A posição da extensão universitária no espaço acadêmico brasileiro: aspectos legais e campo de lutas

Autores

  • Anne Lizabelle Leite Duarte Mascarenhas Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Márcia Regina Farias da Silva Universidade do Estado Rio Grande do Norte
  • Maria Betânia Ribeiro Torres Universidade do Estado Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e70021

Palavras-chave:

Extensão universitária, Espaço acadêmico Brasileiro, Bourdieu

Resumo

Discutiremos influências e compreensões relacionadas à posição da extensão universitária no espaço acadêmico brasileiro. Deste modo, através de uma abordagem qualitativa, por meio de pesquisa bibliográfica e documental, versaremos sobre os aspectos em torno do surgimento e reconhecimento da extensão para formação universitária e canal de relacionamento com a sociedade. Propomos realizar uma análise dos percursos normativos que cercam a extensão universitária, e, posteriormente, refletir sobre a apropriação e implementação em torno da posição e rumos no espaço acadêmico brasileiro tomando como subsídio a teoria de campo e habitus de Bourdieu. Por fim, discorreremos sobre as crises que o ensino público universitário vem sendo acometido em um contexto de hegemonia do capital global, reconhecendo, nesta conjuntura, a importância da extensão, mesmo diante de limitações, como instrumento que pactue compromisso com a sociedade para além dos interesses de mercado, e capaz de aliar a construção de conhecimentos ao favorecimento da coletividade. 

Biografia do Autor

Anne Lizabelle Leite Duarte Mascarenhas, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2005). Atualmente é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Márcia Regina Farias da Silva, Universidade do Estado Rio Grande do Norte

Doutora em Ecologia Aplicada pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Gestão Ambiental, do Programa de Pos-Graduação em Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas, na Universidade do Estado Rio Grande do Norte.

 

Maria Betânia Ribeiro Torres, Universidade do Estado Rio Grande do Norte

Licenciada em Ciências Sociais pela Faculdade Frassinetti do Recife (1989), mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2003), doutora em ciências sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professora adjunta IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Faculdade de Ciências Econômicas/Departamento de Gestão Ambiental. 

Referências

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Capital simbólico e classes sociais. Novos estudos - Cebrap, n. 96, p. 105-115, São Paulo, 2013.

BOURDIEU, Pierre. Sociologia. Renato Ortiz (org.). São Paulo: Ática, 1983a.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia, p. 122- 155. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1983b.

BOURDIEU, Pierre. Estruturas sociais e estruturas mentais. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 3, p. 113-119, 1991.

BOURDIEU, Pierre. O campo econômico. Política & Sociedade, 6: (tradução de "Le champ économique". Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 119: 48-66, 1997).

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: Sobre a teoria da Ação. Campinas/SP: Papirus, 2008. 9ª ed.

BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Petrópolis, Vozes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo, Brasiliense, 2004.

BRASIL, Resolução CNE/CES nº 7, de 18 de dezembro de 2018 que Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação - PNE 2014-2024 e dá outras providências; BRASÍLIA: MEC, 2018.

BRASIL, Portaria n° 1.350, publicada no D.O.U. de 17/12/2018, Seção 1, Pág. 34: Homologação do Parecer do CNE; BRASÍLIA: MEC, 2018.

DE ANDRADE, Thales Haddad Novaes e Incrocci, Lígia Maria de Mendonça Chaves. O fortalecimento da extensão no campo científico: uma análise dos editais ProExt/MEC. Revista Sociedade e Estado – Volume 33, Número 1, Janeiro/Abril 2018.

Mendonça, Ana Waleska P.C. A universidade no Brasil. Rev. Bras. Educ. no.1, Rio de Janeiro, May/Aug. 2000

RIBEIRO, Renato Janine. A universidade e a vida atual: Fellini não via filmes. Rio de Janeiro: Editora Campus/Elsevier, 2003.

SOUSA, Ana Luisa Lima. A história da Extensão Universitária. Campinas, SP: Alínea, 2010.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. Porto: Afrontamento, 1995.

SANTOS, B. S. A Universidade no século XXI. São Paulo: Cortez Editora, 2004.

SANTOS, B. S. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 5ª ed. São Paulo: Cortez; 2008.

ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

TOSCANO, Geovânia da Silva. Extensão Universitária e Formação Cidadã: a UFRN e a UFBA em Ação. Natal, RN: 2006.

Downloads

Publicado

2021-04-28