As fases de adaptação no cuidar: intervenções com cuidadores familiares no domicílio

Stefanie Griebeler Oliveira, Michele Rodrigues Fonseca, Maiara Simões Formentin, Andriara Canez Cardoso, Mateus Menezes Ribeiro, Adrize Rutz Porto, Zayanna Christine Lopes Lindôso

Resumo


A partir do Projeto de Extensão “Um olhar sobre o cuidador familiar: quem cuida merece ser cuidado”, realizado com 52 cuidadores de pacientes crônicos dos Serviços de Atenção Domiciliar no sul do Rio Grande do Sul, objetivou-se relatar a experiência da identificação das fases de adaptação do processo de cuidar e intervenções realizadas aos cuidadores no contexto domiciliar. Por meio de quatro visitas domiciliares por acadêmicos de Enfermagem e da Terapia Ocupacional, no período de junho de 2015 a dezembro de 2016, produziu-se registros, nos quais a fase de resolução foi a mais frequente e a escuta terapêutica foi a intervenção mais realizada. Assim, a identificação das fases de adaptação de Ferré-Grau et al. (2011) possibilitou conhecer as necessidades do cuidador e o planejamento de ações de promoção de saúde e prevenção de agravos.


Palavras-chave


Adaptação Psicológica; Cuidadores; Serviços de Assistência Domiciliar

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. M. et al. Visita domiciliar: validação de um instrumento para registro e acompanhamento dos indivíduos e das famílias. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.23, n.1, p. 165-175, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de atenção básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica – Hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013, 130p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 25 abr. 2016.

CORDEIRO, F.R. O retorno ao domicílio em cuidados paliativos: interface dos cenários brasileiro e francês [tese]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017. 262p.

DUARTE, Y. A. O.; DIOGO, M. J. E. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, 2000.

FERRÉ-GRAU, C. et al. Guía de cuidados de Enfermería: Cuidar al cuidador em Atención Primaria. Imprime: Publidisa, 2011.

GUIMARÃES, C. A.; LIPP, M. E. Um olhar sobre o cuidador de pacientes oncológicos recebendo cuidados paliativos. Psicologia: Teoria e prática, v. 11, n.2, p. 50-62, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Guia do cuidador de pacientes acamados / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: INCA, 2010.

MESQUITA, A, C.; CARVALHO, E, C, de.; A escuta terapêutica como estratégia de intervenção em saúde: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem de São Paulo, v. 48, n. 6, p. 1127-1136, 2014.

OLIVEIRA, S.G.; KRUSE, M.H.L. Melhor em Casa: dispositivo de segurança. Texto e Contexto Enfermagem. v.26, n.1, p.1-9, 2017.

OLIVEIRA S.G. et al. Enunciados sobre la atención domiciliaria en el panorama mundial: revisión narrativa. Enfermería global. v.14, n.3, p.375-389, 2015.

OLIVEIRA PM et al. Visão do familiar cuidador sobre o processo de morte e morrer no domicílio. Revista Baiana de Enfermagem. 2016 out-dez;30(4):1-11.

SILVA KL et al. Desafios da atenção domiciliar sob a perspectiva da redução de custos/racionalização de gastos [online]. Revista de Enfermagem da UFPE on line. 2014 jun[citado 2017 jan 24];8(6):1561-7. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/4894

SILVA, R.F.A.; NASCIMENTO, M.A.L. Mobilização terapêutica como cuidado de enfermagem: evidência surgida da prática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 46, n. 2, p. 413-419, Apr. 2012 .

VELLEDA, K. L.; SARTOR, S. F.; OLIVEIRA, S. G. Cuidados paliativos: uma reflexão sobre alternativas em prol do cuidador familiar. In: Seminário Internacional de Bioética e Saúde Pública, 2, 2014, Santa Maria. Anais: II Seminário Internacional de Bioética e Saúde Pública e II Simpósio Internacional de Ética na Pesquisa, 4, 5, 6 e 7 de junho de 2014, Santa Maria. p.227-234.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2018v15n30p104



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.