A fotografia e a extensão rural - uma reflexão sobre o cotidiano dos pequenos produtores de leite no sul do Brasil

Autores

  • João Luíz Zani Universidade Federal de Pelotas
  • Amanda Krummenauer Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e72178

Palavras-chave:

Arte, Espaço Rural, Extensão rural

Resumo

O projeto “Olhar do cotidiano da atividade rural e das ações extensionistas através das fotografias” utilizou a fotografia como ferramenta artística de desenvolvimento de pensamento crítico e autorreflexão, como forma de autovalorização e promoção de autoestima dos moradores e trabalhadores dos espaços rurais nos municípios de Pelotas e Piratini, RS, Brasil. Foram realizados registros fotográficos, nos anos de 2009 e 2010, das famílias e atividades cotidianas de produtores de leite, seus ambientes de vida e convívio, que foram apresentados mensalmente através de exposições coletivas durante as reuniões técnicas e de troca de experiências que ocorriam nas comunidades e, ao final do projeto, com exposição das imagens e entrega às famílias de fotografias ampliadas. Durante a observação das fotografias, os produtores e familiares conversavam sobre os lugares em que as fotografias foram tiradas, o que era a imagem e as suas impressões sobre elas. Este projeto nos permitiu caminhar ao encontro da construção do conhecimento junto à comunidade em que estamos inseridos.

Biografia do Autor

João Luíz Zani, Universidade Federal de Pelotas

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Pelotas (1990), Residência em Planejamento em Saúde Pública e Saúde Animal pela Universidade Estadual Paulista (1992), mestrado em Sanidade Animal pela Universidade Federal de Pelotas (1994) e doutorado em Medicina Veterinária (Epidemiologia Experimental e Aplicada às Zoonoses) pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Pelotas. 

Amanda Krummenauer, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Medicina veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria (2018), atua como residente em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Pelotas, com ênfase em Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Coletiva.

Referências

BERGER, J. Modos de Ver. Tradução de Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Extensão Universitária - Diretrizes nacionais. 2017.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). Dairy Production and Products – Milk Production. Disponível em: http://www.fao.org/agriculture/dairygateway/milk-production/en/#V3AZwbgrLIV Acesso em: 24 mai. 2019.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário, 2017. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/ Acesso em 24 jun. 2019.

SILVEIRA, L. S.; ALVES, J. V. A utilização da arte como ferramenta para educação ambiental - Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural, Pesquisa em Educação Ambiental, v. 3, n. 2, p. 125-146, 2008.

SILVESTRO, M. L. et al. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: EPAGRI; Brasília: NEAD; Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2001.

SOUSA, J. P. Fotojornalismo – Uma introdução à história, às técnicas e à linguagem da fotografia na imprensa. Porto: Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, 2002. 161p.

SPANEVELLO, R. M. et al. As perspectivas sucessórias de gestão dos negócios do patrimônio entre agricultores familiares sem sucessores. Revista CCEI. Bagé, v. 14, n. 26, p. 54-71, 2010.

VÁMOS, R. Viajanseio. Rio de Janeiro: Réptil, 2016. 216 p.

WANDERLEY, M. N. B. A ruralidade no Brasil moderno: por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In: GIARRACA, N. (Org.). Una nueva ruralidad em America Latina?

Downloads

Publicado

2021-04-28