De afinidades a coalizões: uma reflexão sobre a “transpolinização” entre gênero e parentesco em décadas recentes da antropologia

Claudia Fonseca

Resumo


Durante as décadas de 70 e 80, houve, no campo da Antropologia, um surgimento de estudos de gênero justamente na época em que os estudos de família e parentesco definhavam. O quase desaparecimento do tema parentesco foi devido, em parte, ao questionamento político e epistemológico das análises clássicas – um questionamento elaborado por, entre outros, pesquisadores feministas. De forma semelhante, a partir da última década, uma nova e dinâmica onda de pesquisas sobre parentesco (agora, redefinido como uma forma de conexão de grande peso emocional e simbólico) é fruto, em grande medida, do investimento de antropólogos influenciados pela teoria feminista. Historiando esse debate, particularmente nas tradições britânica e norte-americana, proponho, neste artigo, olhar para o vaivém entre os dois campos de pesquisa –gênero e parentesco – para pôr em relevo a extrema criatividade de atuais pesquisas que desafiam as fronteiras temáticas e disciplinares.

Palavras-chave


Teoria feminista; Parentesco; Relações de gênero

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Ilha R. Antr., Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC,  Florianópolis, SC, Brasil, ISSNe 2175-8034