VER-SUS: percepções dos viventes voltadas ao contexto universitário e social

Aline Santana Figueredo, Aldo Lopes da Costa Júnior, Gustavo de Almeida Santos, Francisco Eduardo Ramos da Silva, Vitor Pachelle Lima Abreu, Wherveson de Araújo Ramos

Resumo


O objetivo do artigo é analisar a percepção dos participantes da primeira edição do VER-SUS Marabá-PA, no que tange ao contexto universitário e social do projeto. Trata-se de um estudo do tipo descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa dos dados. A coleta de dados foi realizada nos meses de janeiro e fevereiro pela ferramenta Google Docs. A análise de dados foi feita através do método de análise qualitativa de Minayo. A partir da análise de dados, emergiram as seguintes categorias: visão pré-vivência; o que penso do SUS de Marabá; impressão sobre as comunidades específicas; VER-SUS como articulador para as ações sociais; e visão pós-vivência. A participação no projeto VER-SUS proporciona quebra de paradigmas e do pensar acadêmico voltado unicamente ao curso, promovendo um olhar para além dos muros da universidade, instigando o questionamento em relação às interações sociais e à maneira de como se faz saúde pautada no Sistema Único de Saúde.


Palavras-chave


Saúde Pública; Acadêmicos; Estágio de Vivência

Texto completo:

PDF

Referências


ATAIDES, R.J.C., BARBOSA, R. L.; RAMOS, T. L.; NETO,A. R. S.; SILVA, F. E. R.; ABREU, V. P. L.A implicação do estágio e vivência na realidade do Sistema Único de Saúde do Maranhão para a formação de futuros profissionais humanizados: um relato de experiência. In: 12º Congresso Internacional da Rede Unida, 1, 2016. Anais.Campo Grande: Rede Unida, 2016. p. 193-276.

BACKES, D.S. et al. O Sistema Único de Saúde idealizado versus o realizado: contribuições da Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v.22, n.6, p.1026-1033, 2014.

CANÔNICO RP, BRÊTAS ACP. Significado do programa vivência e estágios na realidade do Sistema Único de Saúde para formação profissional na área da saúde. Acta Paul Enferm [Internet]. 2008 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v21n2/a04v21n2.pdf

CECCIM, R.B; Feuerwerker, L.C.M.. Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.41- 65, 2004.

CECCIM, R. B., & BILIBIO, L. F. S. Articulação com osegmento estudantil da área de saúde: uma estratégia de inovação na formação de recursos humanos para o SUS. In Ministério da Saúde (Org.), VER-SUS/BRASIL: Cadernos deTextos(pp. 4-19). Brasília, DF: (2004).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

MENDES FMS, FONSECA KA, BRASIL JA, DALBELLO-ARAÚJO M. Ver–Sus: Relato de Vivências na Formação de Psicologia. PsicolCiêncProf [Internet]. 2012 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v32n1/v32n1a13.pdf

NUNES, E.D. Saúde coletiva: uma história recente de um passado remoto. In: Campos GWS, et al (editores). Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo: Hucitec; p.19-40,2006.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia. 5. ed. - São Paulo : Atlas 2003.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21 ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

MINAYO,MCS; GUERRIERO ICZ. Reflexividade como éthos da pesquisa qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, 19(4):1103-1112, 2014. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n4/1413-8123-csc-19-04-01103. Acesso em 25 de Abril de 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2019v16n33p76



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.