Vínculos estabelecidos por equipes de saúde da família junto a contexto sociocomunitário de crianças e adolescentes

Autores

  • Aline Guerrero Zanetti Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Mariana Aparecida de Assis Campos Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Alana Fernandes Ribeiro Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Luana Tamires da Silva Alves Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Michelle Carvalho de Souza Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Fernanda Carolina Camargo Universidade Federal do Triângulo Mineiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e71476

Palavras-chave:

Saúde da Criança, Saúde do Adolescente, Relações Familiares, Apoio Social, Rede Social

Resumo

Objetiva-se analisar como equipes de saúde da família reconhecem o contexto social de famílias com crianças e adolescentes e como se vinculam com essas estruturas sociocomunitárias. Estudo observacional, exploratório, junto a três equipes de saúde da família que contavam com o trabalho do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Realizou-se observação ativa do território e entrevistas semiestruturadas com as equipes, entre julho a setembro de 2018. Foi avaliado vínculo que essas equipes apresentavam com o contexto social. Foram identificados 43 equipamentos sociais. Agentes comunitários de saúde compuseram o maior número de respondentes (35%);82,3% participantes relataram vínculos significativos com todos os serviços de educação formais e com a maioria dos serviços de saúde formais. Vínculos inexistentes foram atribuídos à falta de relações cotidianas com recursos formais e informais do território. Este estudo contribui para a compreensão das relações sociocomunitárias, incluindo a perspectiva da intervenção intersetorial para ampliação da resolutividade do cuidado.

Biografia do Autor

Aline Guerrero Zanetti, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Nutricionista. Residente do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Mariana Aparecida de Assis Campos, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Fisioterapeuta. Residente do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Alana Fernandes Ribeiro, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Nutricionista. Residente do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Luana Tamires da Silva Alves, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Enfermeira. Residente do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Michelle Carvalho de Souza, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Nutricionista. Residente do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Fernanda Carolina Camargo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Enfermeira. Doutora em Atenção à Saúde. Tutora do Programa de Residências Integrada Multiprofissional e em Área Profissional Da Saúde (PRIMAPS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

CAMARGO, F. C.; GARCIA, L. A. A.; WALSH, I. A. P. de; EMILIO, M. M.; COELHO, V. H. M.; PEREIRA, G. de A. Formação para o trabalho na estratégia saúde da família: experiência da residência multiprofissional em saúde. RevEnferm Atenção Saúde, Uberaba, v. 7, n. 1, p. 190-9, jan./jul. 2018. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/2127. Acesso em: 14 mar. 2019.

CUNHA, E. P.; SILVA, E. D.; GIOVANETTI, M. A. G. C. (org.). Enfrentamento à violência sexual infanto-junevil: expansão do PAIR em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. Disponível em: http://pair.ledes.net/gestor/titan.php?target=openFile&fileId=214. Acesso em: 10 abr. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES. Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Gerência de Ensino e Pesquisa. Pesquisa e inovação tecnológica. Uberaba, MG: EBSERH, 2015. Disponível em: http://www2.ebserh.gov.br/web/hc-uftm/setor-de-gestao-da-pesquisa-e-inovacao-tecnologica. Acesso em: 03 maio 2019.

FELDNER, C. B.; CUSSOLIM, F. D.; MARTINS, L. C. N.; FELICIDADE, P. J.; CAMARGO, F. C. La prácticadel enfoque familiar enel contexto de laatención primaria: estudio de caso comparado. Cultura de los Cuidados, Valencia, v. 22, n. 52, p. 142-52, 3er Cuad. 2018. Disponível em: Recuperado de https://rua.ua.es/dspace/bitstream/10045/85354/1/CultCuid_52-142-152.pdf

PAREJA, J. M. D.; GUERRA, F. F.; VIEIRA, S. R.; TEIXEIRA, K. M. D. A produção do espaço e sua relação no processo de saúde - doença familiar. Saúde Soc., São Paulo, v. 25, n. 1, p. 133-44, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n1/1984-0470-sausoc-25-01-00133.pdf. Acesso em: 18 mar. 2019.

PENNAFORT, V. P. S.; QUEIROZ, M. V. O.; NASCIMENTO, L. C.; GUEDES, M. V. C. Rede de apoio social no cuidado familiar da criança com diabetes. RevBrasEnferm., Brasília, DF, v. 69, n. 5, p. 912-9, set./out. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n5/0034-7167-reben-69-05-0912.pdf.

Acesso em: 13 abr. 2019.

PINTO, A. G. A.; JORGE, M. S. B.; MARINHO, M. N. A. de S. B.; VIDAL, E. C. F.; AQUINO, P. de S.; VIDAL, E. C. F. Vivências na Estratégia Saúde da Família: demandas e vulnerabilidade no território. Rev. Bras. Enferm., Brasília, DF, v. 70, n. 5, p. 970-7, set./out. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v70n5/pt_0034-7167-reben-70-05-0920.pdf. Acesso em: 08 maio 2019.

SANTOS, D. S.; MISHIMA, S. M.; MERHY, E. E. Processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para a configuração do modelo de atenção. Ciênc. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 861-70, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n3/1413-8123-csc-23-03-0861.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

SILVA, M. E. A.; MOURA, F. M. de; ALBUQUERQUE, T. M.; REICHERT, A. P. da S.; COLLET, N. Rede de apoio social na doença crônica infantil: compreendendo a percepção da criança. Texto & Contexto Enferm., Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 1-10, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n1/pt_0104-0707-tce-26-01-e6980015.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

SOUZA, J.; ALMEIDA, L. Y. de; VELOSO, T. M. C.; BARBOSA, S. P.; VEDANA, K. G. G. Estratégia de Saúde da Família: recursos comunitários na atenção à saúde mental. Acta Paul. Enferm., São Paulo, v. 26, n. 6, p. 594-600, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v26n6/14.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

UDE, W. Enfrentamento a violência sexual infanto-juvenil e construção de redes sociais produção de indicadores e possibilidades de intervenção. In: CUNHA, E. P.; SILVA, E. M.; GIOVANETI, M. A. C. Enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil: expansão do PAIR em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018. parte I: fundamentos, p. 30-60.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIANGULO MINEIRO. Residência Integrada Multiprofissional em Saúde: projeto pedagógico. Uberaba, MG: UFTM; 2010. Disponível em http://www.uftm.edu.br/lato-sensu/residencia-integrada-multiprofissional-e-uniprofissional/projeto-pedagogico. Acesso em: 12 mar. 2019.

WRIGHT, L.; LEAHEY, M. Enfermeiras e famílias: um guia para a avaliação e intervenção na família. 4. ed. São Paulo: Roca, 2009.

Downloads

Publicado

2021-04-28