Peça teatral como abordagem educativa em prática extensionista para prevenção e controle do piolho de cabeça em escola de Araucária-PR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e76715

Palavras-chave:

Pediculose Humana, Ectoparasitose, Combate, Teatro, Pediculus Humanus Capitis

Resumo

O presente artigo tem como foco relatar e discutir a atividade realizada em uma escola da periferia da cidade de Araucária-PR. O objetivo da atividade foi transmitir os conhecimentos sobre a pediculose, com ênfase no combate e prevenção, e desmistificar informações que vêm do conhecimento popular referentes a estas temáticas. O teatro foi a metodologia aplicada e apresentada para um total de 145 crianças, do pré-escolar ao quinto ano dos anos iniciais, e para um grupo de dez a 20 responsáveis. A atividade e a interação com o público foram bastante satisfatórias, uma vez que as crianças e responsáveis expuseram seus conhecimentos tradicionais prévios e foi possível por meio de um “bate-papo” corrigir alguns saberes arraigados sempre fundamentando em informações científicas.

Biografia do Autor

Steffano Alexsander Garcia de Paula, Universidade Federal do Paraná

Graduando em Medicina pela Universidade Federal do Paraná.

Bruna Regina de Almeida, Universidade Federal do Paraná

Graduanda em Medicina pela Universidade Federal do Paraná.

Márcia Kiyoe Shimada, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (1999) e mestrado em Sanidade Animal pela mesma instituição (2002). Doutora em Microbiologia pela UEL (2006). Pós-doutorado no Instituto de Biologia Molecular do Paraná (2007) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009-2010) . Atualmente é professora Associado I da Universidade Federal do Paraná.

Larissa Reifur, Universidade Federal do Paraná

Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (1998), mestrado em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Paraná (2000), doutorado em "Comparative Medicine and Integrative Biology" - Michigan State University, USA (2008) e pós-doutorado em Biologia Molecular. Atualmente é professora Associada do Departamento de Patologia Básica da Universidade Federal do Paraná.

Referências

ALVES, Caion (ed.). O que é Pediculose (Piolho), Tratamento, Remédios e Sintomas. Organização Pan-americana de Saúde 2018. Disponível em: https://opas.org.br/o-que-e-pediculose-piolho-tratamento-remedios-e-sintomas/. Acesso em: 30/04/2020.

BARBOSA, Júlio Vianna; PINTO, Zeneida Teixeira. Pediculose no Brasil. Revista Entomología y Vectores, v. 10, n. 4, p. 579-586. 2003.

COSTA, Cássia Cristina et al. Prevalência de pediculose de cabeça em crianças inseridas em centros municipais de educação infantil. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v. 7, 2017. Disponível em: http://seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/1681. Acesso em: 20 Abr. 2020 https://doi.org/10.19175/recom.v7i0.1681.

COMERCIAL Escabin (2007). FilmesVHS, Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=GQp4yy88DA4. Acesso em: 07 Jun. 2020.

CUMMINGS, Carl et al. Les infestations par les poux de tête: une mise à jour clinique. Jornal Paediatrics & Child Health, v. 23, n. 1, p. 25-32. 2018. Disponível em: https://academic.oup.com/pch/article/23/1/e25/4860351. Acesso em: 30 Mai. 2020. https://doi.org/10.1093/pch/pxx166.

DEVERA, Rodolfo. Epidemiología de la pediculosis capitis en América Latina. SABER. Revista Multidisciplinaria del Consejo de Investigación de la Universidad de Oriente, v. 24, n. 1, p. 25-36. 2012. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=427739447012. Acesso em: 01 Jun. 2020.

FRANKOWSKI, Barbara L.; WEINER, Leonard B. et al. Piolhos. Jornal Pediatrics, v. 110, n. 3, p. 638-643. 2002. Disponível em: https://pediatrics.aappublications.org/content/110/3/638.short. Acesso em: 04 Mai. 2020.

GABANI, Flávia Lopes et al. Pediculose nos centros de educação infantil: conhecimentos e práticas dos trabalhadores. Revista Escola Anna Nery, v. 14, n. 2, p. 309-317. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452010000200014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 29 Abr. 2020. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000200014.

HEUKELBACH, Jörg et al. Ectoparasitoses e saúde pública no Brasil: desafios para controle. Cadernos de Saúde Pública, Rio de janeiro, v. 19, n. 5, p. 1535-1540. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2003000500032&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 01 Jul. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000500032.

JAMANI, Shabana et al. Head lice infestations in rural Honduras: the need for an integrated approach to control neglected tropical diseases. International journal of dermatology, v. 58, n. 5, p. 548-556. 2019. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ijd.14331. Acesso em: 03 Jun. 2020. https://doi.org/10.1111/ijd.14331.

LUSTOSA, Bruno Paulo Rodrigues et al. Vaccuuming method as a successful strategy in the diagnosis of active infestation by Pediculus humanus capitis. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. São Paulo, v.62, e7, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-46652020000100202&tlng=en. Acesso em 24 Mai. 2020. https://doi.org/10.1590/s1678-9946202062007.

MAGALHÃES, Odair do Nascimento. A importância da educação familiar e escolar na formação do homem: uma análise do ensino fundamental, na Escola Governador Sarney no município de Bacabal–MA. 2018.

MARCONDES, C.B. Doenças transmitidas e causadas por artrópodes. Rio de janeiro: Editora Atheneu, 1ª ed., 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Fundação Oswaldo Cruz. Pediculose da cabeça (piolhos). In: Pediculose da cabeça (piolhos). [S. l.], 2 fev. 2016. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2206-pediculose-da-cabeca-piolhos . Acesso em: 25 Mai. 2020.

NEVES, D. P.; MELO, A. L.; LINARDI, P.M.; VITOR, R. W. A. Parasitologia humana. São Paulo: Editora Atheneu, 13º ed., 2016.

NOVAES, Ana Karine Brandao et al. Parasitoses intestinais e pediculose: prevenção em crianças na idade escolar. Revista de APS. v. 20, n. 3, p. 444-449. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/16010. Acesso em: 23 Abr. 2020. http://dx.doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.16010.

NUNES, Suellen Cristina Barbosa et al. Piolhos em amostras de cabelo de jovens, adultos e idosos em Manaus, Amazonas, Brasil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. v. 57, n. 3, p. 239-244. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-46652015000300239&lng=en&tlng=en. Acesso em: 15 Jun. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652015000300010.

PAGOTTI, Renata Elizabete; SANTOS, Verônica Pugliani dos; BISSON, Gabriela Silva; SANTOS, Milena Jorge Simões Flória Lima; FERREIRA, Beatriz Rossetti. Avaliação de um programa para controle de pediculose em uma escola [Evaluation of a program to control pediculosis in schools]. Revista Saúde & Transformação Social/Health & Social Change. v. 3, n. 4, p. 76-82, 2012. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/1823. Acesso em: 14 Jun. 2020.

SILVA, Maria Laura Souza et al. Conhecimento tradicional como instrumento para dinamização do currículo e ensino de ciências. Revista Gaia Scientia. v. 12, n. 4, p. 90-104. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/38710. Acesso em: 18 Jun. 2020. https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n4.38710.

TRIPLEHORM, C.A.; JONNSON, N.F. Estudo dos insetos. São Paulo: Editora Cengage Learning, 2011.

WATERS, Stacey; MONKS, Helen; AYRES, Jennifer; THOMSON, Shane. O uso do teatro na educação (TIE): uma revisão das evidências. 2012. Disponível em: http://www.ntccorporate.com.au/wp-content/uploads/2011/11/ECU_the_use_of_theatre_in_education_a_review_of_the_evidence.pdf. Acesso em: 20 Mai. 2020

Downloads

Publicado

2021-08-26