Conservação, comunidades locais e território: natureza para quem?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e76757

Palavras-chave:

Ordenamento Territorial, Conservação Ambiental, Conflito Socioambiental

Resumo

Este artigo apresenta conflitos socioambientais de uma ilha turística no sul do Brasil. A Ilha do Mel, situada à entrada da Baía de Paranaguá, constituiu-se em um commons de recursos naturais para pescadores de populações tradicionais caiçaras. A criação de duas Unidades de Conservação impôs um plano de uso do solo que remanejou populações, restringiu-lhes acesso a recursos comunitários e originou conflitos relacionados à regulação territorial. O estudo baseou-se em observação participante e análise documental. Os resultados evidenciam que a normatização estatal afrontou direitos humanos e constitucionais das comunidades nativas tradicionais. Argumentamos que o modelo de proteção ambiental utilizado é paradoxal aos objetivos de desenvolvimento sustentável.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Marçal Gonzaga, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Professor na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), no departamento de Administração.

Patrícia Denkewicz, Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR, 2020). Mestre em Desenvolvimento Comunitário pela Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO, 2016). Especialista em Mídias na Educação (UNICENTRO, 2015). Bacharel em Turismo (UNICENTRO, 2012).Tem experiência na área de Turismo com ênfase em comunidades locais, áreas protegidas e conflitos socioambientais, atuando principalmente nos seguintes temas: turismo, turismo e inclusão social, turismo e áreas protegidas, turismo de base comunitária, conflitos socioambientais, meio ambiente e desenvolvimento. E professora no colegiado de Turismo e Meio Ambiente da Universidade Estadual do Paraná, campus Campo Mourão-PR.

Rui Pedro Julião, Universidade Nova de Lisboa

Professor na Universidade Nova de Lisboa no Geografia e Planeamento Regional,  em Lisboa, Portugal.

Referências

ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, H. (org). Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fundação Heinrich Böll, 2004 (p.13-36).

ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, v.24, n.68, p.103-119, 2010.

ACSELRAD, H.; MELLO, C. C.; BEZERRA, G. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ADAMS, W. M.; HUTTON, J. People, parks and poverty: Political ecology and biodiversity conservation. Conservation & Society, v.5, n.2, p.147-183, 2007.

ALTVATER, E. Ilhas de sintropia e exportação de entropia: custos globais do fordismo fossilístico. Cadernos NAEA, n.11, p.3-54, 1993.

ANGUELOVSKI, I. Environmental Justice. In: D’ALISA, G.; DEMARIA, F.; KALLIS, G. Degrowth: a vocabulary for a new era. New York; London: Routledge, 2015.

ANPPO (Associação dos Nativos e Pescadores da Ponta Oeste). Protocolo de Consulta Comunidade Tradicional da Ponta Oeste, Ilha do Mel, Baia de Paranaguá, Brasil. Paranaguá, 2017.

BARBESGAARD, M. Blue growth: savior or ocean grabbing? The Journal of Peasant Studies, v.45, n.1, p.130-149, 2018.

BARROS, L. F. F. O uso e ocupação sobre áreas de preservação permanente na APA Jenipabu (RN, Brasil) e seu caráter conflitivo: onde fica o ordenamento territorial?. Sociedade e Território, v.22, n.2, p. 37-54, 2010.

BERKES, F. et al. Globalization, roving bandits, and marine resources. Science, v.311, p.1557-1558, 2006.

BIERMANN, F. Earth system governance: World politics in the Anthropocene. Cambridge, MA: MIT Press, 2014.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 02/09/1981.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL, Lei nº 9985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 19/07/2000.

BRASIL. Decreto nº 5.051, de 19 de abril de 2004. Promulga a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Povos Indígenas e Tribais. Diário Oficial da União, Brasília, 20/04/2004.

BRASIL. Decreto Federal nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União. Brasília, 08/02/2007.

BÜSCHER, B.; FLETCHER, R. Towards convivial conservation. Conservation & Society, v.17, n.3, p.283-296, 2019.

BÜSCHER, B.; FLETCHER, R. The conservation revolution: Radical ideas for saving nature beyond the Anthropocene. London: Verso, 2020.

CASTILHO, A. G. Enfoque sociológico dos conflitos socioambientais e o movimento por justiça ambiental. Caos – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n.21, p.44-58, 2012.

CASTRO JÚNIOR, E.; COUTINHO, B. H.; FREITAS, L. E. Gestão da biodiversidade e áreas protegidas. In: GUERRA, A. J. T.; COELHO, M. C. N. Unidades de conservação: abordagens e características geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009 (p.25-66).

CHIARELLA, R. Redes y território: la iniciativa IIRSA en foco. Espacio y Desarrollo, n.23, p.5-29, 2011.

COSTA, F. A. Contributions of fallow lands in the Brazilian Amazon to CO2 balance, deforestation and the agrarian economy: Inequalities among competing land use trajectories. Elementa Science of the Anthropocene, n.4, p.000133, 2016.

CRUTZEN, P. J. Geology of Mankind. In: CRUTZEN P., BRAUCH H. (eds). Paul J. Crutzen: A pioneer on atmospheric chemistry and climate change in the Anthropocene. Cham, Switzerland: Springer, 2016. (SpringerBriefs on Pioneers in Science and Practice, v.50, p.211–215).

CRUTZEN, P. J. The “anthropocene.” Journal de Physique IV (Proceedings), v.12, n.10, p.1-5, 2002. DOI:10.1051/jp4:20020447.

DENKEWICZ, P. Turismo, proteção ambiental e inclusão social na Ilha do Mel, Litoral do Paraná. 2020. 242f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

DINIZ, M. T. M. et al. Paisagens integradas dos municípios costeiros da Foz do Rio São Francisco: Brejo Grande/SE e Piaçabuçu, AL. Revista do Departamento de Geografia, v.37, p.108-122, 2019.

DOUVERE, F. The importance of marine spatial planning in advancing ecosystem-based sea use management. Marine Policy, v.32, n.5, p.762-771, 2008.

FOLETO, E. M. As políticas públicas de conservação no ordenamento territorial. Geoambiente, n.21, 2013.

FOLEY, J. A., et al. Global consequences of land use. Science, v.309, n.5734, p.570-574, 2005.

FRANÇA, E. B. Ordenamento territorial e gestão em unidades de conservação de ambientes costeiros. Revista GeoNordeste, v.30, n.1, p.200-219, 2019.

FUZETTI, L.; CORRÊA, M. F. M. Perfil e renda dos pescadores artesanais e das vilas da Ilha do Mel - Paraná, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, v.35, n.4, p.609-621, 2009.

GONZAGA, C. A. M. Pobreza e meio ambiente: conexões e potencialidades. In: SERPE, B. M.; SILVA, L. A. M. (org.). Desenvolvimento, gênero e pobreza. Ponta Grossa: UEPG, 2018 (p.37-49).

GONZAGA, C. A. M.; DENKEWICZ, P.; PRADO, K. C. P. Unidades de Conservação, ecoturismo e conflitos socioambientais na Ilha do Mel (PR), Brasil. Revista ADMpg Gestão Estratégica, v.7, n.1, p.61-67, 2014.

HARDER, E.; FREITAS, A. E. C. Envelhecer na invisibilidade: tempo e narrativa na Ponta Oeste da Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Revista Iluminuras, v.16, n.40, 2015.

HOSOKAWA, R. T.; HOSOKAWA, E. G. A lei dos efeitos acelerados da entropia e o limite no uso de recursos energéticos da biosfera. Floresta, v. 31, n. 1/2, 2001.

HUTTON, J.; ADAMS, W. M.; MUROMBEDZI, J. C. Back to the barriers? Changing narratives in biodiversity conservation. Forum for development studies, v.32, n.2, p.341-370, 2005.

IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Plano de Manejo do Parque Estadual da Ilha do Mel. Curitiba: IAP, 2012.

IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Projeto de lei prevê medidas ambientais e territoriais na Ilha do Mel. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/2020/05/1682/Projeto-de-lei-preve-medidas-ambientais-e-territoriais-na-Ilha-do-Mel.html. Acesso em: 26/08/2020.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo demográfico 2010 Brasília: IBGE, 2010.

KOHLHEPP, G. Conflitos de interesse no ordenamento territorial da Amazônia brasileira. Estudos avançados, v.16, n.45, p.37-61, 2002.

LADEIRA, M. I. Os índios Guarani e as Ilhas do Paraná. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista, 1990.

LASCHEFSKI, K.; ZHOURI, A. Povos indígenas, comunidades tradicionais e meio ambiente: a ‘questão territorial’ e o novo desenvolvimentismo no Brasil. Terra Livre, v.1, n.52, p.241-285, 2019.

LETCHER, T. M.; VALLERO, D. A. (ed.). Waste: A handbook for management. 2 ed. London: Elsevier, 2019. ISBN: 978-0-12-815060-3.

LIMA, L. C.; BRASIL, L. K. B.; LOCATEL, C. D. A dimensão geográfica de políticas públicas: o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e a Política Nacional de Economia Solidária (ECOSOL) no Rio Grande do Norte. Confins, n.34, 2018.

LIRA, T. M.; WITKOSKI, A. C. Floresta Estadual de Maués como artefato humano. Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, 4, Manaus, 2016. Anais... São Paulo: ANPPAS, 2016.

MAESTRO, M. et al. Marine protected areas in the 21st century: Current situation and trends. Ocean & Coastal Management, v.171, p.28-36, 2019.

MALM, A.; HORNBORG, A. The geology of mankind? A critique of the Anthropocene narrative. The Anthropocene Review, v.1, n.1, p.62-69, 2014.

MARQUES, C. Por uma compreensão da crise ambiental e do paradigma do risco. Caderno de Relações Internacionais, v.4, n.7, p.75- 95, 2013.

MARTINEZ-ALIER, J. Ecological distribution conflicts and indicators of sustainability. International Journal of Political Economy, v.34, n.1, p.13-30, 2004.

MARTINEZ-ALIER, J; WALTER, M. Social metabolism and conflicts over extractivism. In: CASTRO, F.; HOGENBOOM, B.; BAUD, M. (ed.). Environmental Governance in Latin America. Hampshire, UK: Palgrave Macmillan, 2016.

MEA (Millennium Ecosystem Assessment). Ecosystems and human well-being: biodiversity synthesis. Washington, DC: Island Press, 2005.

MENON, G.; GONZAGA, C. A. M. O planejamento público contempla as demandas da sociedade?: Uma análise do PPA 2016-2019 do Estado do Paraná. Anais do Congresso Internacional de Administração – ADM-2017. Ponta Grossa, PR: UEPG, 2017.

MIRAGAYA, J.; SIGNORI, L. A importância da Política Nacional de Ordenamento Territorial (PNOT) para o Desenvolvimento Sustentável brasileiro. In: FARIA, R.; SCHVARSBERG, B. (org.). Políticas urbanas e regionais no Brasil. Brasília: UnB, 2011 (p.137-167).

MONTEIRO, F. T.; PEREIRA, D. B.; GAUDIO, R. S. Os(as) apanhadores(as) de flores e o Parque Nacional das Sempre-Vivas: entre ideologias e territorialidades. Sociedade & Natureza, v.24, n.3, 2012.

MPPR (Ministério Público do Paraná) - Direitos Humanos. recomenda que IAP reconheça legitimidade de ocupação no Litoral. Releases 14/11/2012

MPPR (Ministério Público do Paraná) - Direitos Humanos. CAOPJDH recomenda à SEMA medidas e procedimentos adequados para a realização do Direito à consulta prévia, livre e informada junto à Comunidade de Pescadores Artesanais da Ponta Oeste. Central de Comunicação Social do MPPR. Curitiba, 29/09/2016.

MPPR (Ministério Público do Paraná) - Direitos Humanos. Comunidade de Pescadores Artesanais da Ilha do Mel elabora seu Protocolo de Consulta Prévia, Livre e Informada. Central de Comunicação Social do MPPR. Curitiba, 25/08/2017.

NEILSON, A. L.; CASTRO, I. Reflexive research and education for Sustainable Development with coastal fishing communities in the Azores Islands: A theatre for questions. In: CASTRO P. et al. (eds). Biodiversity and Education for Sustainable Development. (World Sustainability Series). Switzerland: Springer, 2016 (p.203-217).

NEILSON, A. L.; SÃO MARCOS, R. Civil participation between private and public spheres: The island sphere and fishing communities in the Azores archipelago. Island Studies Journal, v.11, n.2, p.585-600, 2016.

OST, F. La nature hors la loi: L’écologie à l’épreuve du droit. Paris: La Découverte, 1995.

PARANÁ. Decreto Estadual nº 5.454, de 21 de setembro de 1982. Cria a Estação Ecológica da Ilha do Mel. Diário Oficial do Estado do Paraná. Curitiba, 22/09/1982.

PARANÁ. Decreto Estadual nº. 5.506, de 21 de março de 2002. Cria o Parque Estadual da Ilha do Mel, localizado no município de Paranaguá. Diário Oficial do Estado do Paraná, n.6195. Curitiba, 22/03/2002.

PARANÁ. Lei Estadual nº. 16.037, de 08 de Janeiro de 2009. Dispõe que a Ilha do Mel, situada na baía de Paranaguá, Município de Paranaguá, constitui região de especial interesse ambiental e turístico do Estado do Paraná, conforme especifica. Diário Oficial do Estado do Paraná, n.7885. Curitiba, 08/01/2009.

PARANÁ. Decreto Estadual nº 4.242, de 09 de Fevereiro de 2009. Regulamenta a Lei n° 16.037, de 08 de janeiro de 2009, a qual dispõe que a Ilha do Mel, situada na baía de Paranaguá, Município de Paranaguá, constitui região de especial interesse ambiental e turístico do Estado do Paraná. Diário Oficial do Estado do Paraná, nº. 7.907. Curitiba, 09/02/2009b.

PARANÁ - Coordenadoria do Patrimônio Cultural da Secretaria de Estado da Cultura. Parecer Técnico "Ponta Oeste - Ilha do Mel", Paranaguá (PR), de 03 de setembro de 2012. Referente à solicitação realizada pela Associação de Pescadores da Comunidade de Ponta Oeste - Ilha do Mel à CPC-SEEC, em ofício datado de 02 de abril de 2012, para elaboração de estudos sobre a história da comunidade tendo como suporte o protocolo nº 11.131.381-4, de 03 de novembro de 2012. Curitiba, 2012.

PERES, R. B.; CHIQUITO, E. A. Ordenamento territorial, meio ambiente e desenvolvimento regional: novas questões, possíveis articulações. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v.14, n.2, p.71, 2012.

PIERRI, N. El processo histórico e teórico que conduce a la propuesta del desarrollo sustentable. In: PIERRI, N.; FOLADORI, G; (Org.). ?Sustentabilidad? Desacuerdos sobre el Desarrollo Sustentable. Montevidéu: Trabajo y Capital, 2001 (p.27-80).

POTDAR, A. et al. Innovation in Solid Waste Management through Clean Development Mechanism in Developing Countries. Procedia Environmental Sciences, v.35, p.193-200, 2016.

RODRIGUES, G. G. et al. Território, paisagens e identidades culturais em uma reserva extrativista marinha do nordeste brasileiro. Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais, v.6, n.1, p.235-242, 2017.

SANCHO, A. Ordenamento territorial e áreas protegidas: um olhar sobre o processo de criação do Parque Nacional da Serra do Cipó, MG. GOT - Revista de Geografia e Ordenamento do Território, n.12, p.309-333, 2017.

SANTOS, M. Por outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS, C. Z.; SCHIAVETTI, A. Spatial analysis of Protected Areas of the coastal/marine environment of Brazil. Journal for Nature Conservation, v.22, n. 5, p.453-461, 2014.

SEMA; IAP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente; Instituto Ambiental do Paraná). Plano de manejo da Estação Ecológica da Ilha do Mel, PR. Curitiba: IAP, 1996.

SONG, X.-P, et al. Global land change from 1982 to 2016. Nature, v.560, p.639-643, 2018.

SOUZA, L. R. C.; MILANEZ, B. Conflitos socioambientais e áreas protegidas no Brasil: algumas reflexões. Revista de Geografia, v.5, n.1, p.43-57, 2015.

SPINOLA, C. A. O ecoturismo, o desenvolvimento local e a conservação da natureza em espaços naturais protegidos: objetivos conflitantes? RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, v.8, n.13, p.50-59, 2006.

SPINOLA, C. A. Parques nacionais, conservação da natureza e inserção social: uma realidade possível em quatro exemplos de cogestão Turismo - Visão e Ação, v.15, n.1, p.71-83, 2013.

STEFFEN, W. et al. The Anthropocene: conceptual and historical perspectives. Philosophical Transactions of the Royal Society A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, v.369, n.1938, p.842-867, 2011.

WESTPHAL, E. Para além do paraíso: uma reinterpretação sociológica do discurso ambiental sobre as identidades de grupos tradicionais e de suas práxis religiosas populares na Ilha do Mel. 2014. 305F. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. (org.). Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-03

Edição

Seção

Artigos