Relação entre conhecimento materno sobre rotulagem de alimentos e consumo de ultraprocessados em crianças e adolescentes atendidos em um projetos de extensão universitária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n37p2

Palavras-chave:

Rotulagem de alimentos, alimentos ultraprocessados, Programa de Ação Socioeducativa.

Resumo

O objetivo desse estudo foi verificar a associação entre o conhecimento materno sobre rotulagem e o consumo de alimentos ultraprocessados em crianças e adolescentes participantes de um Programa de Ação Socioeducativa. A amostra foi realizada por conveniência, totalizando 21 participantes. Um questionário padronizado sobre rotulagem foi utilizado com as mães e foram aplicados 2 recordatórios alimentares de 24h com as crianças/adolescentes. O consumo de alimentos ultraprocessados em gramas, kcal e percentual de kcal foi quantificado em relação ao consumo energético total. Verificou-se que a mediana de consumo de kcal provenientes de alimentos ultraprocessados e gramas desses alimentos foram maiores entre os filhos de mães que disseram não ter o hábito de ler os rótulos dos alimentos. Pode-se concluir que ações educativas que promovam maior conhecimento e interpretação de rótulos são necessárias para melhores escolhas alimentares.

Biografia do Autor

Simone Barbara Jungblut, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Graduação em Nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Paula Dal Bó Campagnolo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutorado em Ciências da Saúde pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (2011). Professora do Curso de Graduação em Nutrição e do Mestrado Profissional em Nutrição e Alimentos da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Manual de orientação aos consumidores: educação para o consumo saudável. Brasília (DF): Ministério da Saúde; Universidade de Brasília, 2005. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/ documents/33916/396679/manual_consumidor.pdf/e31144d3-0207-4a37-9b3b-e4638d48934b. Acesso: 30 out. 2019.

BENDINO, N. I.; POPOLIM, W. D.; OLIVEIRA, C. R. Á. Avaliação do conhecimento e dificuldades de consumidores frequentadores de supermercado convencional em relação à rotulagem de alimentos e informação nutricional. J Health Sci Inst, v. 30, n. 3, p. 261-5, 2012. Disponível em: https://www3.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/ edicoes/2012/03_jul-set/V30_n3_2012_p261a265.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 259 de 20 de setembro de 2002.Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2012. Seção 1, p. 33. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/RDC_ 259_ 2002.pdf/e40c2ecb-6be6-4a3d-83ad-f3cf7c332ae2. Acesso em: 05 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_ populacao_brasileira_2ed.pdf. Acesso em: 10 set. 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política nacional de assistência social PNAS/2004. Norma operacional básica NOB/SUAS. Brasília, DF, 2009. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/ Normativas/PNAS2004.pdf.Acesso em: 13 out. 2018.

BUYUKTUNCER, Z.; AYAZ, A.; DEDEBAYRAKTAR, D.; NAN-EROGLU, E.; ELLAHI, B.; BESLER, B.T. Promoting a Healthy Diet in Young Adults: The Role of Nutrition Labelling. Nutrients, v. 10, n. 1335, p. 1-12, 2018.

CAMPBELL, K. J.; ABBOTT, G.; SPENCE, A. C.; CRAWFORD, D. A.; Crawford,MCNAUGHTON, S. A.; BALL, K. Home food availability mediates associations between mothers’ nutrition knowledge and child diet. Appetite, v. 71, n. 1, p. 1-6, 2013.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (CNS). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/ 2013/res0466_12_12 _2012.html. Acesso em: 15 nov. 2018.

KAC, G.; SICHIERI, R.; GIGANTE, D. P. Epidemiologia nutricional. Rio de Janeiro: Fiocruz; Atheneu, 2007.

LENG , G.; ADAN, R. A. H.; BELOT, M.; BRUNSTROM, J. M.; GRAAF, K.; DICKSON, S. L.; HARE T.; MENZIES, J.; PREISSL, H.; REISCH, L. A.; ROGERS, P. J.; SMEETS, P. A. M. The determinants of food choice. Proceedings of the Nutrition Societyv. 76, n. 3, p. 316–327, 2017.

LOUZADA, M. L. C.; BARALDI, L. G.; STEELE, E. M.; MARTINS, A. P.; CANELLA, D. S.; MOUBARAC, J. C.; LEVY, R. B.; CANNON, G.; AFSHIN, A.; IMAMURA, F.; MOZAFFARIAN, D.; MONTEIRO, C.A. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Preventive Medicine, v. 81, p. 9-15, 2015.

LOVELACE, S.; RABIEE-KHAN, F. Food choices made by low-income households when feeding their pre-school children: a qualitative study. Matern Child Nutr., v. 11, n. 4, p.870-881, 2015.

MARZAROTTO, B.; ALVES, M. K. Leitura de rótulos de alimentos por frequentadores de um estabelecimento comercial. Ciência e Saúde, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 102-108, 2017. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/24220/15600. Acesso em 28 out. 2019.

MILLER, L. M. S.; CASSADY, D. L. The effects of nutrition knowledge on food label use. A review of the literature.Appetite, v. 92, p. 207-216, 2015a. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4499482/pdf/nihms699704.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

MILLER, L.M.; CASSADY, D. L.; APPLEGATE, E. A.; BECKETT, E. A.; WILSON, M. D.; GIBSON, T. N.; ELLWOOD, K.Relationships among food label use, motivation, and dietary quality. Nutrients, v. 7, n. 2, p. 1068–1080, 2015b.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; LEVY, R.B.; CLARO, R.; MOUBARAC, J.C. The food system. Ultra-processing. The big issue for nutrition, disease, health, well-being. World Nutr,v.3, n.12, p.527-569, 2012.

NASCIMENTO, C.; RAUPP, S. M. M.; TOWNSEND, R. T.; BALSAN, G. A.; MINOSSI, V. Conhecimento de consumidores idosos sobre rotulagem de alimentos. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 4, p. 144-147, 2013. Disponível em: http://www.ppgcardiologia.com.br/wp-content/uploads/2014/05/Conhecimento-de-consumidores-idosos-sobre-rotulagem-de-alimentos.pdf. Acesso em: 28 out. 2019.

NCD RISK FACTOR COLLABORATION. Trends in adult body-mass index in 200 countries from 1975 to 2014: a pooled analysis of 1698 population-based measurement studies with 19.2 million participants. Lancet, London, v. 387, p.1377-1396, 2016. Disponível em: https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S0 140-6736%2816%2930054-X. Acesso em: 25 abr. 2019.

PHILIPPI, S. T. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. 6. ed. São Paulo: Manole, 2018.

PINHEIRO, A. B. V.; LACERDA, E. M. A.; BENZECRY, E. H.; GOMES M. C. S.; COSTA, V. M.. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. 5. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2005.

PINTO, S. P.; SILVA, R. C. R.; PRIORE, S. E.; ASSIS, A. M. O.; PINTO, E. J. Prevalência de pré-hipertensão e de hipertensão arterial e avaliação de fatores associados em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 6, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n6/ 04.pdf. Acesso em: 25 abr. 2019.

RAUBER, F.; CAMPAGNOLO, P.D.; HOFFMANN, D.J.; VITOLO, M. R.. Consumption of ultra-processed food products and its effects on children's lipid profiles: a longitudinal study. Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Diseases, n. 25, n. 1, p. 116-122, 2014.

RUSSELL, C.G.; WORSLEY, A.; LIEM, D.G. Parents' food choice motives and their associations with children's food preferences. Public Health Nutr., v. 18, n. 6, p. 1018-1027, 2015.

SPARRENBERGER, K. FRIEDRICH, R. R.; SCHIFFNER, M. D.; SCHUCH, I.; WAGNER, M. B. Ultra-processed food consumption in children from a Basic Health Unit. Jornal de Pediatria, [S.l.], v. 91, n. 6, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v91n6/0021-7557-jped-91-06-0535.pdf. Acesso em: 25 abr. 2019.

TAVARES, L. F.; FONSECA, S. C.; GARCIA ROSA, M. L.; YOKOO, E. M. Relationship between ultra-processed foods and metabolic syndrome in adolescents from a brazilian family doctor program. Public Health Nutrition, Cambridge, v. 15, n. 1, p. 82-87, 2011. Disponível em: https://www. cambridge.org/core/services/aop-cambridge-core/content/view/198EA399730DBF2C5488F0F1360C9B6D/S136898001 1001571a.pdf/relationship_between_ultraprocessed_foods_and_metabolic_syndrome_in_adolescents_from_a_brazilian_family_doctor_program.pdf. Acesso em: 25 abr. 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP. Tabela brasileira de composição de alimentos - TACO. 4. ed. rev. e ampl. Campinas: UNICAMP/NEPA, 2011. 161 p. Disponível em: https://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf. Acesso em: 19 de dezembro de 2019.

VILLA, J. K. D.; SILVA, A. R.; SANTOS, T. S. S.; RIBEIRO, A. Q.; PESSOA, M. C.; SANT’ANA, L. F. R.Padrões alimentares de crianças e determinantes socioeconômicos, comportamentais e maternos. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 302-209, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v33n3/0103-0582-rpp-33-03-0302.pdf

. Acesso em: 25 set. 2018.

YEE, A.Z.; LWIN, M.O.; HO, S.S.The influence of parental practices on child promotive and preventive food consumption behaviors: a systematic review and meta-analysis.Int J Behav Nutr Phys Act., v. 14, n. 1, p. 47, 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-17