, M.C.; NERI, A.L. Envelhecer com deficiência física: possibilidades e limitações. IN: NERI, A.L. (ORG). Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas: Alínea, 2011. p. 231-250.

SANTA CATARINA. Governo do Estado de Santa Catarina. Secretaria Estadual de Saúde. O que é reabilitação. Disponível em: <http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2165:o-que-e-reabilitacao&catid=813&Itemid=448>. Acesso em: 23 maio 2017.

Downloads

Publicado

2017-12-20