Caracterização da piscicultura familiar na região do baixo Parnaíba - Araioses/MA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n36p41

Palavras-chave:

Agricultura familiar, Produção de peixes, Qualidade da água

Resumo

Este estudo objetivou caracterizar as pisciculturas no município de Araioses/MA, visando subsidiar estratégias para o desenvolvimento da atividade na região. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, para o levantamento de dados socioeconômicos, de produção e comercialização, além da realização de palestras de capacitação. Entre os entrevistados, 81% se declararam do gênero masculino e 63% utilizam mão de obra familiar. Nas criações prevalecem os viveiros escavados onde as principais espécies criadas são a tambatinga (44%) e a tilápia (35%) alimentadas com ração comercial duas vezes ao dia (56%). A comercialização ocorre na própria comunidade quando os peixes atingem entre 250-400 g. Os parâmetros de qualidade de água na criação apresentaram-se adequados, com exceção da salinidade. É dominante o trabalho individual e informal, com limitações em relação à gestão, planejamento e manejo geral da atividade. A partir das ações de capacitações (palestras e orientações in loco), acredita-se ter contribuído em relação ao manejo que os criadores vinham realizando. Apresentam deficiência de recursos, de infraestrutura e assistência técnica. Estes últimos fatores permitem compreender o porquê do abandono da atividade por parte significativa de piscicultores. No entanto, apesar dos problemas técnicos e de gestão identificados, a piscicultura mostrou importância na diversificação da renda e segurança alimentar da família dos piscicultores assistidos.

 

Biografia do Autor

Jane Mello Lopes, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (1988), mestrado em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (1998) e doutorado em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2003). Atualmente é professora adjunto na Universidade Federal do Maranhão. 

Maecio Dennis Costa dos Santos, Universidade Federal do Maranhão

Graduando em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Maranhão.

Antonia Mara Nascimento Gomes, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual do Maranhão (2017) e especilalização em Agronomia pela Faculdade Dom Alberto (2020). Atualmente é servidora pública federal na Universidade Federal do Maranhão, atuando como Técnica em Agropecuária.

Francisca Erica do Nascimento Pinto, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual do Maranhão (2015) e especilalização em Educação Ambiental e Sustentabilidade pelo Centro Universitário Internacional (2017). Atualmente é servidora pública federal na Universidade Federal do Maranhão, atuando como Engenheira Agronôma.

André Wallas da Silva Sousa, Instituto Federal de Educação do Maranhão

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí (2006), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí. Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. Atua na área de Filosofia com ênfase em Ética, Filosofia política e Metáfisica.  

Nataline Carneiro Marques, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Zootecia pela Universidade Federal do Maranhão.

Referências

ANDRADE, G. Q.; BISPO, E. S.; DRUZIAN, J. I. Avaliação da qualidade nutricional em espécies de pescado mais produzidas no Estado da Bahia. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 29, n 4, p. 721-726, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cta/v29n4/04.pdf. Acesso em 16 de jun. de 2019.

ARAÚJO, J. S.; SÁ, M. F. P. Sustentabilidade da piscicultura no baixo São Francisco alagoano: condicionantes socioeconômicos. Revista Ambiente & Sociedade, Campinas, v.11, n. 2, p. 405-424, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2008000200013. Acesso em 18 de maio de 2019.

BACCARIN, A. E. et al. Piscicultura em comunidade remanescente de quilombo: um estudo de caso. Revista Informações Econômicas, São Paulo, v. 39, n. 11, p. 42-47, 2009. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/publicacoes/ie/2009/tec4-1109.pdf. Acesso em 16 de maio de 2019.

BALDISSEROTTO, B. Fisiologia de peixes aplicada a piscicultura. 3. ed. Santa Maria: Editora da UFSM, 2013. 352 p.

BARBOSA, H. T. B.; PANTOJA-LIMA, J. Características da piscicultura em Presidente Figueiredo, Amazonas. Revista Igapó-Revista de Educação Ciência e Tecnologia do IFAM, Amazonas, v. 10, n. 1, p. 103-113, 2016. http://200.129.168.183/ojs/index.php/igapo/article/view/440/367. Acesso em 12 de jul. de 2019.

BARROS, A. F. de; ESPAGNOLI, M. I. G. M.; SOUZA, O. M. de. Caracterização da piscicultura na microrregião da baixada cuiabana, Mato Grosso, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 261-273, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Plano territorial de desenvolvimento rural sustentável. São Luís, maio, 2005. Disponível em: http://sit.mda.gov.br/download/ptdrs/ptdrs_territorio020.pdf. Acesso em 25 de set. de 2018.

BRASIL Secretaria Especial da Aquicultura e Pesca. Casos de Sucessos da Aquicultura no Brasil. Publicação de circulação nacional. Brasília- DF. 96 p., 2010a.

BRASIL Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim estatístico da pesca e aquicultura. 60 p. 2010b.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos cinquenta anos. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 45-65, 2014.

CARVALHO, H. R. L. de; SOUZA, R. A. L.; CINTRA, I. H. A aquicultura na microrregião do Guamá, Estado do Pará, Amazônia Oriental, Brasil. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, Amazonas, v. 56, n. 1, p. 1-6, 2013.

CORRÊA, R.; MOTA, D.; MEYER, G. Tipologia da piscicultura familiar no nordeste paraense. Revista Agrotrópica, Bahia, v. 22, n.2, p. 75-88, 2010.

DOTTA, G.; PIAZZA, R.S. Manejo e Sanidade no cultivo. Curitiba. Instituto Federal do Paraná. 2012. 316p.

ELIAS, L.P. et al. Impactos socioeconômicos do Programa Nacional de Alimentação Escolar na agricultura familiar de Santa Catarina. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 57, n. 2, p. 215-233, 2019.

ESTEVÃO-RODRIGUES, T. T.; LIMA, J. P.; ESTEVÃO-RODRIGUES, T. D. Piscicultura familiar, assistência técnica e práticas de manejo colheita e pós colheita: estudo de caso da região metropolitana de Manaus – Amazonas, Brasil. Revista Observatorio de la Economía Latinoamericana, Brasil, 2017. Disponível em: http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/17/piscicultura.html. Acesso em 22 de abr de 2019.

FAO¬. Entre la acuicultura de los 'mas pobres' y la de los 'menos pobres'. Documento de Campo, n. 18. México: FAO, 1994.

FAO¬. The state of world fisheries and aquaculture: opportunities and challenges. Rome: FAO, 2016. 243 p.

FILHO, F. L. C. et al. Relatório diagnóstico do município de Araioses.31p. 2011.

IBGE. Araioses. 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/araioses/panorama. Acesso em 02 de jul. de 2019.

IZEL, A. C. U.; MELO, L. A. S Criação de tambaqui (Colossoma macropomum) em tanques escavados no Estado do Amazonas. Manaus: Embrapa Amazônia Ocidental, 2004. 19p. Documentos, 32.

IWASHITA, M. K. P.; MACIEL, P.O. Princípios básicos de sanidade de peixes. In: Piscicultura de água doce: Multiplicando conhecimentos/ Editores Técnicos, Ana Paula O. Rodrigues... [et al.] Brasília. DF Embrapa, 2013, 440p.

LEIRA, M. H. et al. Qualidade da água e seu uso em pisciculturas. PUBVET, Londrina, v.11, n.1, p.11-17, jan. 2017. Disponível em: pubvet.com.br/artigo/3588/qualidade-da-aacutegua-e-seu-uso-em-pisciculturas. Acesso em 18 de out. de 2019.

LIMA, A. F.; BERGAMIM, G. T.; MORO, G.V. Engorda de peixes. In: Piscicultura de água doce: Multiplicando conhecimentos/ Editores Técnicos, Ana Paula O. Rodrigues... [et al,] Brasília. DF Embrapa, 2013, 440p.

MACEDO, C. F.; SIPAÚBA-TAVARES, L. H. Eutrofização e qualidade da água na piscicultura: consequências e recomendações. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 149-163, 2010.

MARTINS, A. I. S. A taipa de pilão como método construtivo de casas populares. II Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís – MA, 23 a 26 de agosto 2005.

MEANTE, R. E. X; DÓRIA, C. R. da C. Caracterização da cadeia produtiva da piscicultura no estado de Rondônia: desenvolvimento e fatores limitantes. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, Porto velho, v. 9, n. 4, p. 164-181, 2017. Disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/rara/article/view/2617/2214. Acesso em 17 de set. de 2019.

MEDEIROS JÚNIOR, E. F. de; CORDEIRO, G. L.; SILVA, M. J. L. da. Qualidade da água em viveiros de tambaqui (Colossoma macropomum) (CUVIER, 1818), em São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, Brasil. Revista Igapó - Revista de Educação Ciência e Tecnologia do IFAM, Amazonas, v. 12, n. 1, p. 22-31, 2018. Disponível em: http://200.129.168.183/ojs/index.php/igapo/article/viewFile/597/481. Aceso em 10 de jun. de 2019.

MELO, A. X. de et al. A estratégia de dominação pelos custos na piscicultura sul-mato-grossense: o caso da região de Dourados/MS. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 6, n. 1, 2010. Disponível em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/259. Acesso em 12 de jun. de 2019.

MORAIS, C. A. et al. Produção de alface (Lactuca sativa) em sistema compacto de aquaponia contendo juvenis 35 de tambaqui (Colossoma macropomum). 2014. In: Anais do Congresso Aquaciência / Foz do Iguaçu, Paraná.

NAKAUTH, A. C. S. S.; NAKAUTH, R. F.; NÓVOA, N. A. C. B. Caracterização da piscicultura no município de Tabatinga-AM. Revista Igapó-Revista de Educação Ciência e Tecnologia do IFAM, Amazonas, v. 9, n. 2, p. 54-64, 2015. Disponível em : http://200.129.168.183/ojs/index.php/igapo/article/view/311/289. Acesso em 18 de nov. de 2019.

OLIVEIRA, N. I da S. de; FLORENTINO, A. C. Avaliação socioeconômica dos piscicultores do município de Porto Grande, Amapá, Brasil. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 40, p. 31, 2018.

PEIXE BR. Anuário brasileiro da piscicultura. Associação brasileira de piscicultura. Pinheiros-SP, 136p. 2019. Disponível em: https://www.peixebr.com.br/anuario-2020/. Acesso em 24 de julho de 2020.

RIBEIRO-NETO, T. F. et al. Piscicultura familiar extensiva no baixo São Francisco, estado de Sergipe, Brasil. Acta of Fisheries and Aquatic Resources, Sergipe, v. 4, n. 1, p. 62-69, 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/ActaFish/article/view/3020/4409. Acesso em 15 de maio de 2019.

SCORVO FILHO, J.D. Panorama da Aqüicultura Nacional - Instituo de Pesca de São Paulo. 2007. Disponível em: http://www.pesca.sp.gov.br/. Acesso em 08 de julho de 2020.

SEYMOUR, R. S.; WEGNER, N.C.; GRAHAM, J. B. 2008. Body size and the air-breathing organ of the atlanticus tarpon Megalops atlanticus. Comparative biochemistry and Physiology. Part A: Molecular & Integrative Physiology, 150. 282- 287.

SILVA, A. P. da et al. Diagnóstico participativo da piscicultura familiar na região de Divinópolis/TO: Uma abordagem diferenciada para ações de pesquisa e desenvolvimento. Embrapa Pesca e Aquicultura. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E), 92 p., 2013. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/982655/1/bpd2.pdf. Acesso em 19 de outubro de 2019.

SIQUEIRA, T. V. de. Aquicultura: a nova fronteira para produção de alimentos de forma sustentável. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Rio de Janeiro, v. 25, n. 49, p. 119-170, jun. 2018. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstream/1408/16085/1/PRArt_Aquicultura%20a%20nova%20fronteira_compl.pdf. Acesso em 22 de julho de 2020.

SCHULTER, E.P.; VIEIRA FILHO, J.E.R. Evolução da piscicultura no brasil: Diagnóstico e desenvolvimento da cadeia produtiva de tilápia. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 1990- ISSN 1415-4765. 2017. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8043/1/td_2328.pdf. Acesso em: 27 de julho de 2020.

TROMBETA, T. D.; TROMBETA, R. D.; MATTOS, B. O. Criação de tilápias em viveiros escavados: guia técnico para empreender na criação de tilápias em viveiros. Brasília: Projeto Aqui Nordeste/SEBRAE. 2015. 96 p

ZACARDI, D. M. et al. Caracterização socioeconômica e produtiva da aquicultura desenvolvida em Santarém, Pará. Acta of Fisheries and Aquatic Resources, Sergipe, v. 5, n. 3, p. 102-112, 2017. Disponível em : https://seer.ufs.br/index.php/ActaFish/article/view/6491/6407. Acesso em: 15 de maio de 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-21