Mercado de trabalho e salário mínimo na China

Autores

  • João Pedro Braga Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Economia e Laboratório de Estudos em Economia Política da China (LabChina https://orcid.org/0000-0002-4599-1712
  • Isabela Nogueira Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Economia, Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional e Laboratório de Estudos em Economia Política da China (LabChina) https://orcid.org/0000-0001-8223-7906

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n77p49

Palavras-chave:

China, Mercado de trabalho, Salário mínimo, Sonho chinês, Sociedade harmoniosa

Resumo

Este artigo analisa a evolução da política de salário mínimo na China desde o estabelecimento da “sociedade harmoniosa” do ex-presidente Hu Jintao e durante o atual “sonho chinês” de Xi Jinping, examinando-a no contexto geral de funcionamento do mercado de trabalho chinês. A elevada heterogeneidade no desenvolvimento socioeconômico do país está por trás da relativa complexidade da política de salários mínimos na China, onde não existe um dado oficial de mínimo nacional tal como no Brasil. Diante disso, esse artigo contribui empiricamente para o debate ao desenvolver um cálculo próprio do salário mínimo nacional na China de forma a analisar o comportamento do salário mínimo em relação ao salário médio, discutindo sua variação regional e seus potenciais efeitos na distribuição de renda nacional.

Biografia do Autor

João Pedro Braga, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Economia e Laboratório de Estudos em Economia Política da China (LabChina

Mestrando em Economia Aplicada no consórcio EPOG+ (Université Sorbonne Paris Nord) e graduado em economia pela UFRJ.

Referências

AGLIETTA, M.; BAI, G. China’s 13th Five-Year Plan: In Pursuit of a “Moderately Prosperous Society”. CEPII Policy Brief, n. 12, 2016.

BRANDT, L.; HOLZ, C. A. Spatial price differences in China: Estimates and implications. Economic Development and Cultural Change, v. 55, n. 1, p. 43–86, 2006.

BUGRA, A.; AGARTAN, K. Reading Karl Polanyi for the Twenty-First Century: Market Economy as a Political Project. New York: Palgrave Macmillan US, 2007.

CAHUC, Z. Labour Economics. Cambridge MA: MIT Press, 2004.

CEIC. China Standard of Monthly Minimum Wage. Disponível em: https://www.ceicdata.com/pt. Acesso em: 10 out. 2018.

CHAN, C. K. C.; HUI, E. S. I. The development of collective bargaining in China: From collective bargaining by riot to party state-led wage bargaining. China Quarterly, n. 217, p. 221–242, 2014.

CHINA BRIEFING. A Guide to Minimum Wages in China in 2018. Disponível em: http://www.china-briefing.com/. Acesso em: 10 out. 2018.

CHINA ECONOMIC REVIEW. “Chinese Wages are Higher than Brazil, Mexico”, February, 27, 2017. Disponível em: https://chinaeconomicreview.com/chinese-wages-higher-brazil-mexico/. Acesso em: 03 jul. 2020.

DU, Y.; PAN, W. Minimum wage regulation in China and its application to migrant workers in the urban labour market. China and World Economy, vol. 17, n. 2, pp. 79-93, 2009.

H. HERR; KAZANDZISKA, M. The theoretical debate about minimum wages. GLOBAL LABOUR UNIVERSITY WORKING PAPERS, v. 6, n. June 2009, 2009.

HEISE, A. Reconciling facts with fiction: Minimum wages in a post-Keynesian perspective. Hamburg.

ILO. Update on minimum wage developments, 2009.

KARL POLANYI. A Grande Transformação. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Compus Ltda, 2000.

KAUFMAN, B. E. . INSTITUTIONAL ECONOMICS AND THE MINIMUM WAGE : BROADENING THE THEORETICAL AND POLICY. v. 63, n. 3, p. 427–453, 2010.

LEE, S.; SOBECK, K. Low-wage work : A global perspective. International Labour Review, v. 151, n. 3, 2012.

KNIGHT, J.; SONG, L. Towards a Labour Market in China. Oxford University Press, 2005.

LEMOS, S. Minimum wage effects in a developing country ☆. Labour Economics, v. 16, n. 2, p. 224–237, 2009.

LIANG, Z.; APPLETON, S.; SONG, L. Informal employment in China: Trends, Patterns and Determinants of Entry. IZA Discussion Paper Series, n. 10139, 2016.

MEDEIROS, C. Padrões de investimento, mudança institucional e transformação estrutural na economia chinesa. Padrões de desenvolvimento econômico (1950–2008): América Latina, Ásia e Rússia. Brasília: CGEE.

MEDEIROS, C. A influência do salário mínimo sobre a taxa de salários no Brasil na última década. Economia e Sociedade, v. 24, n. 2, p. 263–292, 2015.

MEDEIROS, C.; NOGUEIRA, I. Uma abordagem estruturalista das desigualdades de renda da China Contemporânea. Revista Tempo do Mundo, v. 3, n. 3, 2011.

NAUGHTON, B. The Chinese Economy: Transitions and Growth. Cambridge, MA: MIT Press, 2007.

NOGUEIRA. I. Desenvolvimento Econômico, Distribuição de Renda e Pobreza na China Contemporânea. Tese de doutorado, Instituto de Economia, UFRJ, 2011.

NOGUEIRA. I. Desigualdades e políticas públicas na China: investimentos, salários e riqueza na era da sociedade harmoniosa. In: Cintra, Silva e Pinto. China em transformação: dimensões econômicas e geopolíticas do desenvolvimento. Brasília: IPEA, 2015.

NOGUEIRA, I.; GUIMARÃES, J.V; BRAGA, J.P. Inequalities and Capital Accumulation in China. Revista de Economia Política, vol. 39, n.3, 2019.

NOGUEIRA, I.; BACIL, F.; GUIMARÃES, J.V. A Caminho de um Estado de Bem-Estar Social na China? Uma análise a partir dos sistemas de saúde e educação. Economia e Sociedade, vol. 29, n.1, 2020.

PATON, J. Labour as a (Fictitious) commodity: Polanyi and the capitalist “market economy”. Economic and Labour Relations Review, v. 21, n. 1, p. 77–88, 2010.

PIORE, M. Unemployment and Inflation: Institutionalist and Structuralist views. New York: M. E. Sharpe, Inc., 1979.

SECURITY, M. of L. and S. Provisions on Minimum Wages. Disponível em: http://www.asianlii.org/cn/legis/cen/laws/pomw308/. Acesso em: 10 out. 2018.

SICULAR, T.; YUE, X.; GUSTAFSSON, B.; Li, S. The Urban-Rural Income Gap and Inequality in China. Review of Income and Wealth, vol. 53, n. 1, 2007.

WAN, G. Inequality and Growth in Modern China. Oxford University Press, 2008.

XING, C.; XU, J. Regional variation of the minimum wages in China. IZA Journal of Labor and Development, vol. 5, n. 1, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-07