“No Brazil a colheita das graças não é menos profusa que a do café”: as Exposições da Indústria no Brasil dos anos 1860.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e75205

Palavras-chave:

Exposições, Café, Economia, Século XIX, Brasil Império

Resumo

O artigo discute o significado econômico das exposições nacionais como parte das grandes exposições universais do século XIX. Com análise específica do caso brasileiro, traça uma discussão sobre o caráter dessas exposições nacionais no país. Em seguida, realiza uma análise de fontes, a partir de uma sátira política da Semana Illustrada e dos relatórios do Júri das Exposições Nacionais de 1861 e de 1866. Destaca com as fontes os elementos críticos à participação do país nas exposições, mostrando também como os relatórios se constituíram em ricas fontes de pesquisa sobre decisões econômicas adotadas pelo governo imperial.

Biografia do Autor

Mônica de Souza Nunes Martins, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

Professora do Departamento de História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, do Programa de Pós-Graduação em História (PPHR) e do Programa de Pós-Graduação Patrimônio, Cultura e Sociedade (PPGPACS).

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ASSIS, Machado de. Correspondência de Machado de Assis: tomo II, 1870-1889 / coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2009. (Coleção Afrânio Peixoto; v. 92), p. 380-393.

BARBUY, Heloísa. O Brasil vai a Paris em 1889: um lugar na Exposição Universal. Anais do Museu Paulista. São Paulo, n. ser, v. 4, p.211-240, dez. 1996.

BARRETO, Patrícia Regina Corrêa. Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional: Templo carioca da Palas Atenas. Doutorado em História das Ciências, Técnicas e Epistemologia. Programa de Pós-Graduação em História das Ciências, Técnicas e Epistemologia da UFRJ. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. A aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CARVALHO, José Murilo de. A construção a Ordem e Teatro de Sombras. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CORDATO, Mary Frances. Toward a New Century: women and the Philadelphia Centennial Exhibition, 1876. The Pennsylvania Magazine of History and Biography. V. 107, N.1 (Jan.1983), p. 113-135.

CRIBELLI, Teresa. “O Império das Palmeiras, os Estados Unidos descobrem o Brasil, 1789-1892” in: MARTINS, Ana Cecilia Impellizieri & SOCHACZEWSKI, Monique (org.) As Descobertas do Brasil: o olhar estrangeiro na construção da imagem do Brasil. Editora Casa da Palavra, Rio de Janeiro, 2014.

FERREIRA, Cristina Araripe. Difusão do conhecimento científico e tecnológico no Brasil na segunda metade do século XIX: a circulação do progresso nas exposições universais e Internacionais. Tese de Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2011.

FILIPOVÁ, Marta. “The Margins of Exhibitions and Exhibitions Studies”, in: FILIPOVÁ, M. (Ed.) Cultures of International Exhibitions 1840-1940. Burlington: Ashgate, 2015.

FINDLING, John E.; PELLE, Kimberly D. Historical Dictionary of World’s Fairs and Expositions, 1851-1988. Westport, Connecticut: Greenwood Press, 1990.

FRAGOSO, João Luís R. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro, 1790-1830. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

GOLDMAN, Flávio. Exposições universais e Diplomacia Pública. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2016.

GRAHAM, Richard. Construindo uma nação no Brasil do século XIX: visões novas e antigas sobre classe, cultura e Estado, Diálogos, DHI/UEM, v. 5, n. 1. p. 11-47, 2001.

GREENHALGH, Paul. Ephemeral Vistas: the Expositions Universelles, Great Exhibitions and World’s Fairs, 1851-1939. Manchester: Manchester University Press, 1988.

GUIMARÃES, Lúcia. Exposições. In VAINFAS, R (Dir.). Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, pp. 252-253.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Cia das Letras, 1988.

HENRIQUE, Juliana da Silva. A Feira de Capuame: pecuária, territorialização e abastecimento (Bahia, século XVIII). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História Econômica. São Paulo: USP, 2014.

HOBSBAWM, Eric, The Age of Revolution,1789-1898. New York: Vintage Books, 1996.

HOBSBAWM, E. Nações e nacionalismo desde 1780. 7ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2012.

KUHLMANN Jr., Moysés. “As Exposições universais e a utopia do controle social”. XVII Simpósio Nacional de História. Anais do XVII Simpósio Nacional de História. São Paulo, julho 1993, pp.169-170.

JUNIOR, Caio Prado. Formação do Brasil contemporâneo. 12ª Ed. São Paulo: Brasiliense, 1972.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer. El papel comercial y financeiro de las ciudades em la América Latina de los siglos XVIII y XIX, in: HARDOY, J; MORSE, R; SHAEDEL, R. Ensayos Histórico-sociales sobre la urbanización en America Latina. Buenos Aires: CLACSO; Ediciones Siap, 1978, p. 219-248.

LUZ, Nícia Vilela. A Luta pela industrialização no Brasil. São Paulo: Editora Alfa-Ômega, 1978.

MARCHANT, Anyda. Viscount Mauá and the Empire of Brazil: a biography of Irineu Evangelista de Souza; 1813-1889. Berkeley; Los Angeles: University of California, 1965.

MARCONDES, Renato Leite. “O mercado brasileiro do século XIX: uma visão por meio do comércio de cabotagem”, Revista de Economia Política, v. 32, n. 1 (126), p. 142-166, São Paulo, Jan-Mar. 2012.

MARTINS, Mônica. “O impacto das Exposições Universais do século XIX para as relações econômicas brasileiras e o avanço tecnológico: uma análise sobre a participação das províncias”. XII Congresso Brasileiro de História Econômica e 13ª Conferência Internacional de História de empresas, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2017.

MENDONÇA, Renato Firmino. Um diplomata na Corte de Inglaterra: o Barão de Penedo e sua época. Brasília: Conselho Editorial do Senado Federal, 2006.

MOTT, Luiz. “Subsídios à história do pequeno comércio no Brasil”, Revista de História, vol. 53, n. 105, 1976.

NEVES, Margarida. As Vitrines do Progresso. Rio de Janeiro: PUC-RJ/FINEP/CNPq, 1986.

PESAVENTO, Sandra J. Imagens da Nação, do Progresso e da Tecnologia: A Exposição Universal de Filadélfia de 1876, Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 2, p. 151-167, 1994.

PESAVENTO, Sandra J. Exposições universais: espetáculos da modernidade no século XIX. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

PFEFFER, Miki. “Mr. Chairman and Fellow American Citizens": African American Agency at the World's Industrial and Cotton Centennial Exposition in New Orleans, 1884-1885, Louisiana History: The Journal of the Louisiana Historical Association, Vol. 51, No. 4 (Fall 2010).

PLUM, Werner. Exposições no século XIX: espetáculos da transformação sociocultural. Bonn: Friedrich-Ebert-Stiftung, 1979.

SANJAD, Nelson. Exposições internacionais: uma abordagem historiográfica a partir da América Latina, Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.24, n.3, jul.-set. 2017, p.785-826.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Exposições Universais: festas do trabalho, festas do progresso. In: As barbas do imperador: D. Pedro II – um monarca nos trópicos. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

Semana Ilustrada: história de uma inovação editorial. Secretaria Especial de Comunicação Social. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria, 2007.

SILVA, José Luiz Werneck. As arenas pacíficas do Progresso. Tese de Doutorado em História. 2 vols. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 1992.

SILVA, José Luiz Werneck da. Isto é o que me parece: a Sociedade Auxiliadora da Indústria nacional (1827-1904) na formação social brasileira. A conjuntura de 1871 até 1877. 2 vols. Dissertação (Mestrado em História), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, 1979.

Downloads

Publicado

2021-09-03

Edição

Seção

Artigos