Desafios da acessibilidade no campus universitário da UFSC: ajudando a transformar a realidade

Autores

  • Luciana Neves da Silva Bampi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Milena Zuchetto Soares Universidade Federal de Santa Catarina
  • Karinati Rocha da Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • André Felipe Britto de Mesquita Universidade Federal de Santa Catarina
  • Cristine Moraes Roos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Soraia Dornelles Schoeller Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e80554

Palavras-chave:

Pessoas com Deficiência, Acessibilidade Arquitetônica, Ajustamento Social, Sensibilização Pública, Enfermagem

Resumo

Objetivo: descrever as vivências de estudantes do curso de graduação em enfermagem ao integrar o projeto de extensão Desafios da acessibilidade no campus universitário da UFSC: transformando a realidade e o processo de formulação e implementação dessa atividade. Método: relato de experiência fundamentado nas vivências experimentadas pelos acadêmicos. Resultados: Os dados revelaram que o conceito de deficiência para os acadêmicos era imerso em estigmas sociais e culturais distantes da concepção de diversidade humana, assim como ficou evidente que apenas considerava-se acessibilidade medidas físicas de adaptação, suprimindo qualquer outra medida social ou comportamental. Conclusão: Tendo em vista que a deficiência é um fenômeno complexo que exige intervenções coletivas para eliminar barreiras do ambiente e da sociedade, acredita-se que é essencial estimular discussões a este respeito.

Biografia do Autor

Luciana Neves da Silva Bampi, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Professora adjunta do Departamento de Enfermagem e da Residência Multiprofissional em Saúde e orientadora do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade de Brasília. Está em exercício provisório no Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina.

Milena Zuchetto Soares, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do grupo de pesquisa Laboratório de Pesquisa, Ensino e Tecnologia em Saúde, Enfermagem e Reabilitação - (RE)HABILITAR. Especialista em Neurologia Clínica e Intensiva pelo Programa de Pós-graduação do Hospital Israelita Albert Einstein (São Paulo). Mestra em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é bolsista de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina.

Karinati Rocha da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Acadêmica do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bolsista de Extensão (PROEX) da UFSC. Membro do Laboratório de ensino, pesquisa, extensão e tecnologia em enfermagem, saúde e reabilitação (Re)Habilitar da UFSC. Participa do projeto "Desafios da Acessibilidade no Campus Universitário da UFSC: transformando a realidade".

André Felipe Britto de Mesquita, Universidade Federal de Santa Catarina

Acadêmico do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bolsista de Extensão (PROEX) UFSC. Membro do Laboratório de ensino, pesquisa, extensão e tecnologia em enfermagem, saúde e reabilitação (Re)Habilitar da UFSC. Participa do projeto de extensão “Desafios da acessibilidade no campus universitário da UFSC: transformando a realidade” 

Cristine Moraes Roos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisadora do Laboratório de Ensino, Pesquisa, Extensão e Tecnologia em Enfermagem, Saúde e Reabilitação -ReHabilitar da UFSC. 

Soraia Dornelles Schoeller, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora da Universidade Federal de Santa Catarina. Membro da Associação Portuguesa de Enfermeiros de Reabilitação. Doutorado em Filosofia da Saúde e Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós doutoramento  na Escola Superior de Enfermagem do Porto. Líder do Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão ReHabilitar da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050, de 11 de outubro de 2015. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. ABNT, 11 out 2015. Available from: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=344730

BAMPI, Luciana Neves da Silva; GUILHEM, Dirce; ALVES, Elioenai Dornelles. Social Model: a new approach of the disability theme. Revista Latino-Americana de Enfermagem, [S.L.], v. 18, n. 4, p. 816-823, ago. 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0104-11692010000400022.

BIBIANA, Ruguru Ireri; MADRINE, King’endo; ERIC, Wangila; SIMON, Thuranira. Structural modification challenges facing the implementation of inclusive education policy in public secondary schools in Tharaka-Nithi County. International Journal Of Educational Administration And Policy Studies, [S.L.], v. 12, n. 2, p. 147-158, 31 jul. 2020. Academic Journals. http://dx.doi.org/10.5897/ijeaps2020.0661.

BRASIL. Lei 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 dez 2000. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm.

FIORATI, Regina Celia; ELUI, Valeria Meirelles Carril. Social determinants of health, inequality and social inclusion among people with disabilities. Revista Latino-Americana de Enfermagem, [S.L.], v. 23, n. 2, p. 329-336, abr. 2015. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0187.2559.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Estado Santa Catarina. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil. php?sigla=sc. Acesso em: 24 nov. 18.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS. Resumo Técnico Censo da Educação Superior 2016. Estado Distrito Federal, Brasília. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484154/RESUMO+T%C3%89CNICO+CENSO+DA+EDUCA%C3%87%C3%83O+SUPERIOR+2016/ec7614e6-11ec-467b-931c-43de9676f5e1?version=1.0. Acesso em: 28 mar. 2021.

LAWRENCE, O.; GOSTIN, J. D. The Highest Expression of American Values. JAMA, v. 313, n. 22, 2015

MELO, F. R. L. V.; ARAÚJO, E. R. Núcleos de Acessibilidade nas Universidades: reflexões a partir de uma experiência institucional. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, Número Especial, 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Reabilitação em sistemas de saúde. São Paulo: Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2017. 74 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254506/9789241549974-por.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em: 28 mar. 2021.

PIVETTA, Elisa Maria; ALMEIDA, Ana Margarida Pisco; SAITO, Daniela Satomi; ULBRICHT, Vania Ribas. Desafios da acessibilidade no ensino superior: estudo de caso na universidade de aveiro. Educação, [S.L.], v. 39, n. 2, p. 166, 6 set. 2016. EDIPUCRS. http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.2.24686.

SASSAKI RK. Inclusão: Acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação). 2009; 1:10-16. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319. Acesso em: 28 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O que é a CAE? 2020. Disponível em: https://cae.ufsc.br/o-que-e-a-cae/. Acesso em: 28 mar. 2021.

Publicado

2021-04-28