A reação contra a descolonização da intelectualidade

Joanna Overing

Resumo


A questão principal levantada aqui é: Como podemos compreender, em termos sociológicos, uma estética amazônica do igualitarismo, na qual encontramos uma consciência do poder bem desenvolvida e uma rica expressão poética? Proponho que é necessária uma profunda revisão da nossa noção do "sociológico" para conseguirmos os instrumentos conceituais necessários à tarefa de capturar a dignidade do igualitarismo amazônico. Em anos recentes, a crítica "pós-colonial" que, dentro e fora da antropologia, tem trabalhado para o descentramento das "grandes narrativas" da Sociedade, foi especialmente produtiva para este fim. Enquanto a sabedoria do pensamento social moderno colocava toda a riqueza do "viver" e da "vida diária" fora dos limites das "Sociedades", algo além da palidez do propriamente "sociológico", muitos críticos pós-coloniais vêem a poética como central ao social. Seguindo esta visão, traz-se o exemplo do uso  do gênero do grotesco nas narrativas Piaroa (um povo da bacia do Orinoco), cuja preocupação política é revelar códigos de decoro e artes da "Folia", ativando uma sociabilidade agradável, e desautorizando uma "hubris" tirânica.

Palavras-chave


Igualitarismo; Crítica pós-colonial; Descolonização intelectual

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Ilha R. Antr., Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC,  Florianópolis, SC, Brasil, ISSNe 2175-8034